viagem @ semiose.net

6: Diário de um Caixeiro Viajante I: Via Rápida

Calha por ve­zes à con­ver­sa ir pa­rar à vi­a­gem e à me­lhor for­ma de a fa­zer: o que le­var na ba­ga­gem, que va­ci­nas to­mar e ou­tros cui­da­dos de saú­de e hi­gi­e­ne, co­mo cir­cu­lar na vi­da de lo­cais es­tra­nhos, quais os ho­téis, que ali­men­ta­ção, en­fim, a con­ver­sa re­ve­la-se uma ines­go­tá­vel fon­te de opi­niões e con­se­lhos, ao que não se­rá es­tra­nha a quan­ti­da­de de li­vros, ar­ti­gos e blogs que por aí an­dam a fa­lar so­bre o te­ma.
E tu­do vai bem na con­ver­sa as­sim fluí­da en­tre tre­jei­tos de es­pan­to e ohs! de ad­mi­ra­ção, que a vi­a­gem sem­pre os ori­gi­na nem que se­ja pe­lo fac­to de afir­mar­mos com ve­e­mên­cia ba­ba­da que "eu a al­mo­çar e o co­li­bri ali mes­mo, imó­vel no ar qual ae­rós­ta­to di­vi­no, su­gan­do os su­cos de uma flor de be­le­za ne­ces­sa­ri­a­men­te ím­par", a par de ex­pres­sões de abor­re­ci­men­to, já não pe­la vi­a­gem mas pe­lo re­la­tó­rio que vai lon­go e por­me­no­ri­za­do, di­zia eu que tu­do vai bem até ao mo­men­to em que se re­ve­la um voo em clas­se exe­cu­ti­va. Logo uma voz ge­ral­men­te mal in­for­ma­da se ale­van­ta, al­vi­tran­do com o que apa­ren­ta ser co­nhe­ci­men­to de cau­sa, e afir­ma que "is­so é um des­per­dí­cio de di­nhei­ro" e que "a eco­nó­mi­ca es­tá ca­da vez mais pa­re­ci­da com a exe­cu­ti­va", is­to pa­ra não fa­lar dos que me che­gam com as opi­niões acer­ca da di­vi­são das es­pé­ci­es co­mo se fa­las­sem de clas­ses, uns e ou­tros sem sa­be­rem ain­da que uma vez ofe­re­ci­da a opor­tu­ni­da­de de tal es­tu­pi­dez de­cer­to a acei­ta­rão com um es­gar de con­tra­gos­to fin­gi­do e aca­ba­rão por ver o seu ín­ti­mo re­con­for­ta­do.
A ver­da­de é que a clas­se exe­cu­ti­va, a jul­gar pe­la mai­o­ria das com­pa­nhi­as que te­nho usa­do e que já são al­gu­mas, é bas­tan­te di­fe­ren­te da eco­nó­mi­ca: há es­pa­ço, há aten­ção, há ser­vi­ço per­so­na­li­za­do, há con­for­to e sos­se­go. Não va­mos en­ca­fu­a­dos num lu­gar lu­tan­do por es­pa­ço com o vi­zi­nho e co­men­do re­fei­ções pi­o­res do que ra­ção de com­ba­te – va­mos com es­pa­ço su­fi­ci­en­te, que até os jo­e­lhos ca­bem no es­pa­ço en­tre ca­dei­ras se cru­zar­mos as per­nas, co­men­do re­fei­ções ser­vi­das em lou­ça, com di­rei­to a hors d'oeuvre, en­tra­da, prin­ci­pal ou con­du­to co­mo já nin­guém diz, so­bre­me­sa, ca­fé e xi­ri­pi­ti, que tan­to po­de ser brandy, whis­key, por­to, ou sim­ples água com gás, com di­rei­to a re­pe­tir um nú­me­ro de ve­zes in­de­ter­mi­na­do que creio ter a ver com o stock na ae­ro­na­ve, já que na clas­se exe­cu­ti­va a ques­tão do pas­sa­gei­ro eti­li­za­do não se co­lo­ca, que so­mos to­dos con­for­ta­vel­men­te fi­nos, pa­ra não di­zer so­fis­ti­ca­dos.
Mas as me­lho­res van­ta­gens da clas­se exe­cu­ti­va fi­cam pa­ra o fim, co­mo a ce­re­ja no to­po do bo­lo ou a ge­ma do ovo co­mo sem­pre fa­ze­mos na pro­cu­ra de fi­nais fe­li­zes: são elas, a sa­ber e por or­dem cres­cen­te de im­por­tân­cia, o loun­ge e a via rá­pi­da, uma track que, fast ou gre­en, é sem­pre mais rá­pi­da, es­tan­do am­bas dis­po­ní­veis nos me­lho­res ae­ro­por­tos.

