Misantropia Dialética


Charles Bukowski Bed & Atom Bomb @ semiose.net

Há di­as, du­ran­te uma con­ver­sa em tor­no do hu­ma­ni­ta­ris­mo, da fi­lan­tro­pia, e mes­mo do he­roís­mo, o meu cep­ti­cis­mo foi de­sa­fi­a­do com a per­gun­ta Mas tu não acre­di­tas que ha­ja pes­so­as bo­as no mun­do, pes­so­as que fa­çam o bem, só pe­lo bem?”. Res­pon­di que não e, após um áto­mo de re­fle­xão, acres­cen­tei que is­so nem se­quer me in­te­res­sa. E a ver­da­de é que, mui­to mais in­te­res­san­te pa­ra mim do que o fac­to de a pes­soa ser boa ou não, de ter pra­ti­ca­do o bem ou não, é o con­jun­to de cir­cuns­tân­ci­as em que tal ac­ção ocor­reu – é que, por ca­da vez que uma pes­soa pra­ti­ca o bem”, exis­te um mal que não de­ve­ria ter ocor­ri­do. Por is­so, es­se con­jun­to de prá­ti­cas a que cha­ma­mos fa­zer bem” na­da mais tra­duz do que uma mo­ral cir­cuns­tan­ci­al ou re­ac­ti­va. Cir­cuns­tan­ci­al por­que de­pen­de do zeit­geist – o que é ho­je jus­to não o se­rá ama­nhã –; ou re­ac­ti­va por­que res­pon­de a uma cir­cuns­tân­cia, em vez de a pre­ca­ver. Pa­ra além dis­so, o fac­to de fa­zer o bem”, não nos trans­for­ma au­to­ma­ti­ca­men­te nu­ma pes­soa boa”. Po­de­mos fa­zer o bem por in­te­res­se – mo­ne­tá­rio, so­ci­al, re­li­gi­o­so, psi­co­ló­gi­co –, por aca­so, ou mes­mo por en­ga­no.

En­quan­to ho­mem bran­co” dos su­búr­bi­os da Eu­ro­pa, pa­re­ço per­ten­cer a uma es­pé­cie que na­da tem de in­te­res­san­te e que na­da tem pa­ra ofe­re­cer ao mun­do, ex­cep­to tal­vez um con­jun­to de pen­sa­men­tos mais ou me­nos de­sin­te­res­san­tes e que, con­so­an­te a épo­ca, a po­lí­ti­ca, as ame­a­ças e a ga­nân­cia, pra­ti­ca o bem e o mal em to­dos os can­tos do mun­do, jus­ti­fi­ca­dos ape­nas por uma das fa­ces da mo­e­da. Es­te pri­mei­ro mun­do de que sou fei­to é um mun­do pró­di­go em guer­ras e ex­plo­ra­ção dos se­gun­do e ter­cei­ro, sem­pre fei­tas de ban­dei­ra bran­ca, pom­ba e ra­mo de oli­vei­ra na mão. To­dos os ou­tros que o fa­zem da mes­ma for­ma são os maus. Apro­vei­tan­do Ha­rendt, creio que o bem, co­mo o mal, não é uma ca­te­go­ria on­to­ló­gi­ca, mas sim o re­sul­ta­do das cir­cuns­tân­ci­as e que, co­mo Ei­ch­mann, to­dos so­mos ca­pa­zes do bem” no efi­caz cum­pri­men­to de or­dens em no­me des­se "bem" que en­via mi­lhões pa­ra a mor­te.

O meu de­sin­te­res­se pe­la prá­ti­ca do bem” ou pe­lo ser bom” não é se­não o pro­du­to do meu de­sin­te­res­se pe­la hu­ma­ni­da­de em ge­ral. No­te-se, por fa­vor, que de­sin­te­res­se não é o mes­mo que re­jei­ção ou ódio. De­sin­te­res­se é o an­tí­po­da do amor fra­ter­nal que su­pos­ta­men­te nos une en­quan­to es­pé­cie – e, da­da a de­fi­ni­ção, qua­se po­de­ria afir­mar des­de já que se há pes­soa que ado­ra a hu­ma­ni­da­de sou eu, já que es­se amor fra­ter­nal” tem da­do os re­sul­ta­dos que co­nhe­ce­mos. A ver­da­de é que nem se­quer acho que na sua mai­o­ria as pes­so­as se­jam bo­as ou más, an­tes creio que a mai­o­ria de­las é des­pro­vi­da de ra­ci­o­cí­nio, acei­tan­do o que uma mi­no­ria so­ci­o­pa­ta lhes ofe­re­ce sob a for­ma de ac­ção e mo­ral vi­gen­te, co­mo bem apon­ta Lo­bac­zews­ki. Pa­la­vras co­mo po­vo”, na­ção”, ou mes­mo hu­ma­ni­da­de”, na­da mais são pa­ra mim do que re­pre­sen­ta­ções das mas­sas ma­ni­pu­la­das pe­los idi­o­tas úteis dos ven­de­do­res das uto­pi­as que me­lhor ser­vem os seus in­te­res­ses.

