Misantropia Dialética

Charles Bukowski Bed & Atom Bomb @ semiose.net

Há di­as, du­ran­te uma con­ver­sa em tor­no do hu­ma­ni­ta­ris­mo, da fi­lan­tro­pia, e mes­mo do he­roís­mo, o meu cep­ti­cis­mo foi de­sa­fi­a­do com a per­gun­ta Mas tu não acre­di­tas que ha­ja pes­so­as bo­as no mun­do, pes­so­as que fa­çam o bem, só pe­lo bem?”. Res­pon­di que não e, após um áto­mo de re­fle­xão, acres­cen­tei que is­so nem se­quer me in­te­res­sa. E a ver­da­de é que, mui­to mais in­te­res­san­te pa­ra mim do que o fac­to de a pes­soa ser boa ou não, de ter pra­ti­ca­do o bem ou não, é o con­jun­to de cir­cuns­tân­ci­as em que tal ac­ção ocor­reu – é que, por ca­da vez que uma pes­soa pra­ti­ca o bem”, exis­te um mal que não de­ve­ria ter ocor­ri­do. Por is­so, es­se con­jun­to de prá­ti­cas a que cha­ma­mos fa­zer bem” na­da mais tra­duz do que uma mo­ral cir­cuns­tan­ci­al ou re­ac­ti­va. Cir­cuns­tan­ci­al por­que de­pen­de do zeit­geist – o que é ho­je jus­to não o se­rá ama­nhã –; ou re­ac­ti­va por­que res­pon­de a uma cir­cuns­tân­cia, em vez de a pre­ca­ver. Pa­ra além dis­so, o fac­to de fa­zer o bem”, não nos trans­for­ma au­to­ma­ti­ca­men­te nu­ma pes­soa boa”. Po­de­mos fa­zer o bem por in­te­res­se – mo­ne­tá­rio, so­ci­al, re­li­gi­o­so, psi­co­ló­gi­co –, por aca­so, ou mes­mo por en­ga­no.

En­quan­to ho­mem bran­co” dos su­búr­bi­os da Eu­ro­pa, pa­re­ço per­ten­cer a uma es­pé­cie que na­da tem de in­te­res­san­te e que na­da tem pa­ra ofe­re­cer ao mun­do, ex­cep­to tal­vez um con­jun­to de pen­sa­men­tos mais ou me­nos de­sin­te­res­san­tes e que, con­so­an­te a épo­ca, a po­lí­ti­ca, as ame­a­ças e a ga­nân­cia, pra­ti­ca o bem e o mal em to­dos os can­tos do mun­do, jus­ti­fi­ca­dos ape­nas por uma das fa­ces da mo­e­da. Es­te pri­mei­ro mun­do de que sou fei­to é um mun­do pró­di­go em guer­ras e ex­plo­ra­ção dos se­gun­do e ter­cei­ro, sem­pre fei­tas de ban­dei­ra bran­ca, pom­ba e ra­mo de oli­vei­ra na mão. To­dos os ou­tros que o fa­zem da mes­ma for­ma são os maus. Apro­vei­tan­do Ha­rendt, creio que o bem, co­mo o mal, não é uma ca­te­go­ria on­to­ló­gi­ca, mas sim o re­sul­ta­do das cir­cuns­tân­ci­as e que, co­mo Ei­ch­mann, to­dos so­mos ca­pa­zes do bem” no efi­caz cum­pri­men­to de or­dens em no­me des­se "bem" que en­via mi­lhões pa­ra a mor­te.

O meu de­sin­te­res­se pe­la prá­ti­ca do bem” ou pe­lo ser bom” não é se­não o pro­du­to do meu de­sin­te­res­se pe­la hu­ma­ni­da­de em ge­ral. No­te-se, por fa­vor, que de­sin­te­res­se não é o mes­mo que re­jei­ção ou ódio. De­sin­te­res­se é o an­tí­po­da do amor fra­ter­nal que su­pos­ta­men­te nos une en­quan­to es­pé­cie – e, da­da a de­fi­ni­ção, qua­se po­de­ria afir­mar des­de já que se há pes­soa que ado­ra a hu­ma­ni­da­de sou eu, já que es­se amor fra­ter­nal” tem da­do os re­sul­ta­dos que co­nhe­ce­mos. A ver­da­de é que nem se­quer acho que na sua mai­o­ria as pes­so­as se­jam bo­as ou más, an­tes creio que a mai­o­ria de­las é des­pro­vi­da de ra­ci­o­cí­nio, acei­tan­do o que uma mi­no­ria so­ci­o­pa­ta lhes ofe­re­ce sob a for­ma de ac­ção e mo­ral vi­gen­te, co­mo bem apon­ta Lo­bac­zews­ki. Pa­la­vras co­mo po­vo”, na­ção”, ou mes­mo hu­ma­ni­da­de”, na­da mais são pa­ra mim do que re­pre­sen­ta­ções das mas­sas ma­ni­pu­la­das pe­los idi­o­tas úteis dos ven­de­do­res das uto­pi­as que me­lhor ser­vem os seus in­te­res­ses.

Le­va-me is­to a di­zer que, em­bo­ra nu­tra es­te ti­po de in­di­fe­ren­ça pa­ra com a hu­ma­ni­da­de, gos­to de pes­so­as. Me­lhor di­zen­do, gos­to de in­di­ví­du­os. Co­nhe­ço mui­tos, e ca­da um de­les re­pre­sen­ta uma ri­que­za in­vul­gar quan­do com­pa­ra­dos com a hu­ma­ni­da­de em ge­ral. Sou mes­mo ami­go de al­guns de­les. Mas gos­to de in­di­ví­du­os em se­pa­ra­do, um a um, tal­vez nu­ma me­sa de três pes­so­as. Sou alér­gi­co a gru­pos, já que fre­quen­te­men­te se trans­for­mam nu­ma re­jei­ção da in­di­vi­du­a­li­da­de e, con­tra­ri­a­men­te ao que su­ce­de quan­do me en­con­tro com um in­di­ví­duo, ra­ra­men­te con­fron­to o gru­po – pe­lo me­nos se­ri­a­men­te. Não só é im­pro­du­ti­vo, co­mo é mes­mo con­tra­pro­du­cen­te. E se al­gum tra­ba­lho de gru­po” é ne­ces­sá­rio, ape­nas pe­ço que me di­gam qual é a mi­nha par­te, pa­ra que pos­sa tra­ba­lhá-la so­zi­nho e, de­pois de a sub­me­ter ao gru­po, dei­xá-los de­ci­dir o que fa­zer com ela – e nun­ca mais pen­sar no as­sun­to. Já se um in­di­ví­duo me pe­de a sua co­la­bo­ra­ção, fa­ço-me in­tei­ra­men­te dis­po­ní­vel pa­ra dis­cu­tir o que quer que se­ja. Não sin­to es­sa ne­ces­si­da­de tão co­mum de per­ten­cer a al­go mai­or”, uma cla­que, um par­ti­do po­lí­ti­co, uma na­ção, ou uma re­li­gião.

