deepities @ semiose.net

1: Em Branco

Estes meus úl­ti­mos tem­pos qua­se po­de­ri­am ser me­di­dos em res­mas de pa­pel amar­ro­ta­do e ati­ra­do ao li­xo lo­go ao pri­mei­ro pa­rá­gra­fo. Pareço es­cre­ver ape­nas pe­lo pra­zer de sen­tir o ar­ra­nhar do apa­ro no pa­pel, sem ob­jec­ti­vo ou mes­mo es­co­lha de pa­la­vras, ten­tan­do ape­nas acer­tar a ca­li­gra­fia ca­da vez mais inin­te­li­gí­vel. Estou sem as­sun­to e sem von­ta­de de o ar­ran­jar. As coi­sas do mun­do são de­ma­si­a­da­men­te com­ple­xas pa­ra que eu lhes de­di­que o pou­co que sei e nes­se par­co sa­ber fun­da­men­te uma opi­nião ou ar­ris­que um acres­cen­to. No fim de con­tas, não é es­se o meu tra­ba­lho; dei­xo-o pa­ra ou­tros que sai­bam mais do que eu e pa­ra tal te­nham von­ta­de – e pa­ra os mui­tos que, le­van­do-se de­ma­si­a­da­men­te a sé­rio, es­tão con­ven­ci­dos de que não con­se­gui­mos já pas­sar sem as su­as con­si­de­ra­ções acer­ca de tu­do e so­bre­tu­do acer­ca de na­da.
Para mim, es­cre­ver não faz sen­ti­do se não hou­ver quem leia. Sou por is­so aves­so a diá­ri­os en­ca­fu­a­dos em ar­cas en­cou­ra­das pa­ra me­mó­ria fu­tu­ra, já que a me­mó­ria se en­car­re­ga­rá de dis­tin­guir o es­sen­ci­al do aces­só­rio, pe­lo me­nos no que à im­por­tân­cia do ca­pí­tu­lo na vi­da diz res­pei­to. Se es­cre­ve­mos é pa­ra que ou­tros lei­am e, se o fa­ze­mos, te­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te de ha­ver um ob­jec­ti­vo. Não o fa­zen­do des­ta ma­nei­ra ape­nas ori­gi­na­mos des­per­dí­cio. Creio que é pre­ci­sa­men­te des­ta for­ma de ver es­ta coi­sa da es­cri­ta que a di­fi­cul­da­de me sur­ge. Não ten­do coi­sas mun­da­nas acer­ca do que es­cre­va, es­cre­ve­rei eu o quê pa­ra que ou­tros o lei­am? Melhor per­gun­tan­do, es­cre­ve­rei eu porquê?
Por en­tre o meu de­se­jo de es­cre­ver e o de me afas­tar do bur­bu­ri­nho in­con­se­quen­te do éter, re­cor­do a con­ver­sa en­tre o Frei Bartolomeu de Gusmão e o Mestre Domenico Scarlatti, a pro­pó­si­to do que con­si­de­ram ser a me­lhor for­ma de lou­var a di­vin­da­de, tão bem ma­gi­ca­da pe­lo gé­nio de José Saramago.

"Se a mú­si­ca po­de ser tão ex­ce­len­te mes­tre da ar­gu­men­ta­ção, que­ro já ser mú­si­co e não pre­ga­dor, Fico obri­ga­do pe­lo cum­pri­men­to, mas qui­se­ra eu, se­nhor pa­dre Bartolomeu de Gusmão, que a mi­nha mú­si­ca fos­se um dia ca­paz de ex­por, con­tra­por e con­cluir co­mo fa­zem ser­mão e dis­cur­so, Ainda que, re­pa­ran­do bem no que se diz e co­mo, se­nhor Scarlatti, se ex­po­nham e con­tra­po­nham, as mais das ve­zes, fu­mo e ne­vo­ei­ro, e se con­clua coi­sa ne­nhu­ma. A is­to não res­pon­deu o mú­si­co, e o pa­dre re­ma­tou, Todo o pre­ga­dor ho­nes­to o sen­te quan­do bai­xa do púl­pi­to. Disse o ita­li­a­no, en­co­lhen­do os om­bros, Fica o si­lên­cio de­pois da mú­si­ca e de­pois do ser­mão, que im­por­ta que se lou­ve o ser­mão e aplau­da a mú­si­ca, tal­vez só o si­lên­cio exis­ta ver­da­dei­ra­men­te."

Esta con­ver­sa tem uma con­clu­são que não me agra­da. Embora di­zer "Fica o si­lên­cio de­pois da mú­si­ca e de­pois do ser­mão, que im­por­ta que se lou­ve o ser­mão e aplau­da a mú­si­ca, tal­vez só o si­lên­cio exis­ta ver­da­dei­ra­men­te" nos fi­que mui­to bem en­quan­to fa­la­mos de lou­var a deus ou pu­bli­ca­mos a fra­se nu­ma fo­to­gra­fia com um por-do-sol num meio so­ci­al à es­co­lha – a ori­gi­nar sa­tis­fa­ção ime­di­a­ta num e nou­tro ca­so, se­ja por meio de amens ou de li­kes, que bem vis­tas as coi­sas são o mes­mo -, não ca­be ao si­lên­cio exis­tir en­quan­to ex­pres­são de al­go que ver­da­dei­ra­men­te im­por­te. De fac­to, o si­lên­cio, no que às coi­sas do mun­do con­cer­ne, ape­nas re­flec­te a es­cu­sa ou o ni­i­lis­mo. Não sa­ber e não que­rer sa­ber são du­as ati­tu­des si­len­ci­o­sas fa­ce à re­a­li­da­de.
Por ou­tro la­do, sen­do eu aves­so à ex­po­si­ção de de­ta­lhes da vi­da pri­va­da ao mes­mo tem­po que não me ve­jo co­mo "co­men­ta­dor da ac­tu­a­li­da­de", fi­co a pen­sar se no meu ca­so o si­lên­cio não se­rá a me­lhor for­ma de, se não ex­pres­sar-me, pe­lo me­nos não atra­pa­lhar o ca­mi­nho dos que bus­cam ou pro­du­zem co­nhe­ci­men­to.

E as­sim a per­gun­ta re­sis­te, in­sis­ten­te: Escreverei eu acer­ca de quê, porquê? Se in­sis­to que os ou­tros lei­am o que es­cre­vo, que di­rei eu acer­ca de quê? Porque não me re­me­to ao si­lên­cio do por-do-sol fa­ce­bo­o­ki­a­no, des­pe­jan­do de­e­pi­ti­es ou umas far­pas de quan­do em quan­do, ape­nas pa­ra si­na­li­zar a mi­nha pre­sen­ça no uni­ver­so?
Pois a ver­da­de é que ain­da não sei. Talvez con­ti­nue du­ran­te uns quan­tos es­cri­tos a fa­zer co­mo nes­te: pu­bli­car uma ci­ta­ção ma­ra­vi­lho­sa e es­cre­ver em ci­ma de­la coi­sas que, se não são de­e­pi­ti­es, são tan­to ou me­nos re­le­van­tes do que is­so. Que me au­xi­lie o apa­ro e que não me fal­te pa­pel.