O loun­ge, de on­de che­go e daí as re­ti­cên­ci­as aci­ma que is­to es­tá a ser fei­to ao cor­rer do tem­po, di­vi­de-se em du­as clas­ses, a de exe­cu­ti­va que se en­che de en­ge­nhei­ros e ven­de­do­res que se mis­tu­ram com oca­si­o­nais tu­ris­tas re­la­ti­va­men­te en­di­nhei­ra­dos con­si­de­ra­da a mé­dia, e a de pri­mei­ra clas­se que com­por­ta, por as­sim di­zer, os VIP ae­ro­trans­por­ta­dos, sen­do uma es­pé­cie de di­vi­são co­mo a que há nos ho­téis e re­sorts ou clu­bes e res­tau­ran­tes, ca­da um de­les de­di­ca­do a um ni­cho es­pe­cí­fi­co, o dos mi­li­o­ná­ri­os e o dos bi­li­o­ná­ri­os, que não ha­ja mis­tu­ras e que a úni­ca coi­sa em co­mum en­tre eles se­ja a in­di­fe­ren­ça pa­ra com os "all in­clu­ded" de pul­sei­ri­nha plás­ti­ca ou, no ca­so em apre­ço, os da eco­nó­mi­ca que se ajei­tam ae­ro­por­to fo­ra nos ban­cos qua­se pro­po­si­ta­da­men­te du­ros.
Seja qual for o loun­ge, os so­fás são con­for­tá­veis, há Wi-Fi, co­mi­da e be­bi­da gra­tui­ta e à dis­cri­ção, jor­nais, re­vis­tas, e em cer­tos ca­sos há mes­mo chu­vei­ro, sen­do o sí­tio ide­al pa­ra es­ca­par à con­fu­são de gen­te e ruí­do, tro­can­do-a pe­la con­fu­são de fi­os de car­re­ga­do­res de te­le­mó­veis e pe­lo ruí­do su­a­ve dos te­cla­dos de lap­tops on­de in­can­sá­veis fun­ci­o­ná­ri­os ma­ni­pu­lam fo­lhas Excel, apre­sen­ta­ções PowerPoint e res­pon­dem a e-mails sem dú­vi­da de im­por­tân­cia des­me­di­da e de ur­gên­cia pre­men­te. Mas di­ga­mos que há cer­ve­ja, vi­nho e whis­key gra­tui­tos e fi­que­mos por aí, que já é mo­ti­vo su­fi­ci­en­te.
Já a via rá­pi­da é al­go to­tal­men­te di­fe­ren­te e di­fe­ren­ci­a­dor, pas­se a re­dun­dân­cia apa­ren­te, con­sis­tin­do num sim­ples cur­to-cir­cui­to da­qui­lo que me­lhor de­fi­ne a re­la­ção de­mo­crá­ti­ca e igua­li­tá­ria da so­ci­e­da­de oci­den­tal, fa­la­mos aqui da fi­la ou bi­cha, es­tan­do a úl­ti­ma de­sig­na­ção a cair em de­su­so por me­ra ho­mo­fo­bia lin­guís­ti­ca, fi­la es­sa que co­lo­ca atrás umas das ou­tras as pes­so­as que se di­ri­gem a um ob­jec­ti­vo co­mum, or­de­na­das e or­dei­ras, por or­dem de che­ga­da, se­ja qual for o mo­ti­vo que ali as le­va, o se­xo ou gé­ne­ro, a ra­ça ou et­nia, a re­li­gião ou o clu­be, o par­ti­do ou a ide­o­lo­gia, le­van­do-nos a nós, os fre­quen­ta­do­res de loun­ges e vi­a­jan­tes com es­pa­ço pa­ra os jo­e­lhos, por um ca­mi­nho la­te­ral, lon­ge da con­fu­são e in­com­pa­ra­vel­men­te mais rá­pi­do. Para quem vi­a­ja fre­quen­te­men­te es­ta é tal­vez a mai­or con­ve­ni­ên­cia de um bi­lhe­te de clas­se exe­cu­ti­va. São sem­pre as coi­sas mais sim­ples que mais im­por­tân­cia têm.

