Pa­ra (re)começar, um post de apre­sen­ta­ção des­ne­ces­sa­ri­a­men­te lon­go


Oh Fuck What Now @ semiose.net

Te­nho vin­do a afas­tar-me da ca­co­fo­nia das re­des so­ci­ais, o que me tem pro­por­ci­o­na­do um des­can­so de que há mui­to ne­ces­si­ta­va. Lon­ge do gos­to’ fá­cil e da par­ti­lha de tu­do e mais al­gu­ma coi­sa, do co­men­tá­rio a coi­sas que na ver­da­de nem se­quer me in­te­res­sam mui­to, lon­ge da­que­la es­pé­cie de azá­fa­ma sem um ob­jec­ti­vo de­fi­ni­do e sem re­sul­ta­dos que não se­jam os de con­ver­sar por con­ver­sar” me­di­a­do por uma com­ple­xa re­de de in­for­ma­ção que es­co­lhe aqui­lo a que de­vo ace­der, sin­to-me co­mo que li­ber­ta­do – não é exa­ge­ro – pa­ra pen­sar nas coi­sas que re­al­men­te me in­te­res­sam.

Es­cre­ver num blog co­mo es­te é, por is­so, al­go que me ex­põe mais do que qual­quer des­sas câ­ma­ras de eco. Pa­ra mim a es­cri­ta é uma es­pé­cie de ac­to li­ber­ta­dor, se­rá mes­mo uma ca­tar­se – umas ve­zes no sen­ti­do psi­ca­na­lí­ti­co do ter­mo, ou­tras no sen­ti­do mé­di­co, co­mo po­de­rão ve­ri­fi­car ao lon­go dos pró­xi­mos posts – e, em­bo­ra pos­sa ser al­go que pu­des­se fa­zer nes­sas re­des, aqui fa­ço-o sem o em­ba­ra­ço do gos­to’ ou do co­men­tá­rio. Es­te blog é, por as­sim di­zer, uma es­pé­cie de ser­mão aos pei­xes. Não fos­se o nar­ci­sis­mo que o re­fle­xo des­tas le­tras no mo­ni­tor ali­men­ta, e es­ta­ria a es­cre­ver num ca­der­no, co­mo fiz du­ran­te tan­to tem­po.

Marílio Choupinho @semiose.net

Por ou­tro la­do, sem­pre pen­sei que es­cre­ver, se­ja o que for, de que for­ma for, com mais ou me­nos ha­bi­li­da­de, é al­go que se des­ti­na a ser li­do. Mes­mo aque­les ca­der­nos que man­te­mos na ga­ve­ta, chei­os de no­tas e im­pres­sões, se­rão li­dos um dia por ou­trem e, des­sa for­ma, cum­pri­rão a sua prin­ci­pal fun­ção: a de dar-nos a co­nhe­cer ao Ou­tro, a de dei­xar que o Ou­tro nos re­co­nhe­ça nas nos­sas di­fe­ren­ças e se­me­lhan­ças, nas nos­sas vir­tu­des e de­fei­tos e, com is­so, pos­si­vel­men­te re­co­nhe­cer-se a si pró­prio. A úni­ca di­fe­ren­ça en­tre tal ca­der­no e es­te blog é a de por aqui se es­cre­ver acer­ca de "as­sun­tos", e não acer­ca de mim ou de ou­tros ob­jec­ti­va­men­te (ape­sar des­te post).

Os que me co­nhe­cem, ou que co­nhe­cem os blogs que te­nho man­ti­do e ma­ta­do des­de 2003, sa­bem bem ao que vêm. Agra­de­ço a mui­tos de­les a dis­po­ni­bi­li­da­de que têm de­mons­tra­do pa­ra atu­rar os meus de­va­nei­os. Ao que aqui che­gam pe­la pri­mei­ra vez, avi­so se­ri­a­men­te: re­pa­ra­rão que a mi­nha ig­no­rân­cia em re­la­ção aos as­sun­tos abor­da­dos é, por ve­zes, con­fran­ge­do­ra­men­te evi­den­te. Mas não é in­ten­ção mi­nha dar res­pos­tas, ape­nas opi­niões que, ape­sar de ho­nes­tas, mui­tas das ve­zes po­de­rão ca­re­cer de fun­da­men­tos mais fir­mes. Es­te blog na­da mais é do que uma di­le­tân­cia, um pas­sa­tem­po pre­ten­si­o­so.

Bem vin­dos.