Bobonismo


A ma­nhã es­ta­va re­vi­go­ran­te; fria e so­a­lhei­ra, per­mi­ti­ria uma boa ca­mi­nha­da pe­la pro­pri­e­da­de na com­pa­nhia de Ós­car e do fi­el Er­nes­to. Mal sur­gi no al­pen­dre on­de o fi­el Er­nes­to me es­pe­ra­va, Ós­car pre­ci­pi­tou-se ao meu en­con­tro, pu­lan­do e la­tin­do do­ce­men­te, an­te­ci­pan­do o pas­seio ma­ti­nal. Er­nes­to, ata­vi­a­do pa­ra o ca­mi­nho, cha­mou o cão an­tes que ele me su­jas­se o fa­to de pas­seio, e en­ca­mi­nhou-se pa­ra o por­tão, abrin­do-o pa­ra me dar pas­sa­gem. Sau­dei-o, di­zen­do es­tar um dia ex­ce­len­te pa­ra uma ca­mi­nha­da, e ele de­vol­veu-me a sau­da­ção com um pron­to Ex­ce­len­te dia, Se­nhor Chou­pi­nho!”. Di­ri­gi­mo-nos en­tão, pri­mei­ro às vi­nhas e de­pois à pro­du­ção, pas­san­do en­tre­tan­to pe­los ca­va­los pa­ra ver se Al­va es­ta­va já a pon­to de pa­rir. Ain­da fal­ta um dia ou dois, Se­nhor Chou­pi­nho”, afi­an­çou-me o Ma­nel, fi­lho e ne­to de mes­tres nes­tas coi­sas, nas­ci­do e cri­a­do na quin­ta. Sem avi­so, apa­re­ce-nos o Le­an­dro, o mais pe­que­no de Ma­nel, já pai de três. Ale­grou-me vê-lo, e cha­mei-o. O pe­tiz cor­reu pa­ra mim cum­pri­men­tan­do-me com um Olá, xôr Ma­rí­lio!”, sen­do de ime­di­a­to re­pre­en­di­do pe­lo pai. Se­nhor Chou­pi­nho, Le­an­dro! E ti­ra-me es­se bo­né da ca­be­ça quan­do fa­la­res com o pa­trão!” e, vi­ran­do-se pa­ra mim, des­cul­pou-se, acres­cen­tan­do Se­nhor Chou­pi­nho, des­cul­pe-me lá, não é por fal­ta de edu­ca­ção nos­sa, mas o raio do miú­do tem mui­ta vi­da…”. Apa­zi­guei as su­as pre­o­cu­pa­ções le­van­tan­do a pal­ma da mão e sor­rin­do. Sa­bia que o tem­po tra­ta­ria da edu­ca­ção do ra­paz, mal fos­se tem­po de ele co­la­bo­rar na li­da da quin­ta. Le­an­dro des­pa­chou o ra­paz agar­ran­do-o pe­la go­la do ca­sa­co e dan­do-lhe um ami­gá­vel chu­to no tra­sei­ro. O ra­paz cor­reu es­tá­bu­lo fo­ra, rin­do à gar­ga­lha­da.

