caos @ semiose.net

A Hora da Nossa Morte


well, they said it would co­me to
this: old. ta­lent go­ne. fum­bling for
the word
he­a­ring the dark
fo­ots­teps, I turn
lo­ok behind me…
not yet, old dog…
so­on enough

Te­nho al­gu­ma di­fi­cul­da­de em con­cep­tu­a­li­zar a mor­te. Já vi mor­tos e já vi mor­rer, já pen­sei es­tar a mor­rer. Es­sa sú­bi­ta pas­sa­gem pa­ra uma não-exis­tên­cia exer­ce em mim um fas­cí­nio acom­pa­nha­do de tris­te­za. Se fi­ca a me­mó­ria, es­sa se­rá a dos ou­tros e por bre­ve tem­po. O que im­por­ta, eu, aca­ba no mes­mo sí­tio de on­de veio, es­se imen­so na­da, sem exis­tên­cia nem tem­po que o me­ça, com a agra­van­te de ter ex­pe­ri­men­ta­do a vi­da e de po­der ser, por is­so, cus­to­so pa­ra mim dei­xá-la. Não sen­do re­li­gi­o­so ou cren­te em ne­nhu­ma das op­ções da­das às al­mas, é-me fá­cil acre­di­tar que mor­ren­do o cor­po vai com ele to­da e qual­quer ener­gia vi­tal, cha­me­mos-lhe o que qui­ser­mos. Na­da fi­ca, por mui­to que eu de­se­je o con­trá­rio. Na­da exis­ti­rá pa­ra mim pe­lo sim­ples mo­ti­vo de eu dei­xar de exis­tir. Não exis­tin­do es­se uni­ver­so de se­gun­da opor­tu­ni­da­de, não exis­te em mim qual­quer es­pe­ran­ça de re­den­ção, não exis­te kar­ma al­gum que me ali­vie ou cas­ti­gue con­so­an­te a for­ma que vi­vi. E is­so obri­ga-me a pen­sar por mim, pa­ra es­ta vi­da, to­man­do as de­ci­sões mo­rais que acho por bem to­mar, ten­tan­do ser um ho­mem bom tan­to quan­to me é pos­sí­vel, hu­ma­no en­tre os hu­ma­nos e res­tan­tes for­mas de vi­da.

now
they sit tal­king about
me: yes, it’s hap­pe­ned, he’s
fi­nished… it’s
sad…”
he ne­ver had a gre­at de­al, did
he?”
well, no, but now…”

É nes­sa si­ner­gia que a mi­nha vi­da per­ten­ce ao mun­do: sei que as mi­nhas ac­ções se re­flec­tem num ecos­sis­te­ma de tal com­ple­xi­da­de que um le­ve ba­ter de asas po­de de­sen­ca­de­ar a des­trui­ção de um con­ti­nen­te. Mas, apro­vei­tan­do a re­ba­ti­da ana­lo­gia, la­men­to ve­ri­fi­car que es­sa per­ten­ça, es­sa es­pé­cie de res­pon­sa­bi­li­da­de pos­sa fin­dar no pre­ci­so mo­nen­to em que es­sas asas dei­xam de po­der vo­ar. O mo­men­to em que tal se ve­ri­fi­que é o mo­men­to em que to­ma­rei pos­se to­tal da mi­nha vi­da e to­ma­rei a de­ci­são mais ra­di­cal. Se o con­se­guir. Se me res­tar a von­ta­de e o meio de a co­mu­ni­car. E se me aju­da­rem a fa­zê-lo. Mo­men­tos exis­tem em que as pes­so­as es­tão sim­ples­men­te can­sa­das de­mais pa­ra pen­sa­rem mor­rer, pa­ra pen­sa­rem no pro­ces­so, em co­mo, quan­do, às mãos de quem, no na­da. Creio que is­so pos­sa ser ex­te­nu­an­te. Nes­se ca­so, ape­nas apre­ci­a­ria que me aju­das­sem, que me pro­vi­den­ci­as­sem com­pa­nhia, con­for­to, paz, na­que­le que é o der­ra­dei­ro mo­men­to. Por­que se tan­tas ve­zes bas­ta a vi­da pa­ra se de­se­jar um úl­ti­mo con­for­to, sem dor e sem an­si­e­da­de, que fa­rá es­sa so­bre­vi­da a que tan­tos es­ta­mos con­de­na­dos, em que mes­mo a rés­tea de dig­ni­da­de que ten­ta­mos man­ter é mi­se­ra­vel­men­te en­xo­va­lha­da pe­la dor. À fal­ta de qua­li­da­de de vi­da, dêem-me qua­li­da­de na mor­te.

now
they are ce­le­bra­ting my de­mi­se
in ta­verns I no lon­ger
fre­quent.
now
I drink alo­ne
at this mal­func­ti­o­ning
ma­chi­ne