Sou, por as­sim di­zer, um mi­san­tro­po di­a­lé­ti­co, acre­di­tan­do que ape­nas o des­pre­zo pe­la hu­ma­ni­da­de po­de­rá sal­vá-la de­la pró­pria, con­fron­tan­do o in­di­ví­duo com o gru­po. Ape­sar dos me­lho­res es­for­ços, a hu­ma­ni­da­de em na­da mais se trans­for­mou do que nu­ma es­pé­cie in­va­so­ra que, de tra­gé­dia em tra­gé­dia, na­da apren­de dos seus er­ros. A úni­ca prá­ti­ca pos­sí­vel do bem é a anu­la­ção das cir­cuns­tân­ci­as que per­mi­tem o mal – e tal anu­la­ção é ape­nas pos­sí­vel se vir­mos a hu­ma­ni­da­de co­mo um mal que de­ve ser er­ra­di­ca­do. Co­mo fa­zer is­to sem er­ra­di­car as pes­so­as, cons­ti­tuin­tes da hu­ma­ni­da­de? Pois é es­se o ver­da­dei­ro de­sa­fio: aca­bar com a hu­ma­ni­da­de pa­ra sal­var as pes­so­as. E se is­to pa­re­ce uma de­e­pity, é por­que pro­va­vel­men­te o é. Que in­te­res­sa is­so, afi­nal?

Aden­da: afi­nal, is­to não é ape­nas "coi­sa de ve­lho de­si­lu­di­do". O jo­vem Jun­bin Lee diz tu­do nu­ma apre­sen­ta­ção mui­to mais atrac­ti­va do que es­te post.

Keep scrolling, keep scrolling – nothing to see here

O New York Ti­mes com­pa­ra su­búr­bi­os, Mont­clair vs. New Jer­sey vs. Do­obs Fer­ry, to­dos em No­va Ior­que. O Ki­a­lo per­gun­ta-me se es­tou far­to da "fá­bri­ca de gri­tos da in­ter­net", pro­me­ten­do-me uma re­de so­ci­al com Pen­sa­men­to, De­ba­te e, ain­da por ci­ma, ami­gá­vel. O Mid­dle East Mo­ni­tor re­pro­duz a afir­ma­ção de uma ONG, se­gun­do a qual o exér­ci­to is­ra­e­li­ta em Ga­za apon­tou fo­go a cri­an­ças, ma­tan­do du­as. A NiT in­for­ma que o Ma­nu­el João Vi­ei­ra viu o Fes­ti­val da can­ção, ten­do ado­ra­do tu­do. A Newswe­ek re­pro­duz a afir­ma­ção de Trump, se­gun­do o qual ele te­ria cor­ri­do pa­ra o ti­ro­teio na es­co­la, mes­mo que não ti­ves­se uma ar­ma. A Reu­ters fa­la do de­sa­gra­do chi­nês em re­la­ção aos pla­nos de Xi. A NPR Mu­sic traz-me a re­por­ta­gem so­bre um car­pin­tei­ro que ten­ta cons­truir um pi­a­no no Ru­an­da. A Ae­on per­gun­ta se po­de­rão os ani­mais mol­dar as su­as pró­pri­as vi­das, ou mes­mo o cur­so da His­tó­ria. O The Guar­di­an diz que a obe­si­da­de é uma mai­or ame­a­ça pa­ra os mil­len­ni­als do que a can­na­bis. A TSF re­pe­te Rio, di­zen­do "Vou tra­ba­lhar com to­dos os que qui­se­rem tra­ba­lhar". O The New York Ti­mes aler­ta pa­ra os efei­tos do aque­ci­men­to nos pin­guins. A BBC fa­la da fal­ta de uva pas­sa no Rei­no Uni­do. E mais: uma exe­cu­ção fa­lha­da e san­gren­ta, os cin­co pen­ce pe­lo co­po na Star­bucks, a lu­ta das cri­an­ças trans­gé­ne­ro, as me­di­das an­ti-se­ca de Cris­tas, a va­ga de frio, o Di­o­go Pi­çar­ra, os tu­ris­tas do Por­to que ul­tra­pas­sa­ram já a fas­quia pre­vis­ta pa­ra 2020 – tu­do is­to por es­ta or­dem, em meia dú­zia de scroll-down. Vai sam­ba:

O Anún­cio do no­vo ci­gar­ro
O trân­si­to lou­co var­ri­do
A mo­ça que cor­re de car­ro
E ten­ta so­nhar co­lo­ri­do
O tris­te re­tra­to da mor­te
Es­tam­pa o Jor­nal O Dia
Ao la­do do ri­so da sor­te
De quem ga­nhou na Lo­te­ria
São coi­sas do Mun­do
Re­ta­lhos da Vi­da
São coi­sas de qual­quer lu­gar
Mas se eu fi­co mu­do
Es­te mun­do imun­do
É ca­paz ten­tar me ten­tar mu­dar

E fi­co a pen­sar no De­bord e na so­ci­e­da­de do es­pec­tá­cu­lo, no Bour­di­eu e o ca­pi­tal cul­tu­ral, no Barthes e nas mi­to­lo­gi­as, no McLuhan e no Nar­ci­so co­mo Nar­co­se.
Sei bem que pa­ra o "lei­tor scroll down" es­te post po­de­rá ser um pe­no­so pre­nún­cio, e não vou ser eu a con­tra­ri­ar es­sa an­te­vi­são: é ver­da­de, hei de re­gres­sar ao as­sun­to. Mas não ho­je.
Ho­je, te­nho de ir ali­men­tar o scroll, com coi­sas rá­pi­das e fa­cil­men­te di­ge­rí­veis. Me­mes, de pre­fe­rên­cia. Afi­nal, não são es­tes um dos prin­ci­pais mo­to­res da evo­lu­ção cul­tu­ral?