Sem di­zer uma pa­la­vra, Le­an­dro co­me­çou a ca­mi­nhar pa­ra a por­ta do es­tá­bu­lo, co­mo dan­do-me a in­di­ca­ção de que a vi­si­ta es­ta­va com­ple­ta. Eu se­gui-o até à por­ta e, trans­pon­do-a, re­to­ma­mos o ca­mi­nho co­mo até ali: eu à fren­te com Ós­car, ele uns dois pas­sos atrás, aten­to a qual­quer so­li­ci­ta­ção que pu­des­se sur­gir. Es­te ho­mem é da­que­la fi­bra que já não exis­te em mui­ta quan­ti­da­de nes­tes di­as mo­der­nos. Do­no da­que­la dig­ni­da­de de quem sa­be o seu lu­gar no mun­do, de­di­cou a sua vi­da à quin­ta e a nós, seus pa­trões. Nos seus qua­ren­ta, há uns quin­ze, re­sol­veu per­der-se de amo­res pe­la Jo­a­qui­na, uma ra­pa­ri­ga vin­da da ca­sa dos meus pri­mos de Mi­ran­de­la. Foi a úni­ca vez que no­ta­mos em Er­nes­to uma li­gei­ra fal­ta de aten­ção aos seus de­ve­res. Pa­ra ser mais pre­ci­so, não era uma fal­ta de aten­ção, mas uma es­pé­cie de aten­ção re­par­ti­da, pe­lo que o acon­se­lha­mos a de­ci­dir-se acer­ca do que re­al­men­te que­ria fa­zer. Se­nho­ra Do­na Mar­ta, Se­nhor Chou­pi­nho” co­me­çou por di­zer, ca­be­ça bai­xa, re­tor­cen­do o bo­né nas mãos, a Jo­a­qui­na é boa ra­pa­ri­ga e eu sei que ela tam­bém gos­ta de mim. Eu já te­nho qua­ren­ta e dois, ela vai a ca­mi­nho dos trin­ta e cin­co, e pen­sa­mos que não era má ideia jun­tar­mos os tra­pi­nhos.” Mar­ta, a mi­nha mu­lher, sem­pre mais pers­pi­caz nes­tas coi­sas do que eu, per­gun­tou acer­ca das su­as idei­as de te­rem fi­lhos, por­que, com­pre­en­da, Er­nes­to, nes­ta al­tu­ra das vos­sas vi­das, se vi­er um fi­lho por aí, vo­cês não vão con­se­guir dar con­ta do re­ca­do.” Ele aqui­es­ceu. Ago­ra, se o Er­nes­to me dis­ser que não irão ter fi­lhos, por mim têm a nos­sa bên­ção.” Eu con­cor­dei, acres­cen­tan­do que sem­pre ha­ve­ria a pos­si­bi­li­da­de de Jo­a­qui­na dei­xar de tra­ba­lhar, fi­can­do ape­nas Er­nes­to a ga­nhar o sus­ten­to da fa­mí­lia. Mar­ta ob­jec­tou de ime­di­a­to pois Jo­a­qui­na es­tá já for­ma­da e é mui­to efi­ci­en­te, pe­lo que ar­ran­jar ago­ra ou­tra ra­pa­ri­ga se­ria uma per­da de tem­po”, ex­pli­ca­ção que acei­tei, em­bo­ra pu­des­se fa­cil­men­te con­tes­tar, vis­to ser mui­to mais di­fí­cil ar­ran­jar um Er­nes­to do que uma Jo­a­qui­na, pois os Er­nes­tos são coi­sa que se ob­tém, em gran­de par­te, pe­las vi­as da ge­né­ti­ca. Mas, en­fim, as­sim fi­cou acor­da­do e de­mos a nos­sa bên­ção ao ca­sa­men­to de Er­nes­to e Jo­a­qui­na, ten­do-lhes ofe­re­ci­do um con­jun­to de por­ce­la­nas que tí­nha­mos há mui­to guar­da­das no só­tão.

En­tre­tan­to, o pas­seio che­ga­va ao fim, e Jo­a­qui­na es­pe­ra­va-nos no al­pen­dre com re­fres­cos. Che­gou-se a nós com a ban­de­ja, e ofe­re­ceu-ma. Pe­guei num que be­bi num tra­go e, di­ri­gin­do-me pa­ra den­tro, dei au­to­ri­za­ção a Jo­a­qui­na que ofe­re­ces­se um re­fres­co a Er­nes­to. Ele agra­de­ceu-me, e be­beu-o tam­bém de um tra­go. Per­gun­tou-me se ne­ces­si­ta­va de mais al­gu­ma coi­sa, e eu dei-lhe au­to­ri­za­ção pa­ra con­ti­nu­ar com os seus de­ve­res a seu mo­do. Não ti­nha mo­ti­vos pa­ra me pre­o­cu­par. A nos­sa Ca­sa sem­pre ti­nha si­do li­be­ral nos cos­tu­mes, mas sem­pre ti­nhe exi­gi­do o me­lhor dos seus cri­a­dos. E uma das coi­sas que mais nos pre­o­cu­pa de ca­da vez que re­ce­be­mos um ra­paz ou uma ra­pa­ri­ga no­va é a sua for­ma­ção. Cha­ma­mos en­tão Er­nes­to que, du­ran­te uma se­ma­na, acom­pa­nha os ho­mens nos seus afa­ze­res den­tro da ca­sa ou nas di­ver­sas ta­re­fas da quin­ta, e cha­ma­mos Jo­a­qui­na que en­si­na às ra­pa­ri­gas re­cém-che­ga­das as ta­re­fas do­més­ti­cas mais fe­mi­ni­nas. A ca­da um de­les ofe­re­ce­mos um exem­plar de Do­mes­ti­cá­lia”, de Pau­la Bo­bo­ne, uma obra que tem fei­to es­co­la nas mai­o­res Ca­sas eu­ro­pei­as, e nas mais tra­di­ci­o­nais da Amé­ri­ca do Nor­te. Es­se li­vro foi, sem som­bra de dú­vi­da, uma das obras mais im­por­tan­tes da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal, uma mais do que ne­ces­sá­ria bu­la dos afa­ze­res do­més­ti­cos e da edu­ca­ção da cri­a­da­gem. Es­tá ago­ra a ser li­do pe­la mi­nha fi­lha Jo­a­na, que um dia te­rá a seu car­go a com­ple­xa ta­re­fa de ge­rir a cri­a­da­gem de ca­sa, acom­pa­nha­da pe­lo es­po­so com que Deus a aben­ço­ar. Pa­ra que os pas­sei­os ma­ti­nais pos­sam ser fei­tos em des­can­so, sa­ben­do que ca­da coi­sa e ca­da um de nós ocu­pa o seu lu­gar.