eutanásia @ semiose.net

5: Eutanásia

I. A Vida pertence ao Indivíduo

É cer­to que o in­di­ví­duo é tam­bém o pro­du­to da sua in­te­rac­ção so­ci­al e que a sua vi­da é par­te in­te­gran­te des­sa ma­lha que, de ca­da vez que per­de um dos seus, so­fre. Mas a vi­da é in­trín­se­ca ao ser que ne­la se sus­tém, tor­nan­do-o úni­co e se­nhor de si. No que ao que à vi­da diz res­pei­to, fa­zer-se a ela ou des­fa­zer-se de­la é a der­ra­dei­ra li­ber­da­de in­di­vi­du­al. E se ou­tro ar­gu­men­to exis­te, se­rá sem­pre su­bor­di­na­do a es­te.

II. A Eutanásia é um Acto Médico de último recurso que cumpre a vontade expressa pelo doente mentalmente são

A Eutanásia é um ac­to mé­di­co e, en­quan­to tal, de­ve ser apli­ca­da so­men­te co­mo úl­ti­mo re­cur­so a do­en­tes em fa­se ter­mi­nal ou com de­fi­ci­ên­cia gra­ve, cu­ja qua­li­da­de de vi­da não pos­sa ser man­ti­da, a sua dig­ni­da­de não pos­sa ser sal­va­guar­da­da, ou o seu so­fri­men­to pos­sa tor­nar-se atroz. Nestes ca­sos, de­ve pro­vi­den­ci­ar-se ao do­en­te to­da a se­re­ni­da­de e con­for­to até e du­ran­te o mo­men­to de nos dei­xar, com mai­or a hu­ma­ni­da­de pos­sí­vel.

III. O suicídio assistido não é um acto médico, mas pressupõe assistência ao acto praticado pelo doente

Uma vez mais, a as­sis­tên­cia ao sui­cí­dio é um di­rei­to da­que­le que so­fre e quer dei­xar es­te mun­do. Não pro­vi­den­ci­ar es­sa as­sis­tên­cia re­sul­ta em mor­tes do­lo­ro­sas ou em da­nos que ape­nas pro­lon­ga­rão e au­men­ta­rão o so­fri­men­to do do­en­te. Todos nós, in­de­pen­den­te­men­te da for­ma que es­co­lhe­mos, de­ve­mos ter o di­rei­to de par­tir o mais se­re­na­men­te pos­sí­vel.

IV. A eutanásia e o suicídio assistido não podem em caso algum ser aconselhados pelo médico

Se há coi­sa que es­tá pre­sen­te du­ran­te o tra­ta­men­to de um do­en­te é a pos­si­bi­li­da­de de lhe sal­var a vi­da e fa­zer to­dos os pos­sí­veis por cu­rá-lo. Cabe uni­ca­men­te ao do­en­te a abor­da­gem à eu­ta­ná­sia ou ao sui­cí­dio co­mo saí­da do so­fri­men­to que vi­ve. As equi­pas mé­di­cas, em­bo­ra in­for­man­do da si­tu­a­ção e do es­pe­ra­do prog­nós­ti­co, não de­ve­rão em ca­so al­gum in­flu­en­ci­ar a de­ci­são de um ac­to tão ra­di­cal.

V. O direito do Indivíduo sobre a sua Vida e a sua Dignidade não é referendável

Os di­rei­tos do in­di­ví­duo en­quan­to ser de ple­no di­rei­to, do­no do seu cor­po e da sua vi­da, me­re­ce­dor do res­pei­to e da dig­ni­da­de, a par das me­lho­res con­di­ções de vi­da que a téc­ni­ca e a hu­ma­ni­da­de pos­sam pro­por­ci­o­nar, não po­dem ser en­tre­gues à de­ci­são po­pu­lar, sob o ris­co de ver­mos a de­mo­cra­cia trans­for­mar-se nu­ma di­ta­du­ra po­pu­lar em re­la­ção a es­se in­di­ví­duo, em per­ma­nen­te mi­no­ria. Estas de­ci­sões de­vem ser to­ma­das pe­lo po­der le­gis­la­ti­vo, de­pois de es­cu­ta­das to­das as au­to­ri­da­des na ma­té­ria no que à éti­ca con­cer­ne.