Um lamento Tripeiro

Gos­ta­ria de ter a ver­ve do Gi­am­bri, es­sa ca­pa­ci­da­de que pou­cos têm de de­sen­ca­de­ar pa­la­vras umas após ou­tras, per­se­guin­do sen­ti­dos e emo­ções, por ve­zes fan­tas­mas co­mo aque­les que tan­tas ve­zes me as­sal­tam em di­as de alhe­a­men­to, fan­tas­mas-de-cor­ri­da em noi­tes lon­gín­quas nu­ma ci­da­de que ape­nas exis­te na me­mó­ria, es­sa nar­ra­ção ao sa­bor do que gos­ta­ría­mos de ter acon­te­ci­do e, se a ti­ves­se, di­ria tam­bém eu um tex­to acer­ca da ci­da­de que já não é nos­sa, a ci­da­de on­de cres­ce­mos ape­sar da re­dun­dân­cia pa­có­via, da po­bre­za de tu­do, a cal­cor­re­ar tas­cos e be­be­dei­ras sem fa­do, ain­da li­vres da ex­po­si­ção con­tí­nua à câ­ma­ra de­tec­to­ra do very ty­pi­cal que dis­pa­ra se­gun­do a se­gun­do ao sa­bor dos co­pos de vi­nho fá­ceis a 5 eu­ros de tu­ris­ta, e ain­da li­vres do aban­do­no das ca­sas e dos bair­ros e das ilhas e da de­po­si­ção dos ve­lhos nos jar­dins res­guar­da­dos do cen­tro, que já não há ar­vo­re­do que po­voe a Ave­ni­da, dos Airbnb e dos co­gu­me­los-Ho­tel, dos Tuk-Tuk, dos guar­da-chu­vas ama­re­los le­van­ta­dos ao al­to à fren­te das hor­das de ca­ma­rões que nos as­sal­tam os pas­sei­os, na­riz ao al­to, so be­au­ti­ful, so ni­ce, e di-lo-ia de uma as­sen­ta­da, sem res­pi­ra­ção ou pau­sa, fa­la­ria da me­mó­ria, que é sem­pre acer­ca de al­go que per­de­mos no tem­po, que é sem­pre acer­ca de al­go que já lá não es­tá, que o lu­gar ago­ra é ou­tro, e já não nos per­ten­ce.

caos @ semiose.net

A Hora da Nossa Morte

well, they said it would co­me to
this: old. ta­lent go­ne. fum­bling for
the word
he­a­ring the dark
fo­ots­teps, I turn
lo­ok behind me…
not yet, old dog…
so­on enough

Te­nho al­gu­ma di­fi­cul­da­de em con­cep­tu­a­li­zar a mor­te. Já vi mor­tos e já vi mor­rer, já pen­sei es­tar a mor­rer. Es­sa sú­bi­ta pas­sa­gem pa­ra uma não-exis­tên­cia exer­ce em mim um fas­cí­nio acom­pa­nha­do de tris­te­za. Se fi­ca a me­mó­ria, es­sa se­rá a dos ou­tros e por bre­ve tem­po. O que im­por­ta, eu, aca­ba no mes­mo sí­tio de on­de veio, es­se imen­so na­da, sem exis­tên­cia nem tem­po que o me­ça, com a agra­van­te de ter ex­pe­ri­men­ta­do a vi­da e de po­der ser, por is­so, cus­to­so pa­ra mim dei­xá-la. Não sen­do re­li­gi­o­so ou cren­te em ne­nhu­ma das op­ções da­das às al­mas, é-me fá­cil acre­di­tar que mor­ren­do o cor­po vai com ele to­da e qual­quer ener­gia vi­tal, cha­me­mos-lhe o que qui­ser­mos. Na­da fi­ca, por mui­to que eu de­se­je o con­trá­rio. Na­da exis­ti­rá pa­ra mim pe­lo sim­ples mo­ti­vo de eu dei­xar de exis­tir. Não exis­tin­do es­se uni­ver­so de se­gun­da opor­tu­ni­da­de, não exis­te em mim qual­quer es­pe­ran­ça de re­den­ção, não exis­te kar­ma al­gum que me ali­vie ou cas­ti­gue con­so­an­te a for­ma que vi­vi. E is­so obri­ga-me a pen­sar por mim, pa­ra es­ta vi­da, to­man­do as de­ci­sões mo­rais que acho por bem to­mar, ten­tan­do ser um ho­mem bom tan­to quan­to me é pos­sí­vel, hu­ma­no en­tre os hu­ma­nos e res­tan­tes for­mas de vi­da.

now
they sit tal­king about
me: yes, it’s hap­pe­ned, he’s
fi­nished… it’s
sad…”
he ne­ver had a gre­at de­al, did
he?”
well, no, but now…”

