Do género das almas


É na ado­les­cên­cia, es­se pe­río­do de tran­si­ção em que dei­xa­mos de­fi­ni­ti­va­men­te a in­fân­cia sem con­tu­do per­der­mos a ino­cên­cia que se de­fi­ne uma vi­da. Fa­ze­mos es­co­lhas, gran­de par­te de­las er­ra­das co­mo po­de­re­mos ver anos mais tar­de, ori­gi­na­mos ar­re­pen­di­men­tos. Mas o pi­or de tu­do não são as más de­ci­sões, des­sas to­ma­re­mos con­ta, a bem ou a mal, e sa­be­re­mos re­sol­vê-las de uma ou de ou­tra for­ma. Per­ten­cem-nos, tal co­mo a vi­da. O pi­or de tu­do são as es­co­lhas que fa­zem por nós e que hão de re­flec­tir-se, tam­bém elas, por to­da uma vi­da que de­se­ja­ría­mos ser nos­sa, só nos­sa, com to­das as vir­tu­des e de­fei­tos, com to­dos os su­ces­sos e de­sai­res que ela nos ofe­re­ça.

Ti­ve a sor­te de du­ran­te a mi­nha ado­les­cên­cia ver a mi­nha se­xu­a­li­da­de ser cum­pri­da no meu no­me e gé­ne­ro. Por vol­ta dos de­zas­seis anos de ida­de, eu era de­fi­ni­ti­va­men­te um ho­mem den­tro de um cor­po de ho­mem. Nem to­da a gen­te tem es­sa sor­te. Du­ran­te es­se pe­río­do tão con­tur­ba­do de pai­xão, apar­te as pre­fe­rên­ci­as se­xu­ais e da mis­ce­lâ­nea de dú­vi­das que es­se ti­po de ques­tões po­de ori­gi­nar, sa­be­mos já quem so­mos, o que so­mos, se Ma­ria ou Ma­nel, in­de­pen­den­te­men­te do cor­po que nos car­re­ga. E de­cer­to ha­ve­rá pou­cas coi­sas pi­o­res do que vi­ver­mos no cor­po er­ra­do, cum­prin­do nor­mas que não se nos ade­quam, man­ten­do a apa­rên­cia im­pos­ta por um no­me e uma de­sig­na­ção num bi­lhe­te de iden­ti­da­de.

Per­gun­to-me, por is­so, qual a cer­ti­fi­ca­ção mé­di­ca ne­ces­sá­ria pa­ra ates­tar que o Ma­nel vi­ve den­tro de um cor­po de Ma­ria, ou que Ma­ria vi­ve den­tro de um cor­po de Ma­nel, e que qual­quer um de­les tem ain­da de cum­prir as nor­mas so­ci­ais res­pei­tan­tes a um gé­ne­ro que não é o seu, que não sen­te, mas que é obri­ga­do a pra­ti­car. Per­gun­to-me, por is­so, por­que há-de uma pes­soa en­trar na vi­da adul­ta fa­zen­do uma trans­for­ma­ção ra­di­cal, de rom­pan­te, trans­for­man­do-se de um dia pa­ra o ou­tro, quan­do es­sa trans­for­ma­ção po­de ser fei­ta gra­du­al­men­te, por via da ade­qua­ção da nor­ma in­fe­liz­men­te exis­ten­te, ten­do tem­po ain­da pa­ra re­flec­tir acer­ca des­sa mu­dan­ça ra­di­cal e ir­re­ver­sí­vel.