Le­va-me is­to a di­zer que, em­bo­ra nu­tra es­te ti­po de in­di­fe­ren­ça pa­ra com a hu­ma­ni­da­de, gos­to de pes­so­as. Me­lhor di­zen­do, gos­to de in­di­ví­du­os. Co­nhe­ço mui­tos, e ca­da um de­les re­pre­sen­ta uma ri­que­za in­vul­gar quan­do com­pa­ra­dos com a hu­ma­ni­da­de em ge­ral. Sou mes­mo ami­go de al­guns de­les. Mas gos­to de in­di­ví­du­os em se­pa­ra­do, um a um, tal­vez nu­ma me­sa de três pes­so­as. Sou alér­gi­co a gru­pos, já que fre­quen­te­men­te se trans­for­mam nu­ma re­jei­ção da in­di­vi­du­a­li­da­de e, con­tra­ri­a­men­te ao que su­ce­de quan­do me en­con­tro com um in­di­ví­duo, ra­ra­men­te con­fron­to o gru­po – pe­lo me­nos se­ri­a­men­te. Não só é im­pro­du­ti­vo, co­mo é mes­mo con­tra­pro­du­cen­te. E se al­gum tra­ba­lho de gru­po” é ne­ces­sá­rio, ape­nas pe­ço que me di­gam qual é a mi­nha par­te, pa­ra que pos­sa tra­ba­lhá-la so­zi­nho e, de­pois de a sub­me­ter ao gru­po, dei­xá-los de­ci­dir o que fa­zer com ela – e nun­ca mais pen­sar no as­sun­to. Já se um in­di­ví­duo me pe­de a sua co­la­bo­ra­ção, fa­ço-me in­tei­ra­men­te dis­po­ní­vel pa­ra dis­cu­tir o que quer que se­ja. Não sin­to es­sa ne­ces­si­da­de tão co­mum de per­ten­cer a al­go mai­or”, uma cla­que, um par­ti­do po­lí­ti­co, uma na­ção, ou uma re­li­gião.

Sou, por as­sim di­zer, um mi­san­tro­po di­a­lé­ti­co, acre­di­tan­do que ape­nas o des­pre­zo pe­la hu­ma­ni­da­de po­de­rá sal­vá-la de­la pró­pria, con­fron­tan­do o in­di­ví­duo com o gru­po. Ape­sar dos me­lho­res es­for­ços, a hu­ma­ni­da­de em na­da mais se trans­for­mou do que nu­ma es­pé­cie in­va­so­ra que, de tra­gé­dia em tra­gé­dia, na­da apren­de dos seus er­ros. A úni­ca prá­ti­ca pos­sí­vel do bem é a anu­la­ção das cir­cuns­tân­ci­as que per­mi­tem o mal – e tal anu­la­ção é ape­nas pos­sí­vel se vir­mos a hu­ma­ni­da­de co­mo um mal que de­ve ser er­ra­di­ca­do. Co­mo fa­zer is­to sem er­ra­di­car as pes­so­as, cons­ti­tuin­tes da hu­ma­ni­da­de? Pois é es­se o ver­da­dei­ro de­sa­fio: aca­bar com a hu­ma­ni­da­de pa­ra sal­var as pes­so­as. E se is­to pa­re­ce uma de­e­pity, é por­que pro­va­vel­men­te o é. Que in­te­res­sa is­so, afi­nal?

Aden­da: afi­nal, is­to não é ape­nas "coi­sa de ve­lho de­si­lu­di­do". O jo­vem Jun­bin Lee diz tu­do nu­ma apre­sen­ta­ção mui­to mais atrac­ti­va do que es­te post.