É nes­sa si­ner­gia que a mi­nha vi­da per­ten­ce ao mun­do: sei que as mi­nhas ac­ções se re­flec­tem num ecos­sis­te­ma de tal com­ple­xi­da­de que um le­ve ba­ter de asas po­de de­sen­ca­de­ar a des­trui­ção de um con­ti­nen­te. Mas, apro­vei­tan­do a re­ba­ti­da ana­lo­gia, la­men­to ve­ri­fi­car que es­sa per­ten­ça, es­sa es­pé­cie de res­pon­sa­bi­li­da­de pos­sa fin­dar no pre­ci­so mo­nen­to em que es­sas asas dei­xam de po­der vo­ar. O mo­men­to em que tal se ve­ri­fi­que é o mo­men­to em que to­ma­rei pos­se to­tal da mi­nha vi­da e to­ma­rei a de­ci­são mais ra­di­cal. Se o con­se­guir. Se me res­tar a von­ta­de e o meio de a co­mu­ni­car. E se me aju­da­rem a fa­zê-lo. Mo­men­tos exis­tem em que as pes­so­as es­tão sim­ples­men­te can­sa­das de­mais pa­ra pen­sa­rem mor­rer, pa­ra pen­sa­rem no pro­ces­so, em co­mo, quan­do, às mãos de quem, no na­da. Creio que is­so pos­sa ser ex­te­nu­an­te. Nes­se ca­so, ape­nas apre­ci­a­ria que me aju­das­sem, que me pro­vi­den­ci­as­sem com­pa­nhia, con­for­to, paz, na­que­le que é o der­ra­dei­ro mo­men­to. Por­que se tan­tas ve­zes bas­ta a vi­da pa­ra se de­se­jar um úl­ti­mo con­for­to, sem dor e sem an­si­e­da­de, que fa­rá es­sa so­bre­vi­da a que tan­tos es­ta­mos con­de­na­dos, em que mes­mo a rés­tea de dig­ni­da­de que ten­ta­mos man­ter é mi­se­ra­vel­men­te en­xo­va­lha­da pe­la dor. À fal­ta de qua­li­da­de de vi­da, dêem-me qua­li­da­de na mor­te.

now
they are ce­le­bra­ting my de­mi­se
in ta­verns I no lon­ger
fre­quent.
now
I drink alo­ne
at this mal­func­ti­o­ning
ma­chi­ne

De­ci­dir aca­bar com a vi­da é um ra­di­ca­lis­mo as­sen­te nu­ma pre­mis­sa que sus­ten­to: ape­sar de to­do o mun­do que me ro­deia, eu sou o do­no da mi­nha vi­da. É por is­so que, em­bo­ra se­ja cho­can­te, a ideia de sui­cí­dio não é as­sim tão des­vai­ra­da. No li­mi­te, se eu, pes­soa com­ple­ta­men­te for­ma­da e cons­ci­en­te, atin­jo um pon­to em que não en­con­tro sig­ni­fi­ca­do na vi­da e no seu fu­tu­ro, é a mim que com­pe­te a de­ci­são de con­ti­nu­ar ou não. Não que­ro crer que al­gum de nós le­ve ape­nas um mi­nu­to a de­ci­dir mor­rer. Es­sa de­ci­são de­ve ser lon­ga­men­te pon­de­ra­da e, creio eu, de­ve­mos pro­cu­rar au­xí­lio em pes­so­as de con­fi­an­ça e pro­fis­si­o­nais. E se a coi­sa não fun­ci­o­nar, ca­be-nos a nós de­ci­dir o nos­so des­ti­no. E, ca­so quem lê es­te tex­to ve­nha com ale­ga­ções de que o sui­cí­dio é um egoís­mo e uma co­var­dia, en­tão de­vo acres­cen­tar que a mai­o­ria dos sui­cí­di­os tem tan­to que ver com a pes­soa em si quan­to com os que lhe são pró­xi­mos; e que se acha co­var­dia, que ex­pe­ri­men­te olhar pa­ra bai­xo nu­ma pon­te e ima­gi­nar-se a ati­rar-se da­li – um dos exem­plos mais mei­gos” de sui­cí­dio. Por ou­tro la­do, não que­ro dar a en­ten­der que es­tou aqui a fa­zer a apo­lo­gia do sui­cí­dio. O que es­tou é a fa­zer a apo­lo­gia da li­ber­da­de de o exe­cu­tar, da dig­ni­da­de de uma vi­da sem so­fri­men­to, des­se ra­di­ca­lis­mo úl­ti­mo que é o de de­ci­dir se sou ain­da efec­ti­va­men­te vi­vo e de ac­tu­ar em con­for­mi­da­de.

as the sha­dows as­su­me
sha­pes
I fight the slow
re­tre­at
now
my on­ce-pro­mi­se
dwin­dling
dwin­dling

A mi­nha li­ber­da­de não aca­ba on­de a dos ou­tros co­me­ça. Nós re­co­nhe­ce­mo-nos co­mo in­di­ví­duo de du­as for­mas: a nar­ra­ti­va que fa­ze­mos acer­ca de nós pró­pri­os, e a con­fir­ma­ção des­sa nar­ra­ti­va pe­lo Ou­tro. Se eu ou o Ou­tro ve­mos a nos­sa li­ber­da­de li­mi­ta­da pe­la li­ber­da­de do par­cei­ro, en­tão é por­que ne­nhum de nós é li­vre. A mi­nha li­ber­da­de pro­lon­ga-se na do ou­tro, não a es­tor­va, não a li­mi­ta. E es­se, pa­re­ce-me, é um con­cei­to mais di­fí­cil de apre­en­der pe­la mai­o­ria das pes­so­as do que o da mor­te o é pa­ra mim. Mas é um con­cei­to cha­ve na dis­cus­são em tor­no da eu­ta­ná­sia e do sui­cí­dio as­sis­ti­do. Por mui­to que nos cus­te ver par­tir um ami­go, um fa­mi­lar, um côn­ju­ge, ou um fi­lho, de­ve­mos lem­brar-nos que o so­fri­men­to é mui­to mais de­le do que nos­so. Es­sa tre­ta do mais mal é dos que cá fi­cam” é das coi­sas mais te­ne­bro­sas que se po­de es­cu­tar nes­sas con­di­ções. Por mui­to que nos cus­te dei­xar ami­gos, fa­mi­li­a­res, côn­ju­ges e fi­lhos, po­de­rá su­ce­der a qual­quer um de nós não aguen­tar mais a de­gra­da­ção a que es­ta­mos a ser su­jei­tos. E nes­se mo­men­to qual­quer um de nós de­ve­ria ter a pos­si­bi­li­da­de de de­ci­dir em cons­ci­ên­cia, e de par­tir em paz e com dig­ni­da­de. Um ou­tro con­cei­to cha­ve, que de res­to en­glo­ba to­dos os ou­tros, é o de Hu­ma­ni­da­de. Lon­ge de po­lí­ti­cas, de mo­rais cir­cuns­tan­ci­ais, de deu­ses in­fla­dos da sua ine­xis­tên­cia.

