Não há para onde fugir


Dá-me a im­pres­são de que a ca­da mo­men­to, al­gu­res no mun­do es­tá a ser der­ra­ma­do san­gue ino­cen­te. Uma bom­ba que ex­plo­de, um atro­pe­la­men­to mas­si­vo, um ata­que a ti­ro ou com cu­te­lo, pa­re­cem tor­nar-se o no­vo nor­mal, não pre­en­chen­do já mais do que um ro­da­pé no­ti­ci­o­so en­tre um es­cân­da­lo fu­te­bo­lei­ro e um ca­sa­men­to da re­a­le­za. Es­te no­vo nor­mal tem, no en­tan­to, di­fe­ren­ças de tra­ta­men­to po­lí­ti­co e me­diá­ti­co e, con­se­quen­te­men­te, a nos­sa per­cep­ção é mol­da­da ao sa­bor do que nos en­tra na re­ti­na por en­tre du­as gar­fa­das ao jan­tar, ou en­tre dois scrolls no smartpho­ne. O ata­que das for­ças is­ra­e­li­tas aos ma­ni­fes­tan­tes pa­les­ti­ni­a­nos ocor­ri­do en­quan­to se inau­gu­ra­va a no­va em­bai­xa­da dos EUA em Je­ru­sa­lém, foi ca­rac­te­ri­za­do co­mo con­fron­to” por al­gu­ma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al por­tu­gue­sa, co­mo se a pro­por­ci­o­na­li­da­de das for­ças, das ar­mas, e das pró­pri­as gen­tes pu­des­se, de al­gu­ma for­ma, pro­por­ci­o­nar um con­fron­to. Do la­do po­lí­ti­co ape­nas se es­cu­tam al­gu­mas bre­ves con­de­na­ções, não sen­do a pa­la­vra em­bar­go” se­quer aflo­ra­da – ou ou­tra qual­quer ideia de pu­ni­ção do es­ta­do de Is­ra­el pe­lo mas­sa­cre.

O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das de­ve­ria reu­nir pa­ra de­ba­te, se­gun­do pro­pos­ta do Kuweit, mas apa­ren­te­men­te os EUA blo­que­a­ram já qual­quer hi­pó­te­se de apre­sen­ta­ção do as­sun­to nes­sa se­de. As­sim, uma vez mais a Cis­jor­dâ­nia e Ga­za fi­ca­rão fo­ra da agen­da in­ter­na­ci­o­nal, ou pe­lo me­nos de uma dis­cus­são sé­ria e ou­sa­da que per­mi­ta uma con­de­na­ção efec­ti­va dos ac­tos is­ra­e­li­tas e, por­que não, ame­ri­ca­nos. Na ver­da­de, a es­co­lha de Trump, que que­ro su­por ba­se­a­da nu­ma es­tra­té­gia de de­ses­ta­bi­li­za­ção do Mé­dio Ori­en­te, é du­pla­men­te as­sas­si­na: Je­ru­sa­lém é ter­ri­tó­rio dis­pu­ta­do e re­ser­va­do pe­la ONU, e a da­ta de inau­gu­ra­ção é a pi­or. Se­ten­ta anos de Is­ra­el sig­ni­fi­cam se­ten­ta anos de ocu­pa­ção e opres­são de to­do um po­vo. A Eu­ro­pa, co­mo sem­pre, fi­ca­rá re­fém dos tra­ta­dos com os EUA e com o pró­prio Is­ra­el, e na­da mais fa­rá do que en­vi­ar no­tas de re­pú­dio a uns, e no­tas de pe­sar a ou­tros – to­da e qual­quer po­si­ção de for­ça, de re­al for­ça, con­tra uns e ou­tros pa­re­ce ser im­pos­sí­vel den­tro do en­re­do de com­pro­mis­sos po­lí­ti­cos, eco­nó­mi­cos e mi­li­ta­res – se é que não são um e to­dos a mes­ma coi­sa.

