25.04


Não é sem al­gum em­ba­ra­ço que por ve­zes sou en­re­da­do em dis­cus­sões acer­ca do "sig­ni­fi­ca­do do 25 de Abril", es­pe­ci­al­men­te com pes­so­as nas­ci­das em de­mo­cra­cia ou com aque­las que de­cla­ram, sem dar es­pa­ço a dú­vi­da, que "es­tá tu­do na mes­ma" e que "is­to são sem­pre os mes­mos a ma­mar". Sou, ain­da as­sim, ca­paz de en­ten­der um nas­ci­do em li­ber­da­de e de­mo­cra­cia, tan­to quan­to en­ten­do os que me olham sur­pre­en­di­dos quan­do sa­co de um blo­co de no­tas – a de­mo­cra­cia em li­ber­da­de, co­mo os te­le­mó­veis, sem­pre es­te­ve aí, de que adi­an­ta es­tar com fes­tas e co­me­mo­ra­ções acer­ca de uma coi­sa que é tão ve­lha que só exis­tiu a pre­to e bran­co? Aos ou­tros, dei­xei de lhes li­gar. Per­ten­cem àque­la es­pé­cie de pes­so­as que, sem so­lu­ções pa­ra a sua vi­da, por­que não con­se­guem en­con­trá-las, por­que se sen­tem per­di­dos na sua in­ca­pa­ci­da­de, de­sa­tam a cul­par tu­do e to­dos, quan­do não a boi­co­tar as su­as bo­as in­ten­ções ou ac­ções.

O em­ba­ra­ço que sin­to é re­la­ti­vo à ne­ces­si­da­de de ex­pli­ca­ção do tal "sig­ni­fi­ca­do" de al­go que sem­pre pen­sei ser cla­ro: vi­vía­mos nu­ma di­ta­du­ra que pren­dia, tor­tu­ra­va e ma­ta­va opo­si­to­res, que en­vi­a­va jo­vens pa­ra a mor­te nos cam­pos da ex­plo­ra­ção co­lo­ni­al, que man­ti­nha po­vos sob o pe­sa­do ju­go do Im­pé­rio. Cos­tu­mo dar um exem­plo prá­ti­co aos mais jo­vens, o da Mo­ci­da­de Por­tu­gue­sa e das ex­pec­ta­ti­vas de uma qual­quer cri­an­ça: eles es­ta­ri­am re­ser­va­dos des­de ce­do pa­ra o cum­pri­men­to do de­ver de "de­fe­sa da Pá­tria" e, vol­tan­do vi­vos, in­tei­ros e com saú­de, tor­nar-se-iam tra­ba­lha­do­res num re­gi­me que não re­co­nhe­cia quais­quer di­rei­tos aos tra­ba­lha­do­res ou, vol­tan­do in­ca­pa­zes co­mo tan­tos vol­ta­ram, ren­der-se-iam à ca­ri­da­de­zi­nha das ins­ti­tui­ções e das quer­mes­ses; elas es­ta­ri­am re­ser­va­das ao cum­pri­men­to do pa­pel de mu­lhe­res, coi­sa nu­la sem di­rei­tos que não fos­sem o de pa­rir e tra­tar dos fi­lhos e do ma­ri­do de quem eram pro­pri­e­da­de, pa­ra to­dos os efei­tos.
Ex­pli­co-lhes en­tão que, cri­an­ça, a mai­or no­vi­da­de que re­ce­bi com o 25 de Abril foi a de não ter de ir pa­ra a guer­ra no Ul­tra­mar.

Con­tu­do, há que pen­sar que es­ta ne­ces­si­da­de de ex­pli­ca­ções do sig­ni­fi­ca­do e im­por­tân­cia do 25 de Abril não é se­não sin­to­má­ti­ca da ne­ces­si­da­de de uma re­fle­xão acer­ca da for­ma co­mo a re­vo­lu­ção, pas­sa­das mais de qua­tro dé­ca­das, che­gou ou não à men­te das pes­so­as e da for­ma co­mo ela é ho­je co­mu­ni­ca­da pa­ra além da ico­no­gra­fia. Pa­ra além dis­so, te­mo, é ne­ces­sá­rio ava­li­ar sem me­dos até que pon­to se cum­priu Abril, quais os obs­tá­cu­los não su­pe­ra­dos – que de­cer­to fo­ram bas­tan­tes – e quais os re­tro­ces­sos. E so­bre­tu­do co­mo ha­ve­mos de, fi­nal­men­te, cum­prir a re­vo­lu­ção.

.