now
ligh­ting mo­re ci­ga­ret­tes
pou­ring new
drinks
it has be­en a be­au­ti­ful
fight

Mor­rer é um pro­ces­so, o úl­ti­mo da vi­da. Da mi­nha vi­da, que que­ro dig­na até ao fim. É di­rei­to meu es­co­lher a ho­ra da mi­nha mor­te. É um de­ver so­ci­al pres­ta­rem-me au­xí­lio. E es­pe­ro nun­ca vir a ne­ces­si­tar de­le.

still
is

Aden­da a 12.02.2018: E-mail de lei­tor aten­to in­for­ma-me do plá­gio co­me­ti­do nes­te ar­ti­go. Apa­ren­te­men­te co­pi­ei o que diz a Ma­ri­a­na Mor­tá­gua em "A Der­ra­dei­ra Li­ber­da­de". Não me de­te­rei em ex­pli­ca­ções, vou an­tes ali pa­ra o es­pe­lho sen­tir-me vai­do­so.

– Po­e­ma: "Cor­ne­red", Char­les Bu­kows­ki

Da Perda

And af­ter the storm
I went down to the ba­se­ment
and everything was flo­a­ting
lots of old ana­log key­bo­ards
pro­jec­tors
props from old shows
a big fi­ber­glass pla­ne
a crut­ch
a Ch­rist­mas tree stand
coun­tless pa­pers
pho­to­graphs of our dog
And I lo­o­ked at them flo­a­ting the­re
all the things I had ca­re­fully
sa­ved all my li­fe
And I thought how be­au­ti­ful
how ma­gic and how ca­tas­trophic

Em "Everything is Flo­a­ting" An­der­son des­cre­ve a vi­são do con­teú­do flu­tu­an­te na sua ca­ve inun­da­da, "dis­sol­ving, be­co­ming junk", e no­ta "How be­au­ti­ful, how ma­gic and how ca­tas­trophic". Mas ago­ra exis­te uma no­va pa­la­vra que evo­ca o que sen­tiu, uma abran­gên­cia mais fi­lo­só­fi­ca: "De­ve­ria ter acres­cen­ta­do 'how con­ve­ni­ent', is­so te­ria si­do mais ver­da­dei­ro", e ri. "Os sig­nos são mui­to po­de­ro­sos. Quan­do per­di to­das es­sas coi­sas nas chei­as… a lis­ta des­sas coi­sas tor­nou-se qua­se tão ver­da­dei­ra e re­al quan­to as coi­sas em si; de fac­to, foi me­lhor as­sim por­que a lis­ta evo­cou-as e eu não ti­ve de man­tê-las guar­da­das".

Mais acer­ca de Land­fall, no The Qui­e­tus.

If it's me and yer granny on bongos, it's The Fall

O post-punk, co­mo to­dos os "post", ce­do se trans­for­mou nu­ma ca­co­fo­nia de bo­as in­ten­ções e de maus re­sul­ta­dos. A de­ri­va do punk foi rá­pi­da a de­sa­pa­re­cer, dan­do lu­gar a uma new-wa­ve neo-ro­mân­ti­ca que, já lon­ge da agres­si­vi­da­de anár­qui­ca do "ke­ep it sim­ple, ma­ke it fast", se de­di­ca­va ago­ra a cor­rer em di­fe­ren­tes di­rec­ções que ra­pi­da­men­te le­va­ri­am a mai­o­ria das ban­das ao air-play fá­cil, à pis­ta de dan­ça, e ao su­ces­so efé­me­ro na mai­o­ria dos ca­sos. Nes­se con­tex­to, os The Fall fo­ram uma du­pla ex­cep­ção: nem re­ne­ga­ram as su­as ori­gens no punk, nem o seu su­ces­so foi efé­me­ro.

"If it's me and yer granny on bon­gos, it's The Fall."

Quem acom­pa­nhou a ban­da sa­be que a gran­de quan­ti­da­de de ál­buns pu­bli­ca­dos ti­ve­ram a co­la­bo­ra­ção de de­ze­nas de mú­si­cos, nu­ma ban­da que na cons­tan­te tro­ca de ele­men­tos via ape­nas em Smith a cons­tan­te que a de­fi­nia. Na ver­da­de, os The Fall eram Mark E. Smith, um ho­mem en­tre Ca­mus e os Sex Pis­tols, que trans­for­ma a sua mú­si­ca nu­ma es­pé­cie de "wor­king class post-punk", trans­por­tan­do-nos pa­ra si­tu­a­ções co­mo a des­cri­ta na mú­si­ca aci­ma, tão ao es­ti­lo de Ken Lo­a­ch, que po­de­ria ter-lhe da­do uso em, por exem­plo, "I, Da­ni­el Bla­ke".

Mark E. Smith mor­reu, e com ele per­de­mos os The Fall. Fi­ca a obra, a re­vi­si­tar fre­quen­te­men­te.

O Inferno das Boas Intenções

.

Re­su­min­do: não é com proi­bi­ções, pe­ti­ções, que che­ga­mos a al­gum la­do. É, tal­vez, com uma cons­ci­ên­cia in­di­vi­du­al, in­di­vi­du­al por­que ca­be a ca­da um re­flec­tir e fa­zer as su­as pró­pri­as es­co­lhas – não me ape­te­ce, não que­ro, ser obri­ga­da a ter mais um pai-Es­ta­do que me proí­be de fa­zer o que que­ro.
Sou adul­ta, sou eu que es­co­lho o que que­ro pa­ra a mi­nha vi­da. Da mes­ma for­ma que es­co­lho em quem vo­to, tam­bém es­co­lho que não gos­to de pro­gra­mas que vão ao en­con­tro de for­ma­tos re­a­lity show, se­jam eles quais fo­rem, te­nham eles cri­an­ças, te­nham eles gen­te mais adul­ta.
Não gos­to de as­sis­tir em di­rec­to, sen­ta­da con­for­ta­vel­men­te no so­fá de ca­sa, à ex­plo­ra­ção de pes­so­as com vis­ta a ob­ter lu­cro.
Eu es­co­lho não gos­tar. Pon­to. Ca­da um es­co­lhe­rá o que qui­ser. Re­ti­cên­ci­as.