De­ci­dir aca­bar com a vi­da é um ra­di­ca­lis­mo as­sen­te nu­ma pre­mis­sa que sus­ten­to: ape­sar de to­do o mun­do que me ro­deia, eu sou o do­no da mi­nha vi­da. É por is­so que, em­bo­ra se­ja cho­can­te, a ideia de sui­cí­dio não é as­sim tão des­vai­ra­da. No li­mi­te, se eu, pes­soa com­ple­ta­men­te for­ma­da e cons­ci­en­te, atin­jo um pon­to em que não en­con­tro sig­ni­fi­ca­do na vi­da e no seu fu­tu­ro, é a mim que com­pe­te a de­ci­são de con­ti­nu­ar ou não. Não que­ro crer que al­gum de nós le­ve ape­nas um mi­nu­to a de­ci­dir mor­rer. Es­sa de­ci­são de­ve ser lon­ga­men­te pon­de­ra­da e, creio eu, de­ve­mos pro­cu­rar au­xí­lio em pes­so­as de con­fi­an­ça e pro­fis­si­o­nais. E se a coi­sa não fun­ci­o­nar, ca­be-nos a nós de­ci­dir o nos­so des­ti­no. E, ca­so quem lê es­te tex­to ve­nha com ale­ga­ções de que o sui­cí­dio é um egoís­mo e uma co­var­dia, en­tão de­vo acres­cen­tar que a mai­o­ria dos sui­cí­di­os tem tan­to que ver com a pes­soa em si quan­to com os que lhe são pró­xi­mos; e que se acha co­var­dia, que ex­pe­ri­men­te olhar pa­ra bai­xo nu­ma pon­te e ima­gi­nar-se a ati­rar-se da­li – um dos exem­plos mais mei­gos” de sui­cí­dio. Por ou­tro la­do, não que­ro dar a en­ten­der que es­tou aqui a fa­zer a apo­lo­gia do sui­cí­dio. O que es­tou é a fa­zer a apo­lo­gia da li­ber­da­de de o exe­cu­tar, da dig­ni­da­de de uma vi­da sem so­fri­men­to, des­se ra­di­ca­lis­mo úl­ti­mo que é o de de­ci­dir se sou ain­da efec­ti­va­men­te vi­vo e de ac­tu­ar em con­for­mi­da­de.

as the sha­dows as­su­me
sha­pes
I fight the slow
re­tre­at
now
my on­ce-pro­mi­se
dwin­dling
dwin­dling

A mi­nha li­ber­da­de não aca­ba on­de a dos ou­tros co­me­ça. Nós re­co­nhe­ce­mo-nos co­mo in­di­ví­duo de du­as for­mas: a nar­ra­ti­va que fa­ze­mos acer­ca de nós pró­pri­os, e a con­fir­ma­ção des­sa nar­ra­ti­va pe­lo Ou­tro. Se eu ou o Ou­tro ve­mos a nos­sa li­ber­da­de li­mi­ta­da pe­la li­ber­da­de do par­cei­ro, en­tão é por­que ne­nhum de nós é li­vre. A mi­nha li­ber­da­de pro­lon­ga-se na do ou­tro, não a es­tor­va, não a li­mi­ta. E es­se, pa­re­ce-me, é um con­cei­to mais di­fí­cil de apre­en­der pe­la mai­o­ria das pes­so­as do que o da mor­te o é pa­ra mim. Mas é um con­cei­to cha­ve na dis­cus­são em tor­no da eu­ta­ná­sia e do sui­cí­dio as­sis­ti­do. Por mui­to que nos cus­te ver par­tir um ami­go, um fa­mi­lar, um côn­ju­ge, ou um fi­lho, de­ve­mos lem­brar-nos que o so­fri­men­to é mui­to mais de­le do que nos­so. Es­sa tre­ta do mais mal é dos que cá fi­cam” é das coi­sas mais te­ne­bro­sas que se po­de es­cu­tar nes­sas con­di­ções. Por mui­to que nos cus­te dei­xar ami­gos, fa­mi­li­a­res, côn­ju­ges e fi­lhos, po­de­rá su­ce­der a qual­quer um de nós não aguen­tar mais a de­gra­da­ção a que es­ta­mos a ser su­jei­tos. E nes­se mo­men­to qual­quer um de nós de­ve­ria ter a pos­si­bi­li­da­de de de­ci­dir em cons­ci­ên­cia, e de par­tir em paz e com dig­ni­da­de. Um ou­tro con­cei­to cha­ve, que de res­to en­glo­ba to­dos os ou­tros, é o de Hu­ma­ni­da­de. Lon­ge de po­lí­ti­cas, de mo­rais cir­cuns­tan­ci­ais, de deu­ses in­fla­dos da sua ine­xis­tên­cia.

now
ligh­ting mo­re ci­ga­ret­tes
pou­ring new
drinks
it has be­en a be­au­ti­ful
fight

Mor­rer é um pro­ces­so, o úl­ti­mo da vi­da. Da mi­nha vi­da, que que­ro dig­na até ao fim. É di­rei­to meu es­co­lher a ho­ra da mi­nha mor­te. É um de­ver so­ci­al pres­ta­rem-me au­xí­lio. E es­pe­ro nun­ca vir a ne­ces­si­tar de­le.

still
is

Aden­da a 12.02.2018: E-mail de lei­tor aten­to in­for­ma-me do plá­gio co­me­ti­do nes­te ar­ti­go. Apa­ren­te­men­te co­pi­ei o que diz a Ma­ri­a­na Mor­tá­gua em "A Der­ra­dei­ra Li­ber­da­de". Não me de­te­rei em ex­pli­ca­ções, vou an­tes ali pa­ra o es­pe­lho sen­tir-me vai­do­so.

– Po­e­ma: "Cor­ne­red", Char­les Bu­kows­ki