En­tre es­te re­vi­rar de olhos dos me­dia e a im­po­tên­cia po­lí­ti­ca, fi­ca­rão os pa­les­ti­ni­a­nos na mes­ma, e a nós ca­ber-nos-á o pa­pel do scroll e do zap­ping, lo­go após pos­tar­mos uma qual­quer es­pé­cie de in­dig­na­ção nas re­des so­ci­ais, só pa­ra mar­car o pon­to”. O pro­ble­ma, cla­ro es­tá, é o fac­to de os pa­les­ti­ni­a­nos per­ten­ce­rem, de al­gu­ma for­ma, aos Ou­tros, a to­dos aque­les po­vos lá lon­ge que, por par­ti­lha­rem qual­quer ti­po de cul­tu­ra que não se en­qua­dre na tão eu­ro­peia e ame­ri­ca­na tra­di­ção ju­dai­co-cris­tã, são ex­cluí­dos da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal”. E uma vez es­cu­ta­da a opi­nião pú­bli­ca, eles são os ter­ro­ris­tas – o que não dei­xa de ser cu­ri­o­so pa­ra o ca­so, uma vez que a mes­ma opi­nião pú­bli­ca é a an­ti-se­mi­ta que, não fos­se o fac­to de os ju­deus te­rem so­fri­do o ge­no­cí­dio da Se­gun­da Gran­de Guer­ra às mãos dos na­zis, lhes ofe­re­ce­ria mui­to me­nos to­le­rân­cia do que a que têm. Os Ou­tros são po­vos que não têm his­tó­ri­as de he­roís­mo e de re­sis­tên­cia, sim­ples­men­te por­que des­de sem­pre exis­tiu a re­cu­sa de as re­gis­tar, ou que des­de sem­pre as re­gis­tou co­mo um pe­ri­go pa­ra es­ta tal ci­vi­li­za­ção oci­den­tal”, a que não tem Su­per Bo­wl ou Eu­ro­vi­são.

A ver­da­de é que, ape­sar de os nos­sos po­lí­ti­cos se­rem inep­tos e co­bar­des, nós es­ta­mo-nos ma­rim­ban­do. So­mos eu­ro­peus, vi­ve­mos nos es­com­bros do Ilu­mi­nis­mo e na res­sa­ca de 68 – fa­la­mos co­mo se lá es­ti­vés­se­mos es­ta­do, du­ran­te um e ou­tro, ar­ma­mo-nos em pro­gres­sis­tas, mas não pas­sa­mos de ro­di­nhas den­ta­das do pro­gres­so, co­mo di­ria Pes­soa. E as­sim nos tor­na­mos cul­pa­dos. Sim, de­cer­to não fal­ta­rão ma­ni­fes­ta­ções e vi­gí­li­as, de­cer­to não fal­ta­rão gru­pos e as­sem­blei­as pa­ra dis­cus­são do mas­sa­cre. E da­qui a um ano, e a dois, e a três, o Fa­ce­bo­ok re­cor­dar-nos-á um post que fi­ze­mos, a pro­ver­bi­al ban­dei­ra, o pro­ver­bi­al ar­re­mes­so de uma pe­dra e, des­ta vez, a fo­to do ho­mem am­pu­ta­do que mor­reu sem de­sis­tir – mais um sím­bo­lo efé­me­ro de tu­do aqui­lo que nem se­quer che­ga­mos a en­ten­der. Mas a per­gun­ta e fa­zer o quê, en­tão?” é per­fei­ta­men­te vá­li­da. E a res­pos­ta é pro­tes­tar jun­to dos os nos­sos po­lí­ti­cos, são eles os nos­sos re­pre­sen­tan­tes. E es­tar in­for­ma­do. Es­tar bem in­for­ma­do e pen­sar pa­ra além da ra­ma, pa­ra além do tí­tu­lo, pa­ra além do post do opi­ni­on ma­ker de lá do bair­ro.  

Com tan­to mun­do à por­ta nun­ca nos foi tão di­fí­cil en­ten­der os ou­tros e aco­lher as su­as an­si­e­da­des ver­da­dei­ra­men­te; pa­re­ce ser es­se o gran­de pa­ra­do­xo da so­ci­e­da­de ac­tu­al. Com tan­tas fer­ra­men­tas pa­ra agre­mi­a­ção de pes­so­as em tor­no de uma dis­cus­são es­cla­re­ce­do­ra, nun­ca foi tão ele­va­do o rui­do que aba­fa a ver­da­dei­ra in­for­ma­ção. E com tan­ta ci­vi­li­za­ção, nun­ca hou­ve tan­ta bar­bá­rie. Por­que tu­do é pos­sí­vel. Por­que, co­mo diz o Pe­ter Ham­mil, Truth's be­en be­a­ten to its kne­es; | the li­es em­bed ad in­fi­ni­tum | till their re­pe­ti­ti­on | be­co­mes a dic­tum | we're trai­tors to dis­be­li­e­ve.” – e as coi­sas, sa­be­mos, co­me­çam sem­pre por al­gum la­do. In­te­res­sa, pois, re­cu­sar a men­ti­ra. In­te­res­sa exi­gir uma in­for­ma­ção de qua­li­da­de, uma po­lí­ti­ca de qua­li­da­de. In­te­res­sa exi­gir­mos co­ra­gem a to­dos os ac­to­res, in­cluin­do a nós pró­pri­os. Não po­de­mos dei­xar a bar­bá­rie pas­sar.