Ma­ria Ma­dei­ra, no De­li­to

.

As re­ti­cên­ci­as dei­xam sem­pre mui­to por di­zer. Su­po­nho que, no ca­so, se re­fi­ram à dú­vi­da de Ma­dei­ra acer­ca das es­co­lhas dos ou­tros, es­sas tais es­co­lhas in­di­vi­du­ais "por­que ca­be a ca­da um re­flec­tir e fa­zer as su­as pró­pri­as es­co­lhas" lon­ge do om­nis­ci­en­te "pai-Es­ta­do que me proi­be fa­zer o que que­ro". E tu­do es­ta­ria mui­to bem não fos­se o ca­so de es­te ser um as­sun­to que não se li­mi­ta à es­co­lha do vi­si­o­na­men­to de pro­gra­mas de me­lhor ou pi­or gos­to, de re­a­lity shows ou de de­ba­tes de fu­te­bol, de mis­sas do­mi­ni­cais ou de jo­vens que se en­fi­am na ca­ma uns dos ou­tros e aca­bam ou à pan­ca­da, ou em ac­ti­vi­da­des lú­di­co-se­xu­ais. Na ver­da­de, as re­ti­cên­ci­as de Ma­dei­ra na­da mais não são do que um le­van­tar de so­bro­lho de Nar­ci­so so­lip­sis­ta, con­fi­an­do no seu jul­ga­men­to en­quan­to des­de­nha da pos­si­bi­li­da­de de ou­tros não se re­ve­rem na sua for­ma de pen­sar e, as­sim, se­rem apa­nha­dos na ma­lha do "mau gos­to".

Sem es­sa in­ten­ção, é pre­ci­sa­men­te com re­ti­cên­ci­as que a au­to­ra do tex­to jus­ti­fi­ca a exis­tên­cia – e a exi­gên­cia – de um "pai-Es­ta­do". Es­se "pai-Es­ta­do" é a en­ti­da­de que, em vez de proi­bir Ma­dei­ra de fa­zer o que quer – no ca­so, de as­sis­tir aos pro­gra­mas cer­ta­men­te de bom gos­to a que as­sis­te -, po­de e de­ve proi­bir a emis­são de pro­gra­mas que di­vul­gam ima­gens de me­no­res a se­rem "en­can­ta­dos" por uma es­pé­cie de Ce­sar Mi­lan que, sen­do psi­có­lo­ga, afi­nal não exer­ce es­sa con­di­ção no pro­gra­ma, res­tan­do sa­ber por­que foi en­tão es­co­lhi­da pa­ra o pro­gra­ma te­le­vi­si­vo, fi­can­do es­ses me­no­res su­jei­tos a uma es­co­lha fei­ta pe­los seus pro­ge­ni­to­res ou tu­to­res le­gais que, no exer­cí­cio do que por ora pa­re­ce ser o seu di­rei­to le­gal, re­ve­lam um mau gos­to de­cer­to não com­pa­rá­vel ao de Ma­dei­ra. Es­se "pai-es­ta­do", na fi­gu­ra da Or­dem, da ERC, e dos res­tan­tes apa­re­lhos re­gu­la­do­res e le­gis­la­do­res, é a en­ti­da­de que pro­te­ge es­sas cri­an­ças da cir­cuns­tan­ci­a­li­da­de mo­ral que o "bom gos­to" e o "mau gos­to", que a "es­co­lha in­di­vi­du­al" não pro­te­ge. Es­te post não se­ria ne­ces­sá­rio se não hou­ves­se por aí uma res­ma de Ma­dei­ras, do­ta­dos de bom gos­to e cla­ri­vi­dên­cia, pa­ra os quais tu­do se re­su­me à es­co­lha. Mas es­tão er­ra­dos.

A te­o­ria do "Não gos­tas? Mu­da de ca­nal." é ape­nas vá­li­da se nes­ses pro­gra­mas a es­co­lha é ti­da co­mo se­gu­ra por to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes, in­cluin­do as cri­an­ças que, sa­be­mos, não pos­su­em nem ida­de nem es­ta­tu­to pa­ra se­me­lhan­te es­co­lha e de­vem ser pro­te­gi­das do mau gos­to e im­be­ci­li­da­de dos adul­tos. Es­te post não se­ria ne­ces­sá­rio se o "pai-Es­ta­do" re­gu­las­se ain­da mais a saú­de da cri­an­ça e o au­xí­lio aos pais, e se es­ti­ves­se de tal for­ma jun­to das po­pu­la­ções que, em vez de ser ne­ces­sá­rio pa­gar à fa­mí­lia os mil eu­ros pa­ra apa­re­ce­rem no pro­gra­ma, ti­ves­sem con­sul­tas e acom­pa­nha­men­to gra­tui­tos nas es­co­las e nos pos­tos de saú­de, a tem­po e ho­ras. Por fim, es­te post não se­ria ne­ces­sá­rio se o púl­pi­to efé­me­ro que é a In­ter­net não ofe­re­ces­se a opor­tu­ni­da­de de nar­ci­sis­mo va­zio que po­de­mos ler no in­fe­liz ar­ti­go de Ma­ria Ma­dei­ra. Aden­da: Is­to é, mui­to in­fe­liz­men­te, tam­bém vá­li­do pa­ra Vi­e­gas. O nihi­lis­mo ba­co­co che­gou à tor­re de mar­fim.

Livro dos Dias [ I ]

Livro dos Dias @ semiose.net

Pas­so mui­to tem­po, pos­si­vel­men­te de­ma­si­a­do, a pen­sar nas di­fe­ren­ças en­tre o ser e o es­tar, en­tre o que sou e o que fa­ço, en­tre a ra­zão e a ac­ção. Che­go qua­se sem­pre à mes­ma con­clu­são, a de que aqui­lo que me tor­na úni­co, as coi­sas que mais me dis­tin­guem de ou­tro qual­quer, o que me diz que es­te sou eu e ne­nhum ou­tro, mais não são do que uma nar­ra­ti­va que vou de­se­nhan­do à me­di­da que con­tex­tu­a­li­zo as me­mó­ri­as nos de­se­jos.

