6: Diário de um Caixeiro Viajante I: Via Rápida

Calha por ve­zes à con­ver­sa ir pa­rar à vi­a­gem e à me­lhor for­ma de a fa­zer: o que le­var na ba­ga­gem, que va­ci­nas to­mar e ou­tros cui­da­dos de saú­de e hi­gi­e­ne, co­mo cir­cu­lar na vi­da de lo­cais es­tra­nhos, quais os ho­téis, que ali­men­ta­ção, en­fim, a con­ver­sa re­ve­la-se uma ines­go­tá­vel fon­te de opi­niões e con­se­lhos, ao que não se­rá es­tra­nha a quan­ti­da­de de li­vros, ar­ti­gos e blogs que por aí an­dam a fa­lar so­bre o te­ma.
E tu­do vai bem na con­ver­sa as­sim fluí­da en­tre tre­jei­tos de es­pan­to e ohs! de ad­mi­ra­ção, que a vi­a­gem sem­pre os ori­gi­na nem que se­ja pe­lo fac­to de afir­mar­mos com ve­e­mên­cia ba­ba­da que "eu a al­mo­çar e o co­li­bri ali mes­mo, imó­vel no ar qual ae­rós­ta­to di­vi­no, su­gan­do os su­cos de uma flor de be­le­za ne­ces­sa­ri­a­men­te ím­par", a par de ex­pres­sões de abor­re­ci­men­to, já não pe­la vi­a­gem mas pe­lo re­la­tó­rio que vai lon­go e por­me­no­ri­za­do, di­zia eu que tu­do vai bem até ao mo­men­to em que se re­ve­la um voo em clas­se exe­cu­ti­va. Logo uma voz ge­ral­men­te mal in­for­ma­da se ale­van­ta, al­vi­tran­do com o que apa­ren­ta ser co­nhe­ci­men­to de cau­sa, e afir­ma que "is­so é um des­per­dí­cio de di­nhei­ro" e que "a eco­nó­mi­ca es­tá ca­da vez mais pa­re­ci­da com a exe­cu­ti­va", is­to pa­ra não fa­lar dos que me che­gam com as opi­niões acer­ca da di­vi­são das es­pé­ci­es co­mo se fa­las­sem de clas­ses, uns e ou­tros sem sa­be­rem ain­da que uma vez ofe­re­ci­da a opor­tu­ni­da­de de tal es­tu­pi­dez de­cer­to a acei­ta­rão com um es­gar de con­tra­gos­to fin­gi­do e aca­ba­rão por ver o seu ín­ti­mo re­con­for­ta­do.
A ver­da­de é que a clas­se exe­cu­ti­va, a jul­gar pe­la mai­o­ria das com­pa­nhi­as que te­nho usa­do e que já são al­gu­mas, é bas­tan­te di­fe­ren­te da eco­nó­mi­ca: há es­pa­ço, há aten­ção, há ser­vi­ço per­so­na­li­za­do, há con­for­to e sos­se­go. Não va­mos en­ca­fu­a­dos num lu­gar lu­tan­do por es­pa­ço com o vi­zi­nho e co­men­do re­fei­ções pi­o­res do que ra­ção de com­ba­te – va­mos com es­pa­ço su­fi­ci­en­te, que até os jo­e­lhos ca­bem no es­pa­ço en­tre ca­dei­ras se cru­zar­mos as per­nas, co­men­do re­fei­ções ser­vi­das em lou­ça, com di­rei­to a hors d'oeuvre, en­tra­da, prin­ci­pal ou con­du­to co­mo já nin­guém diz, so­bre­me­sa, ca­fé e xi­ri­pi­ti, que tan­to po­de ser brandy, whis­key, por­to, ou sim­ples água com gás, com di­rei­to a re­pe­tir um nú­me­ro de ve­zes in­de­ter­mi­na­do que creio ter a ver com o stock na ae­ro­na­ve, já que na clas­se exe­cu­ti­va a ques­tão do pas­sa­gei­ro eti­li­za­do não se co­lo­ca, que so­mos to­dos con­for­ta­vel­men­te fi­nos, pa­ra não di­zer so­fis­ti­ca­dos.
Mas as me­lho­res van­ta­gens da clas­se exe­cu­ti­va fi­cam pa­ra o fim, co­mo a ce­re­ja no to­po do bo­lo ou a ge­ma do ovo co­mo sem­pre fa­ze­mos na pro­cu­ra de fi­nais fe­li­zes: são elas, a sa­ber e por or­dem cres­cen­te de im­por­tân­cia, o loun­ge e a via rá­pi­da, uma track que, fast ou gre­en, é sem­pre mais rá­pi­da, es­tan­do am­bas dis­po­ní­veis nos me­lho­res ae­ro­por­tos.