Hoje de ma­nhã, após o check-in pri­o­ri­tá­rio – mais uma van­ta­gem! – no Aeroporto do Porto, cha­ma­do Sá Carneiro em ho­me­na­gem ao po­lí­ti­co fa­le­ci­do nu­ma que­da de avião, lá me di­ri­gi ao con­tro­le da ba­ga­gem pe­la via rá­pi­da, evi­tan­do a enor­me fi­la de gen­te que ape­nas a um me­tro de mim, no scan­ner ao la­do, se con­tor­cia pe­no­sa­men­te. Tinha já des­pi­do o ca­sa­co, ti­ra­do o cin­to, es­va­zi­a­do os bol­sos, ti­ra­do o lap­top da mo­chi­la e pre­pa­ra­va-me pa­ra pas­sar o pór­ti­co quan­do ve­jo o se­gu­ran­ça a ti­rar-me o bi­lhe­te, me­lhor di­zen­do, o car­tão de em­bar­que do bol­so num rá­pi­do mo­vi­men­to en­tre o sal­to fe­li­no e a lín­gua do ca­ma­leão, sub­me­ten­do-o a um scan. Perguntei-lhe o que fa­zia, res­pon­deu-me que es­ta­va a fa­zer um con­tro­le, mas que di­rei­to tem de ir ao meu bol­so bus­car se­ja o que for, des­cul­pe que me ti­nha es­que­ci­do, res­pon­deu, dei­xei pas­sar o abu­so, o ho­mem não é mais do que uma ro­di­nha den­ta­da do pro­gres­so co­mo di­ria o Pessoa ou qual­quer um de­le, mas fi­quei cu­ri­o­so, per­gun­tan­do-lhe que ti­po de con­tro­le era es­te que nun­ca me ti­nha acon­te­ci­do.
Explicou-me que era pa­ra ve­ri­fi­car se eu ti­nha mes­mo di­rei­to a pas­sar por ali, que "eles" às ve­zes pas­sa­vam por de­bai­xo da fi­ta, que "es­te país tem coi­sas des­tas", que se fos­se a dei­xá-los pas­sar não fa­ria sen­ti­do pes­so­as "co­mo eu" pa­ga­rem mais por um bi­lhe­te… "eles" olha­vam pa­ra nós tão ató­ni­tos co­mo eu, um pou­co mais in­dig­na­dos com as ex­pli­ca­ções que o "se­gu­ri­ta" da­va. Quem co­nhe­ça o ae­ro­por­to sa­be que a zo­na em que a fi­la e a via rá­pi­da se jun­tam se­pa­ra­das por uma sin­ge­la fi­ta tem cer­ca de dois me­tros de com­pri­do, sen­do per­fei­ta­men­te vi­sí­vel se­ja de on­de for den­tro do pe­rí­me­tro útil dos scan­ners, pe­lo que ob­jec­tei ex­pli­can­do que não faz sen­ti­do atra­sar pes­so­as por não con­se­guir es­tar aten­to a dois me­tros de li­nha, is­so pa­ra não di­zer que ain­da me­nos sen­ti­do faz ter ali três pes­so­as vá­li­das sem fa­zer na­da a não ser aten­der o mais oca­si­o­nal pas­sa­gei­ro de exe­cu­ti­va, quan­do há tan­ta gen­te a mor­rer de de­ses­pe­ro na fi­la ao la­do, cla­ro que não é na­da con­si­go, que vo­cê só cum­pre or­dens, eu sei, mas já que es­ta­mos a con­ver­sar, dei­xe-me di­zer-lhe que evi­te ex­pres­sões co­mo "eles", por­que eles são co­mo nós to­dos, ape­nas têm bi­lhe­te de eco­nó­mi­ca co­mo su­po­nho que vo­cê te­nha, ca­so vi­a­je de avião, ao que ele não res­pon­deu, li­mi­tan­do-se a um si­nal pa­ra o la­do, que eu es­ta­va pron­to a pas­sar, o que fiz pa­ra lo­go de se­gui­da ver a mi­nha ba­ga­gem mi-nu-cio-sa-men-te re-vis-ta-da, sa­be-se lá, o ga­jo de­ve ser co­mu­na ou pi­or, mas tem pin­ta de quem traz ex­plo­si­vos, po­de­mos di­zê-lo pe­la for­ma co­mo fa­la, da­qui a pou­co ou sai di­ta­du­ra do pro­le­ta­ri­a­do ou Allahu Akbar, que vai tu­do dar ao mes­mo, en­tão mais va­le pre­ve­nir do que re­me­di­ar e en­quan­to pre­ve­ni­mos fo­de­mos o ga­jo que é pa­ra a pró­xi­ma não se ar­mar em es­per­to.
Foi en­tão que, en­quan­to fe­cha­va a ba­ga­gem e re­co­lo­ca­va cin­to e cal­ça­va as bo­tas, re­pa­rei em al­guns sor­ri­si­nhos de sa­tis­fa­ção vin­dos do ou­tro la­do, da fi­la, co­mo que com o ego re­cu­pe­ra­do pe­lo fac­to de es­tar eu ali, qual car­ro de seg­men­to mé­dio-al­to em­pa­na­do em ple­na via rá­pi­da.