Sem­pre quis ser ca­paz de es­cre­ver um li­vro. Nun­ca o fiz, a não ser na mi­nha ca­be­ça. Exis­te um sem nú­me­ro de des­cul­pas pa­ra tal, des­de a ní­ti­da fal­ta de ha­bi­li­da­des à di­fi­cul­da­de que se­ria pu­bli­cá-lo. Mas a ver­da­de é que o úni­co ver­da­dei­ro mo­ti­vo pa­ra nun­ca o ter fei­to é a de es­tar cons­ci­en­te da enor­me di­fe­ren­ça que exis­te en­tre es­te meu ser e o que ele faz – a mi­nha vi­da em na­da mais con­sis­te do que meia dú­zia de even­tos fa­cil­men­te de­ta­lha­dos nu­ma fo­lha ex­cel: da­ta, des­cri­ção, ob­jec­ti­vo, in­ter­ve­ni­en­tes, re­sul­ta­do.

O que tem a ver o es­cre­ver um li­vro com es­sa fal­ta de vi­da fei­ta? O que tem tu­do is­so a ver com uma fic­ção ou com um en­saio? Pos­si­vel­men­te na­da. Eu é que es­tou con­ven­ci­do de que quem não tem vi­da pa­ra uma au­to­bi­o­gra­fia não de­ve­ria nun­ca es­cre­ver um li­vro.

Groundhog Day

daniele mariani - a way to the stars

O tem­po, es­sa cons­tru­ção ín­ti­ma que nos me­de os pas­sos en­tre even­tos, pa­re­ce ter-se que­da­do em di­as que, a te­rem acon­te­ci­do, na­da mais são do que for­mas di­fu­sas a que se acres­cen­tam pa­la­vras, olha­res, uma gar­ga­lha­da, mãos que se acer­cam mas não to­cam. Cu­ri­o­sa­men­te é nos so­nhos, tem­po imer­so en­tre tem­pos on­de não se adi­vi­nha pon­ta por on­de se des­fie a me­a­da, que as me­mó­ri­as se tor­nam mais re­a­lis­tas – e nem ne­les te ou­ço um som. Fo­ra dos so­nhos, a bus­ca con­ti­nua. As pa­re­des dei­xa­ram de gri­tar o teu no­me e os di­as con­ti­nu­am o mes­mo.

– Ima­gem: "A way to the stars", Da­ni­e­le Ma­ri­a­ni
– Tí­tu­lo "Groundhog Day" re­ti­ra­do do fil­me de Ha­rold Ra­mis

.

Bobonismo

A ma­nhã es­ta­va re­vi­go­ran­te; fria e so­a­lhei­ra, per­mi­ti­ria uma boa ca­mi­nha­da pe­la pro­pri­e­da­de na com­pa­nhia de Ós­car e do fi­el Er­nes­to. Mal sur­gi no al­pen­dre on­de o fi­el Er­nes­to me es­pe­ra­va, Ós­car pre­ci­pi­tou-se ao meu en­con­tro, pu­lan­do e la­tin­do do­ce­men­te, an­te­ci­pan­do o pas­seio ma­ti­nal. Er­nes­to, ata­vi­a­do pa­ra o ca­mi­nho, cha­mou o cão an­tes que ele me su­jas­se o fa­to de pas­seio, e en­ca­mi­nhou-se pa­ra o por­tão, abrin­do-o pa­ra me dar pas­sa­gem. Sau­dei-o, di­zen­do es­tar um dia ex­ce­len­te pa­ra uma ca­mi­nha­da, e ele de­vol­veu-me a sau­da­ção com um pron­to Ex­ce­len­te dia, Se­nhor Chou­pi­nho!”. Di­ri­gi­mo-nos en­tão, pri­mei­ro às vi­nhas e de­pois à pro­du­ção, pas­san­do en­tre­tan­to pe­los ca­va­los pa­ra ver se Al­va es­ta­va já a pon­to de pa­rir. Ain­da fal­ta um dia ou dois, Se­nhor Chou­pi­nho”, afi­an­çou-me o Ma­nel, fi­lho e ne­to de mes­tres nes­tas coi­sas, nas­ci­do e cri­a­do na quin­ta. Sem avi­so, apa­re­ce-nos o Le­an­dro, o mais pe­que­no de Ma­nel, já pai de três. Ale­grou-me vê-lo, e cha­mei-o. O pe­tiz cor­reu pa­ra mim cum­pri­men­tan­do-me com um Olá, xôr Ma­rí­lio!”, sen­do de ime­di­a­to re­pre­en­di­do pe­lo pai. Se­nhor Chou­pi­nho, Le­an­dro! E ti­ra-me es­se bo­né da ca­be­ça quan­do fa­la­res com o pa­trão!” e, vi­ran­do-se pa­ra mim, des­cul­pou-se, acres­cen­tan­do Se­nhor Chou­pi­nho, des­cul­pe-me lá, não é por fal­ta de edu­ca­ção nos­sa, mas o raio do miú­do tem mui­ta vi­da…”. Apa­zi­guei as su­as pre­o­cu­pa­ções le­van­tan­do a pal­ma da mão e sor­rin­do. Sa­bia que o tem­po tra­ta­ria da edu­ca­ção do ra­paz, mal fos­se tem­po de ele co­la­bo­rar na li­da da quin­ta. Le­an­dro des­pa­chou o ra­paz agar­ran­do-o pe­la go­la do ca­sa­co e dan­do-lhe um ami­gá­vel chu­to no tra­sei­ro. O ra­paz cor­reu es­tá­bu­lo fo­ra, rin­do à gar­ga­lha­da.

