Groundhog Day


daniele mariani - a way to the stars

O tem­po, es­sa cons­tru­ção ín­ti­ma que nos me­de os pas­sos en­tre even­tos, pa­re­ce ter-se que­da­do em di­as que, a te­rem acon­te­ci­do, na­da mais são do que for­mas di­fu­sas a que se acres­cen­tam pa­la­vras, olha­res, uma gar­ga­lha­da, mãos que se acer­cam mas não to­cam. Cu­ri­o­sa­men­te é nos so­nhos, tem­po imer­so en­tre tem­pos on­de não se adi­vi­nha pon­ta por on­de se des­fie a me­a­da, que as me­mó­ri­as se tor­nam mais re­a­lis­tas – e nem ne­les te ou­ço um som. Fo­ra dos so­nhos, a bus­ca con­ti­nua. As pa­re­des dei­xa­ram de gri­tar o teu no­me e os di­as con­ti­nu­am o mes­mo.

– Ima­gem: "A way to the stars", Da­ni­e­le Ma­ri­a­ni
– Tí­tu­lo "Groundhog Day" re­ti­ra­do do fil­me de Ha­rold Ra­mis

.