Livro dos Dias [ I ]


Livro dos Dias @ semiose.net

Pas­so mui­to tem­po, pos­si­vel­men­te de­ma­si­a­do, a pen­sar nas di­fe­ren­ças en­tre o ser e o es­tar, en­tre o que sou e o que fa­ço, en­tre a ra­zão e a ac­ção. Che­go qua­se sem­pre à mes­ma con­clu­são, a de que aqui­lo que me tor­na úni­co, as coi­sas que mais me dis­tin­guem de ou­tro qual­quer, o que me diz que es­te sou eu e ne­nhum ou­tro, mais não são do que uma nar­ra­ti­va que vou de­se­nhan­do à me­di­da que con­tex­tu­a­li­zo as me­mó­ri­as nos de­se­jos.

Sem­pre quis ser ca­paz de es­cre­ver um li­vro. Nun­ca o fiz, a não ser na mi­nha ca­be­ça. Exis­te um sem nú­me­ro de des­cul­pas pa­ra tal, des­de a ní­ti­da fal­ta de ha­bi­li­da­des à di­fi­cul­da­de que se­ria pu­bli­cá-lo. Mas a ver­da­de é que o úni­co ver­da­dei­ro mo­ti­vo pa­ra nun­ca o ter fei­to é a de es­tar cons­ci­en­te da enor­me di­fe­ren­ça que exis­te en­tre es­te meu ser e o que ele faz – a mi­nha vi­da em na­da mais con­sis­te do que meia dú­zia de even­tos fa­cil­men­te de­ta­lha­dos nu­ma fo­lha ex­cel: da­ta, des­cri­ção, ob­jec­ti­vo, in­ter­ve­ni­en­tes, re­sul­ta­do.

O que tem a ver o es­cre­ver um li­vro com es­sa fal­ta de vi­da fei­ta? O que tem tu­do is­so a ver com uma fic­ção ou com um en­saio? Pos­si­vel­men­te na­da. Eu é que es­tou con­ven­ci­do de que quem não tem vi­da pa­ra uma au­to­bi­o­gra­fia não de­ve­ria nun­ca es­cre­ver um li­vro.