fátima, futebol e fado @ semiose.net

8: Pirografia

Fo­to: Pau­lo Cu­nha, ma­ni­pu­la­da pos­te­ri­or­men­te

De en­tre os ele­men­tos pri­mor­di­ais, ve­nham eles de que fi­lo­so­fia vi­e­rem, o ele­men­to co­mum que mai­or fas­cí­nio exer­ce no Ho­mem é o fo­go. Foi o fo­go que, uma vez do­mes­ti­ca­do pa­ra uso do­més­ti­co, veio a per­mi­tir os mai­o­res avan­ços tec­no­ló­gi­cos e so­ci­ais. Foi ao fo­go que re­cor­re­mos pa­ra nos pro­te­ger­mos dos ani­mais e pa­ra nos aque­cer­mos no In­ver­no, pa­ra co­zi­nhar e pa­ra trans­for­mar o fer­ro, pa­ra des­truir fro­tas e ci­da­des, pa­ra quei­mar bru­xas e he­re­ges. Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas do fo­go é a de ser uma es­pé­cie de en­ti­da­de ul­tra-mo­ral à qual tan­to im­por­ta es­tar a aque­cer uma re­fei­ção ou a lam­ber um cor­po ba­nha­do de na­palm, não ha­ven­do ne­le al­gu­ma hu­ma­ni­da­de dis­cer­ní­vel a não ser a que nós pró­pri­os lhe em­pres­ta­mos: o fo­go é con­for­to, in­dús­tria, ar­ma, car­ras­co, pu­ri­fi­ca­dor ri­tu­al; ma­dei­ros, ga­lhei­ros e cam­bei­ros ri­va­li­zam com bi­gor­nas e au­tos-de-fé. E é por ve­zes um tras­go ir­re­qui­e­to que con­so­me tu­do em vol­ta, em as­so­mo de vi­o­lên­cia fre­né­ti­ca que não pou­pa flo­res­ta, co­lhei­ta, po­vo­a­dos, ho­mens e ani­mais. Tal­vez por is­so se­ja tam­bém o ele­men­to do In­fer­no, cas­ti­ga­dor das cul­pas mun­da­nas.

É nes­ta úl­ti­ma ima­gem que a ge­ne­ra­li­da­de das re­ac­ções à tra­gé­dia a que as­sis­ti­mos na zo­na de Pe­dró­gão pa­re­ce en­qua­drar-se: os in­cên­di­os na­da mais são do que o cas­ti­go pe­las cul­pas de mo­ra­do­res, au­to­ri­da­des, bom­bei­ros, au­tar­cas e go­ver­no. Os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e res­tan­tes fo­ra na in­ter­net ten­tam, a to­do o cus­to, apon­tar um res­pon­sá­vel. Fa­zem-se per­gun­tas apon­tan­do cul­pa, es­cre­vem-se pa­re­ce­res téc­ni­cos cla­man­do por jus­ti­ça, que não fo­mos ou­vi­dos, nós os que per­ce­be­mos dis­to, al­vi­tram-se opi­niões avul­sas e sem sen­ti­do, ain­da os cor­pos es­tão quen­tes na me­sa da mor­gue, ain­da as fa­mí­li­as cho­ram do­ri­das e des­vai­ra­das, ain­da os bom­bei­ros lá an­dam em bus­ca da sal­va­ção. É pre­ci­so um cul­pa­do por­que o eu­ca­lip­to, é pre­ci­so um cul­pa­do por­que o pi­nhei­ro, por­que a mo­no­cul­tu­ra, por­que a lim­pe­za, é pre­ci­so um cul­pa­do por­que a pre­ven­ção, por­que os bom­bei­ros, por­que a pro­tec­ção ci­vil. É pre­ci­so um cul­pa­do, por­que eu não o sou e, se aqui­lo ar­deu, é por­que cul­pa exis­te, que não mor­ra sol­tei­ra, por­que eu, que re­co­lhi da­dos dos mais di­ver­sos web­si­tes, sei; por­que eu sou dou­tor das flo­res­tas, te­nho pa­pers; por­que eu um dia en­vi­ei um e-mail já não me lem­bra a quem a fa­lar do quin­tal do vi­zi­nho.

Se o nú­me­ro de ví­ti­mas au­men­tar, de­mi­te-se?, foi mais ou me­nos es­ta a per­gun­ta de uma Ju­di­te de­pois de pas­se­ar e fa­zer-se re­tra­tar jun­to ao ca­dá­ver in­fe­liz de uma mor­te so­li­tá­ria. Os di­rec­tos, ho­ras a fio, o en­cher dos chou­ri­ços em voz fre­né­ti­ca em­bar­ga­da pe­lo fu­mo, os co­mu­ni­ca­dos de ho­ra em ho­ra pa­ra di­zer na­da mais do que o que já se sa­be: há uma tra­gé­dia, es­ta­mos a com­ba­tê-la, há-de ha­ver inqué­ri­to, as ima­gens dos car­ros car­bo­ni­za­dos a ofe­re­ce­rem-nos, dia fo­ra, o que pen­sa­mos ter si­do a an­gús­tia e o ter­ror sen­ti­do pe­los que ne­les pe­re­ce­ram, es­sa es­pé­cie de por­no­gra­fia que nos ali­men­ta os juí­zos, a opi­nião, a so­li­da­ri­e­da­de re­pen­ti­na e fu­gaz. Se o nú­me­ro de ví­ti­mas au­men­tar, de­mi­te-se? “Mais uma vez, os bom­bei­ros não es­ta­vam pre­sen­tes.” “Te­rá o pro­ble­ma de co­mu­ni­ca­ção ocor­ri­do no SI­RESP in­flu­en­ci­a­do…” E o ca­dá­ver da Ju­di­te ali, des­de as seis da tar­de, e nin­guém o vem bus­car, ape­sar de ha­ver bom­bei­ros nas pro­xi­mi­da­des, porquê?, por­que é im­por­tan­te, não os cor­pos, mas aque­le pre­ci­so cor­po por de­trás do um­bi­go da apre­sen­ta­do­ra ve­ra­ne­an­te que su­bi­ta­men­te é pro­mo­vi­da a re­pór­ter.