Sem di­zer uma pa­la­vra, Le­an­dro co­me­çou a ca­mi­nhar pa­ra a por­ta do es­tá­bu­lo, co­mo dan­do-me a in­di­ca­ção de que a vi­si­ta es­ta­va com­ple­ta. Eu se­gui-o até à por­ta e, trans­pon­do-a, re­to­ma­mos o ca­mi­nho co­mo até ali: eu à fren­te com Ós­car, ele uns dois pas­sos atrás, aten­to a qual­quer so­li­ci­ta­ção que pu­des­se sur­gir. Es­te ho­mem é da­que­la fi­bra que já não exis­te em mui­ta quan­ti­da­de nes­tes di­as mo­der­nos. Do­no da­que­la dig­ni­da­de de quem sa­be o seu lu­gar no mun­do, de­di­cou a sua vi­da à quin­ta e a nós, seus pa­trões. Nos seus qua­ren­ta, há uns quin­ze, re­sol­veu per­der-se de amo­res pe­la Jo­a­qui­na, uma ra­pa­ri­ga vin­da da ca­sa dos meus pri­mos de Mi­ran­de­la. Foi a úni­ca vez que no­ta­mos em Er­nes­to uma li­gei­ra fal­ta de aten­ção aos seus de­ve­res. Pa­ra ser mais pre­ci­so, não era uma fal­ta de aten­ção, mas uma es­pé­cie de aten­ção re­par­ti­da, pe­lo que o acon­se­lha­mos a de­ci­dir-se acer­ca do que re­al­men­te que­ria fa­zer. Se­nho­ra Do­na Mar­ta, Se­nhor Chou­pi­nho” co­me­çou por di­zer, ca­be­ça bai­xa, re­tor­cen­do o bo­né nas mãos, a Jo­a­qui­na é boa ra­pa­ri­ga e eu sei que ela tam­bém gos­ta de mim. Eu já te­nho qua­ren­ta e dois, ela vai a ca­mi­nho dos trin­ta e cin­co, e pen­sa­mos que não era má ideia jun­tar­mos os tra­pi­nhos.” Mar­ta, a mi­nha mu­lher, sem­pre mais pers­pi­caz nes­tas coi­sas do que eu, per­gun­tou acer­ca das su­as idei­as de te­rem fi­lhos, por­que, com­pre­en­da, Er­nes­to, nes­ta al­tu­ra das vos­sas vi­das, se vi­er um fi­lho por aí, vo­cês não vão con­se­guir dar con­ta do re­ca­do.” Ele aqui­es­ceu. Ago­ra, se o Er­nes­to me dis­ser que não irão ter fi­lhos, por mim têm a nos­sa bên­ção.” Eu con­cor­dei, acres­cen­tan­do que sem­pre ha­ve­ria a pos­si­bi­li­da­de de Jo­a­qui­na dei­xar de tra­ba­lhar, fi­can­do ape­nas Er­nes­to a ga­nhar o sus­ten­to da fa­mí­lia. Mar­ta ob­jec­tou de ime­di­a­to pois Jo­a­qui­na es­tá já for­ma­da e é mui­to efi­ci­en­te, pe­lo que ar­ran­jar ago­ra ou­tra ra­pa­ri­ga se­ria uma per­da de tem­po”, ex­pli­ca­ção que acei­tei, em­bo­ra pu­des­se fa­cil­men­te con­tes­tar, vis­to ser mui­to mais di­fí­cil ar­ran­jar um Er­nes­to do que uma Jo­a­qui­na, pois os Er­nes­tos são coi­sa que se ob­tém, em gran­de par­te, pe­las vi­as da ge­né­ti­ca. Mas, en­fim, as­sim fi­cou acor­da­do e de­mos a nos­sa bên­ção ao ca­sa­men­to de Er­nes­to e Jo­a­qui­na, ten­do-lhes ofe­re­ci­do um con­jun­to de por­ce­la­nas que tí­nha­mos há mui­to guar­da­das no só­tão.

En­tre­tan­to, o pas­seio che­ga­va ao fim, e Jo­a­qui­na es­pe­ra­va-nos no al­pen­dre com re­fres­cos. Che­gou-se a nós com a ban­de­ja, e ofe­re­ceu-ma. Pe­guei num que be­bi num tra­go e, di­ri­gin­do-me pa­ra den­tro, dei au­to­ri­za­ção a Jo­a­qui­na que ofe­re­ces­se um re­fres­co a Er­nes­to. Ele agra­de­ceu-me, e be­beu-o tam­bém de um tra­go. Per­gun­tou-me se ne­ces­si­ta­va de mais al­gu­ma coi­sa, e eu dei-lhe au­to­ri­za­ção pa­ra con­ti­nu­ar com os seus de­ve­res a seu mo­do. Não ti­nha mo­ti­vos pa­ra me pre­o­cu­par. A nos­sa Ca­sa sem­pre ti­nha si­do li­be­ral nos cos­tu­mes, mas sem­pre ti­nhe exi­gi­do o me­lhor dos seus cri­a­dos. E uma das coi­sas que mais nos pre­o­cu­pa de ca­da vez que re­ce­be­mos um ra­paz ou uma ra­pa­ri­ga no­va é a sua for­ma­ção. Cha­ma­mos en­tão Er­nes­to que, du­ran­te uma se­ma­na, acom­pa­nha os ho­mens nos seus afa­ze­res den­tro da ca­sa ou nas di­ver­sas ta­re­fas da quin­ta, e cha­ma­mos Jo­a­qui­na que en­si­na às ra­pa­ri­gas re­cém-che­ga­das as ta­re­fas do­més­ti­cas mais fe­mi­ni­nas. A ca­da um de­les ofe­re­ce­mos um exem­plar de Do­mes­ti­cá­lia”, de Pau­la Bo­bo­ne, uma obra que tem fei­to es­co­la nas mai­o­res Ca­sas eu­ro­pei­as, e nas mais tra­di­ci­o­nais da Amé­ri­ca do Nor­te. Es­se li­vro foi, sem som­bra de dú­vi­da, uma das obras mais im­por­tan­tes da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal, uma mais do que ne­ces­sá­ria bu­la dos afa­ze­res do­més­ti­cos e da edu­ca­ção da cri­a­da­gem. Es­tá ago­ra a ser li­do pe­la mi­nha fi­lha Jo­a­na, que um dia te­rá a seu car­go a com­ple­xa ta­re­fa de ge­rir a cri­a­da­gem de ca­sa, acom­pa­nha­da pe­lo es­po­so com que Deus a aben­ço­ar. Pa­ra que os pas­sei­os ma­ti­nais pos­sam ser fei­tos em des­can­so, sa­ben­do que ca­da coi­sa e ca­da um de nós ocu­pa o seu lu­gar.