jus soli @ semiose.net

5: Portugal, Sala de Espera

.

As long as I ke­ep my flo­or cle­an, ke­ep my he­ad down, they ha­ve no re­a­son to de­port me, they ha­ve no re­a­son to no­ti­ce a man li­ke me.

Gup­ta Ra­jan, em "The Ter­mi­nal"

.
No san­gue te­mos o san­gue dos ou­tros. O que res­ta de­pois de sub­trair os ou­tros não pres­ta. É um cal­do cam­pó­nio, uma so­pa de cou­ve.
Mi­guel Es­te­ves Car­do­so, "Ex­pli­ca­ções de Por­tu­guês"

To­do o in­di­ví­duo de­ve­ria ter o di­rei­to uni­ver­sal­men­te re­co­nhe­ci­do de se de­cla­rar apá­tri­da, sen­do-lhe pos­sí­vel usu­fruir dos di­rei­tos dos ci­da­dãos do país on­de se en­con­tras­se, vi­ven­do ou de pas­sa­gem. In­fe­liz­men­te, tal não é pos­sí­vel. To­dos so­mos li­nhas de uma imen­sa ba­se de da­dos que con­tém to­da a in­for­ma­ção vi­tal acer­ca de quem so­mos, de on­de vi­mos e pa­ra on­de va­mos, fa­zer o quê e com quem, a que pro­pó­si­to. Só as­sim te­mos di­rei­tos e de­ve­res de ci­da­dão, ta­xas e im­pos­tos, e bi­lhe­te de iden­ti­da­de. Não ten­do es­tes, é co­mo se não exis­tís­se­mos.
O sen­so co­mum diz-nos que te­mos de­ter­mi­na­da na­ci­o­na­li­da­de por dois mo­ti­vos de mai­or for­ça: por­que nas­ce­mos num país, ou por­que es­co­lhe­mos aque­le on­de vi­ve­mos a nos­sa vi­da. Mas o sen­so co­mum é o que é, e não ra­ra­men­te as su­as con­clu­sões são er­ra­das. Na ver­da­de, tan­to exis­tem aque­les que vêem re­cu­sa­da a ci­da­da­nia no país on­de vi­vem, tan­tas ve­zes há uma vi­da, co­mo ain­da mais es­tra­nha­men­te exis­tem aque­les que vêem a sua na­ci­o­na­li­da­de re­cu­sa­da ape­sar de te­rem nas­ci­do no país. E tu­do is­so se pas­sa em Por­tu­gal.

A es­tes en­jei­ta­dos por uma so­ci­e­da­de com pru­ri­dos em ofe­re­cer a na­ci­o­na­li­da­de por­tu­gue­sa ao des­ba­ra­to, co­mo se fos­se ne­ces­sá­rio al­go de es­pe­ci­al pa­ra se ser por­tu­guês, ga­nês ou fi­li­pi­no, res­tam-lhes pou­cas op­ções de vi­da. Ou se re­su­mem à vi­da no gue­to da pe­ri­fe­ria da ci­da­de apren­den­do as leis al­ter­na­ti­vas de uma so­ci­e­da­de al­ter­na­ti­va, apar­te do país que cor­re lá fo­ra, ou tra­tam de ar­ran­jar um des­ses tra­ba­lhos que a na­da mais le­vam se­não ao con­tar dos tos­tões pre­cá­ri­os co­mo a vi­da, em tra­ba­lhos tem­po­rá­ri­os nas obras ou nas quin­tas ou, em ca­sos de su­ces­so, po­de­rão mes­mo ter um em­pre­go es­tá­vel e uma re­mu­ne­ra­ção de bom ní­vel, se se man­ti­ve­rem den­tro dos pa­râ­me­tros exi­gi­dos que, fre­quen­te­men­te, são di­fe­ren­tes dos que os na­ci­o­nais cum­prem: aca­bam por fa­zer os tra­ba­lhos que nin­guém quer, du­ran­te mais ho­ras, e su­jei­tos às mais di­ver­sas for­mas de chan­ta­gem. A su­bi­da a car­gos de ges­tão é uma mi­ra­gem, a en­tra­da nu­ma fa­cul­da­de é al­go que não pas­sa de um so­nho pa­ra a mai­o­ria dos jo­vens que nas­ci­dos em Por­tu­gal, não cum­prem os ela­bo­ra­dos e ele­va­dos cri­té­ri­os pa­ra a ci­da­da­nia, bem co­mo pa­ra os ou­tros que por ou­tros mo­ti­vos tam­bém não os cum­prem.

Sen­do Por­tu­gal um país en­ve­lhe­ci­do e a en­ve­lhe­cer, com as con­tas da as­sis­tên­cia so­ci­al a de­sa­fi­ar des­ca­ra­da­men­te o con­cei­to de sus­ten­ta­bi­li­da­de, se­ria nor­mal que es­ta gen­te fos­se na­tu­ra­li­za­da por­tu­gue­sa o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel. Mas as coi­sas de­mo­ram tem­po, são de­ta­lha­da­men­te dis­cu­ti­das e, en­quan­to imi­gran­tes as­sen­tam ar­rai­ais por al­gum tem­po pa­ra lo­go se des­pe­di­rem do país em bus­ca de me­lho­res pa­ra­gens, exis­tem por­tu­gue­ses que não o são por­que en­tre o país on­de nas­ce­ram e o país on­de nas­ce­ram os seus pais vai um oce­a­no de di­fe­ren­ça.
Ser por­tu­guês não é coi­sa do ou­tro mun­do e de­ve­ria ser su­fi­ci­en­te uma de du­as coi­sas pa­ra qual­quer pes­soa ser mi­nha com­pa­tri­o­ta: ter nas­ci­do cá, ou de­se­jar sê-lo. Afi­nal, nós não so­mos as­sim tão es­pe­ci­ais e es­sa coi­sa da ra­ça lu­sa é chão que nun­ca deu uvas.
Ho­je hou­ve um even­to de apro­xi­ma­ção aos de­pu­ta­dos da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, e há uma pe­ti­ção em cur­so pa­ra o di­rei­to ao "jus so­li".