A ver­da­de é que não há fo­go que ex­pie es­te es­tar da al­ma, nem se­quer ha­ve­rá chu­va que a la­ve. Ha­ve­rá, is­so sim, mais in­cên­di­os, pon­tes a cair, chei­as, to­da uma imen­si­dão de ca­ta­clis­mos pos­sí­veis que, evi­tá­veis ou não, aca­ba­rão por acon­te­cer – e por ca­da um de­les, por ca­da um dos mor­tos, por ca­da um dos bom­bei­ros, po­lí­ci­as, mi­li­ta­res e ci­vis que es­ti­ve­rem pre­sen­tes na ac­ção an­tes da pa­la­vra, ha­ve­rá um mi­lhar de es­per­tos na ma­té­ria a man­dar bi­tai­tes e um mi­lhar de jor­na­lis­tas a en­cher chou­ri­ços e a fa­zer per­gun­tas par­vas, to­dos eles à pro­cu­ra da cul­pa por de­trás de um mi­cro­fo­ne, uma câ­ma­ra ou um te­cla­do de com­pu­ta­dor.
"Quem não sa­be, en­si­na" – diz o po­vo.

4: Lusitana Paixão I : Shadenfreude

.
What a fe­ar­ful thing is it that any lan­gua­ge should ha­ve a word ex­pres­si­ve of the ple­a­su­re whi­ch men fe­el at the ca­la­mi­ti­es of others; for the exis­ten­ce of the word be­ars tes­ti­mony to the exis­ten­ce of the thing. And yet in mo­re than one su­ch a word is found. … In the Gre­ek 'epikhai­re­ka­kia', in the Ger­man, 'Scha­den­freu­de.'
Ri­chard Che­ne­vix Tren­ch, "On the Study of Words", 1852


– Vê lá tu, es­ta­va ago­ra a es­ta­ci­o­nar ali o car­ro só pa­ra vir aqui ao ca­fé, a GNR ia a pas­sar e mul­tou-me… eu ain­da lhes dis­se que era só por cin­co mi­nu­tos, nem is­so, mas os ga­jos não per­do­a­ram, pá!
– Se eles vi­es­sem mas era ver es­sa la­dro­a­gem que an­da aí, is­so é que era…
– Pois, o que eles que­rem sei eu… mas tam­bém le­va­ram o re­ca­do!
– En­tão?…
– Pá, en­tão es­ta­va ali tan­to car­ro com a ro­da no pas­seio e os ga­jos só me mul­tam a mim? "En­tão vo­cê só me mul­ta a mim?", e o ga­jo diz-me que me es­ta­va a mul­tar pe­la fal­ta de res­pei­to. De­ve ter si­do por eles irem a pas­sar e eu não ter ido dar a vol­ta.
– A sé­rio? Gran­de la­ta! Es­tes ga­jos… e de­pois? Fi­cou as­sim?
– Na­da! Ou­ve lá, tu co­nhe­ces-me… eu dis­se-lhe que ou me per­do­a­va a mul­ta, ou ti­nha de mul­tar os car­ros to­dos. Is­to ou é igual­da­de, ou en­tão…
– Ora bem! De­via lá es­tar al­gum car­ro de um se­nhor dou­tor da câ­ma­ra. A es­ses não mul­tam eles!
– Pois! Mas olha que ele te­ve de os mul­tar a to­dos, que eu fi­quei lá a ver. Ga­ran­to-te que se fos­se só eu a ser mul­ta­do, ia fa­zer uma par­ti­ci­pa­ção do ga­jo. Já ti­nha o no­me de­le es­cri­to e tu­do… olha ele aqui. E ti­rei uma fo­to… oh… vês?
– Pá… se não for­mos nós a lu­tar pe­los nos­sos di­rei­tos, es­ses ga­jos fa­zem o que que­rem.
– En­tão não é? Ó Zé! Olha aí um mar­ti­ni com cer­ve­ja em co­po gran­de. Ago­ra, se qui­se­rem re­bo­car o car­ro que re­bo­quem… mas di­go-te: se o re­bo­ca­rem, vão ter de re­bo­car os car­ros to­dos da rua. Até que­ro ver…

(con­ver­sa re­al)

1: Portugal, 26 de Abril

26 de Abril
– ima­gem de au­tor des­co­nhe­ci­do

Há já 43 anos que é 26 de Abril em Por­tu­gal, e es­te po­vo pe­que­no des­te país pe­que­no con­ti­nua a olhar a li­ber­da­de e o mun­do com os olhos da le­bre imó­vel no meio da es­tra­da, en­can­de­a­da pe­los fa­róis do ca­mião que se apro­xi­ma ve­loz e sem pos­si­bi­li­da­de de tra­va­gem. Te­mos de­mo­cra­cia e te­mos pro­gres­so, de­sen­vol­vi­men­to. Mas lá no fun­do em na­da mais nos tor­na­mos do que num Zé Nin­guém in­ca­paz de sol­tar um Ur­ro. Tris­te con­di­ção es­ta que, pas­sa­das ge­ra­ções, nos man­tém obs­cu­ros fi­gu­ran­tes de pai­néis pu­bli­ci­tá­ri­os pa­ra tu­ris­ta ver, "very ty­pi­cal!", tão very ty­pi­cal.