O Inferno das Boas Intenções


.

Re­su­min­do: não é com proi­bi­ções, pe­ti­ções, que che­ga­mos a al­gum la­do. É, tal­vez, com uma cons­ci­ên­cia in­di­vi­du­al, in­di­vi­du­al por­que ca­be a ca­da um re­flec­tir e fa­zer as su­as pró­pri­as es­co­lhas – não me ape­te­ce, não que­ro, ser obri­ga­da a ter mais um pai-Es­ta­do que me proí­be de fa­zer o que que­ro.
Sou adul­ta, sou eu que es­co­lho o que que­ro pa­ra a mi­nha vi­da. Da mes­ma for­ma que es­co­lho em quem vo­to, tam­bém es­co­lho que não gos­to de pro­gra­mas que vão ao en­con­tro de for­ma­tos re­a­lity show, se­jam eles quais fo­rem, te­nham eles cri­an­ças, te­nham eles gen­te mais adul­ta.
Não gos­to de as­sis­tir em di­rec­to, sen­ta­da con­for­ta­vel­men­te no so­fá de ca­sa, à ex­plo­ra­ção de pes­so­as com vis­ta a ob­ter lu­cro.
Eu es­co­lho não gos­tar. Pon­to. Ca­da um es­co­lhe­rá o que qui­ser. Re­ti­cên­ci­as.

Ma­ria Ma­dei­ra, no De­li­to

.

As re­ti­cên­ci­as dei­xam sem­pre mui­to por di­zer. Su­po­nho que, no ca­so, se re­fi­ram à dú­vi­da de Ma­dei­ra acer­ca das es­co­lhas dos ou­tros, es­sas tais es­co­lhas in­di­vi­du­ais "por­que ca­be a ca­da um re­flec­tir e fa­zer as su­as pró­pri­as es­co­lhas" lon­ge do om­nis­ci­en­te "pai-Es­ta­do que me proi­be fa­zer o que que­ro". E tu­do es­ta­ria mui­to bem não fos­se o ca­so de es­te ser um as­sun­to que não se li­mi­ta à es­co­lha do vi­si­o­na­men­to de pro­gra­mas de me­lhor ou pi­or gos­to, de re­a­lity shows ou de de­ba­tes de fu­te­bol, de mis­sas do­mi­ni­cais ou de jo­vens que se en­fi­am na ca­ma uns dos ou­tros e aca­bam ou à pan­ca­da, ou em ac­ti­vi­da­des lú­di­co-se­xu­ais. Na ver­da­de, as re­ti­cên­ci­as de Ma­dei­ra na­da mais não são do que um le­van­tar de so­bro­lho de Nar­ci­so so­lip­sis­ta, con­fi­an­do no seu jul­ga­men­to en­quan­to des­de­nha da pos­si­bi­li­da­de de ou­tros não se re­ve­rem na sua for­ma de pen­sar e, as­sim, se­rem apa­nha­dos na ma­lha do "mau gos­to".

Sem es­sa in­ten­ção, é pre­ci­sa­men­te com re­ti­cên­ci­as que a au­to­ra do tex­to jus­ti­fi­ca a exis­tên­cia – e a exi­gên­cia – de um "pai-Es­ta­do". Es­se "pai-Es­ta­do" é a en­ti­da­de que, em vez de proi­bir Ma­dei­ra de fa­zer o que quer – no ca­so, de as­sis­tir aos pro­gra­mas cer­ta­men­te de bom gos­to a que as­sis­te -, po­de e de­ve proi­bir a emis­são de pro­gra­mas que di­vul­gam ima­gens de me­no­res a se­rem "en­can­ta­dos" por uma es­pé­cie de Ce­sar Mi­lan que, sen­do psi­có­lo­ga, afi­nal não exer­ce es­sa con­di­ção no pro­gra­ma, res­tan­do sa­ber por­que foi en­tão es­co­lhi­da pa­ra o pro­gra­ma te­le­vi­si­vo, fi­can­do es­ses me­no­res su­jei­tos a uma es­co­lha fei­ta pe­los seus pro­ge­ni­to­res ou tu­to­res le­gais que, no exer­cí­cio do que por ora pa­re­ce ser o seu di­rei­to le­gal, re­ve­lam um mau gos­to de­cer­to não com­pa­rá­vel ao de Ma­dei­ra. Es­se "pai-es­ta­do", na fi­gu­ra da Or­dem, da ERC, e dos res­tan­tes apa­re­lhos re­gu­la­do­res e le­gis­la­do­res, é a en­ti­da­de que pro­te­ge es­sas cri­an­ças da cir­cuns­tan­ci­a­li­da­de mo­ral que o "bom gos­to" e o "mau gos­to", que a "es­co­lha in­di­vi­du­al" não pro­te­ge. Es­te post não se­ria ne­ces­sá­rio se não hou­ves­se por aí uma res­ma de Ma­dei­ras, do­ta­dos de bom gos­to e cla­ri­vi­dên­cia, pa­ra os quais tu­do se re­su­me à es­co­lha. Mas es­tão er­ra­dos.

A te­o­ria do "Não gos­tas? Mu­da de ca­nal." é ape­nas vá­li­da se nes­ses pro­gra­mas a es­co­lha é ti­da co­mo se­gu­ra por to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes, in­cluin­do as cri­an­ças que, sa­be­mos, não pos­su­em nem ida­de nem es­ta­tu­to pa­ra se­me­lhan­te es­co­lha e de­vem ser pro­te­gi­das do mau gos­to e im­be­ci­li­da­de dos adul­tos. Es­te post não se­ria ne­ces­sá­rio se o "pai-Es­ta­do" re­gu­las­se ain­da mais a saú­de da cri­an­ça e o au­xí­lio aos pais, e se es­ti­ves­se de tal for­ma jun­to das po­pu­la­ções que, em vez de ser ne­ces­sá­rio pa­gar à fa­mí­lia os mil eu­ros pa­ra apa­re­ce­rem no pro­gra­ma, ti­ves­sem con­sul­tas e acom­pa­nha­men­to gra­tui­tos nas es­co­las e nos pos­tos de saú­de, a tem­po e ho­ras. Por fim, es­te post não se­ria ne­ces­sá­rio se o púl­pi­to efé­me­ro que é a In­ter­net não ofe­re­ces­se a opor­tu­ni­da­de de nar­ci­sis­mo va­zio que po­de­mos ler no in­fe­liz ar­ti­go de Ma­ria Ma­dei­ra. Aden­da: Is­to é, mui­to in­fe­liz­men­te, tam­bém vá­li­do pa­ra Vi­e­gas. O nihi­lis­mo ba­co­co che­gou à tor­re de mar­fim.