parêntesis @ semiose.net

3: Oráculo

O tra­ba­lho de iní­cio de ano é sem­pre uma lu­fa-lu­fa de pre­vi­sões mais ou me­nos fun­da­men­ta­das. Estou a vi­ver o fu­tu­ro por en­tre fo­lhas ex­celma­pas das mais va­ri­a­das pro­ve­ni­ên­ci­as. Falo de 2018 e ajus­to as pre­vi­sões até 2020, co­mo se fos­se um orá­cu­lo mo­der­no. Factores co­mo a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, o va­lor das mo­e­das, o pre­ço do pe­tró­leo, a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra des­ta ou da­que­la em­pre­sa, jun­tam-se aos pros­pec­tos de no­vas uni­da­des ad­qui­ri­das a de­ter­mi­na­do pre­ço com um bre­ak-even a ser ob­ti­do pe­la as­sis­tên­cia que não sa­be­mos ain­da se irá con­cre­ti­zar-se, de­ter­mi­nan­do os ob­jec­ti­vos  e os pla­nos que ire­mos vi­ver no fu­tu­ro. É um se-en­tão per­ma­nen­te, to­da uma ló­gi­ca lí­qui­da que trans­bor­da em apre­sen­ta­ções so­bri­a­men­te co­lo­ri­das que es­pe­lham ma­pas e di­a­gra­mas de jo­gos, te­ses que te­nho que de­fen­der fren­te aos "VP", os ti­pos que man­dam e que apro­vam ou pe­dem no­vos cál­cu­los e no­vas op­ções. Mas tu­do é fu­mo, tu­do não pas­sa de me­te­o­ro­lo­gia eco­nó­mi­ca.