O úni­co mo­ti­vo pa­ra que tal se­ja exi­gi­do, pa­re­ce-me, é a ta­ca­nhez. A ta­ca­nhez é sem­pre ini­mi­ga da li­ber­da­de, por­que não a de­se­ja, e não a de­se­ja por­que não a com­pre­en­de. O ta­ca­nho, se­ja ele um éti­co, se­ja ele um po­lí­ti­co, é uma pes­soa cu­jos re­fe­ren­tes se si­tu­am sem­pre na sua bo­lha de se­gu­ran­ça, se­ja ela ide­o­ló­gi­ca, se­ja ela re­li­gi­o­sa, e que não en­ten­de ou­tros sig­ni­fi­ca­dos pa­ra a pa­la­vra 'li­ber­da­de' que não se­jam os dos li­mi­tes que ele lhe im­põe. Só as­sim se com­pre­en­de es­te ti­po de cau­te­la e de cal­dos de ga­li­nha im­pos­tos a to­dos os ado­les­cen­tes que, vi­ven­do no cor­po er­ra­do, são as­sim obri­ga­dos a aguar­dar mais uns anos pa­ra re­sol­ve­rem uma ques­tão tão es­sen­ci­al à vi­da.

Não sou re­li­gi­o­so – co­mo po­de­ria sê-lo? -, e por is­so uso ha­bi­tu­al­men­te a pa­la­vra 'al­ma' no seu sen­ti­do mais la­to, o do "Ser". E num país ca­tó­li­co que nun­ca dei­xa­mos de ser ape­sar da lai­ci­da­de de­cla­ra­da, per­gun­to: a al­ma, es­sa es­sên­cia que per­du­ra, es­sa en­ti­da­de que irá sa­bo­re­ar o néc­tar dos pa­raí­sos ou as tor­men­tas dos in­fer­nos após uma qual­quer es­pé­cie de jul­ga­men­to, tem ela iden­ti­da­de de gé­ne­ro? Irá o Ma­nel em cor­po de Ma­ria ter uma al­ma-ma­cho ou al­ma-fê­mea? E co­mo irá es­sa al­ma, por­ta­do­ra de tu­do o que so­mos, ser jul­ga­da?

Mas não me jul­guem a mim ain­da por es­tas per­gun­tas apa­ren­te­men­te es­ta­pa­fúr­di­as: elas são fru­to do jul­ga­men­to e con­de­na­ção de jo­vens por mo­ti­vos ape­nas re­la­ci­o­na­dos com uma éti­ca ain­da em­be­bi­da de uma re­li­gi­o­si­da­de cu­ja on­to­lo­gia não é mais do que uma far­sa to­tal­men­te de­sa­de­qua­da aos tem­pos que vi­ve­mos e que é, de res­to, fon­te de tan­tos ma­les so­ci­ais que vi­ve­mos ain­da, no de­al­bar do sé­cu­lo XXI. Mar­ce­lo e os éti­cos não lhe es­ca­pam ain­da, ali­nhan­do pe­la in­qui­si­tó­ria ar­te de se­lec­ci­o­nar os es­co­lhi­dos se­gun­do a sua ta­ca­nhez.

Mar­ce­lo tem to­da a li­ber­da­de de es­co­lher os seus afec­tos, e sa­be­mos qual é a sua praia: ve­lhi­nhos, po­bre­zi­nhos, cri­an­ci­nhas, des­fa­vo­re­ci­dos – exer­cen­do es­sa ca­ri­da­de­zi­nha tão ao gos­to dos tem­pos de on­de vem. Já o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­ve, an­tes de de­mons­trar afec­tos, per­mi­tir que es­tes se­jam de­mons­tra­dos por qual­quer um, se­gun­do a na­tu­re­za da pes­soa, se­gun­do a sua al­ma, se pre­fe­rir. E é pre­ci­sa­men­te is­so que ele es­tá a im­pe­dir. Pe­la sim­ples re­cu­sa da mu­dan­ça de um no­me e de um in­di­ca­dor nor­ma­ti­vo num do­cu­men­to, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­cu­sa que a al­ma ne­le se es­pe­lhe en­quan­to o cor­po não po­de fa­zê-lo.

O que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­tá a fa­zer é sim­ples­men­te re­cu­sar o di­rei­to a uma vi­da ple­na a pes­so­as que co­me­çam ago­ra a vi­vê-la. Não creio que is­so se­ja lá mui­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Nem cris­tão. Nem de bem.