O loun­ge, de on­de che­go e daí as re­ti­cên­ci­as aci­ma que is­to es­tá a ser fei­to ao cor­rer do tem­po, di­vi­de-se em du­as clas­ses, a de exe­cu­ti­va que se en­che de en­ge­nhei­ros e ven­de­do­res que se mis­tu­ram com oca­si­o­nais tu­ris­tas re­la­ti­va­men­te en­di­nhei­ra­dos con­si­de­ra­da a mé­dia, e a de pri­mei­ra clas­se que com­por­ta, por as­sim di­zer, os VIP ae­ro­trans­por­ta­dos, sen­do uma es­pé­cie de di­vi­são co­mo a que há nos ho­téis e re­sorts ou clu­bes e res­tau­ran­tes, ca­da um de­les de­di­ca­do a um ni­cho es­pe­cí­fi­co, o dos mi­li­o­ná­ri­os e o dos bi­li­o­ná­ri­os, que não ha­ja mis­tu­ras e que a úni­ca coi­sa em co­mum en­tre eles se­ja a in­di­fe­ren­ça pa­ra com os "all in­clu­ded" de pul­sei­ri­nha plás­ti­ca ou, no ca­so em apre­ço, os da eco­nó­mi­ca que se ajei­tam ae­ro­por­to fo­ra nos ban­cos qua­se pro­po­si­ta­da­men­te du­ros.
Seja qual for o loun­ge, os so­fás são con­for­tá­veis, há Wi-Fi, co­mi­da e be­bi­da gra­tui­ta e à dis­cri­ção, jor­nais, re­vis­tas, e em cer­tos ca­sos há mes­mo chu­vei­ro, sen­do o sí­tio ide­al pa­ra es­ca­par à con­fu­são de gen­te e ruí­do, tro­can­do-a pe­la con­fu­são de fi­os de car­re­ga­do­res de te­le­mó­veis e pe­lo ruí­do su­a­ve dos te­cla­dos de lap­tops on­de in­can­sá­veis fun­ci­o­ná­ri­os ma­ni­pu­lam fo­lhas Excel, apre­sen­ta­ções PowerPoint e res­pon­dem a e-mails sem dú­vi­da de im­por­tân­cia des­me­di­da e de ur­gên­cia pre­men­te. Mas di­ga­mos que há cer­ve­ja, vi­nho e whis­key gra­tui­tos e fi­que­mos por aí, que já é mo­ti­vo su­fi­ci­en­te.
Já a via rá­pi­da é al­go to­tal­men­te di­fe­ren­te e di­fe­ren­ci­a­dor, pas­se a re­dun­dân­cia apa­ren­te, con­sis­tin­do num sim­ples cur­to-cir­cui­to da­qui­lo que me­lhor de­fi­ne a re­la­ção de­mo­crá­ti­ca e igua­li­tá­ria da so­ci­e­da­de oci­den­tal, fa­la­mos aqui da fi­la ou bi­cha, es­tan­do a úl­ti­ma de­sig­na­ção a cair em de­su­so por me­ra ho­mo­fo­bia lin­guís­ti­ca, fi­la es­sa que co­lo­ca atrás umas das ou­tras as pes­so­as que se di­ri­gem a um ob­jec­ti­vo co­mum, or­de­na­das e or­dei­ras, por or­dem de che­ga­da, se­ja qual for o mo­ti­vo que ali as le­va, o se­xo ou gé­ne­ro, a ra­ça ou et­nia, a re­li­gião ou o clu­be, o par­ti­do ou a ide­o­lo­gia, le­van­do-nos a nós, os fre­quen­ta­do­res de loun­ges e vi­a­jan­tes com es­pa­ço pa­ra os jo­e­lhos, por um ca­mi­nho la­te­ral, lon­ge da con­fu­são e in­com­pa­ra­vel­men­te mais rá­pi­do. Para quem vi­a­ja fre­quen­te­men­te es­ta é tal­vez a mai­or con­ve­ni­ên­cia de um bi­lhe­te de clas­se exe­cu­ti­va. São sem­pre as coi­sas mais sim­ples que mais im­por­tân­cia têm.

Hoje de ma­nhã, após o check-in pri­o­ri­tá­rio – mais uma van­ta­gem! – no Aeroporto do Porto, cha­ma­do Sá Carneiro em ho­me­na­gem ao po­lí­ti­co fa­le­ci­do nu­ma que­da de avião, lá me di­ri­gi ao con­tro­le da ba­ga­gem pe­la via rá­pi­da, evi­tan­do a enor­me fi­la de gen­te que ape­nas a um me­tro de mim, no scan­ner ao la­do, se con­tor­cia pe­no­sa­men­te. Tinha já des­pi­do o ca­sa­co, ti­ra­do o cin­to, es­va­zi­a­do os bol­sos, ti­ra­do o lap­top da mo­chi­la e pre­pa­ra­va-me pa­ra pas­sar o pór­ti­co quan­do ve­jo o se­gu­ran­ça a ti­rar-me o bi­lhe­te, me­lhor di­zen­do, o car­tão de em­bar­que do bol­so num rá­pi­do mo­vi­men­to en­tre o sal­to fe­li­no e a lín­gua do ca­ma­leão, sub­me­ten­do-o a um scan. Perguntei-lhe o que fa­zia, res­pon­deu-me que es­ta­va a fa­zer um con­tro­le, mas que di­rei­to tem de ir ao meu bol­so bus­car se­ja o que for, des­cul­pe que me ti­nha es­que­ci­do, res­pon­deu, dei­xei pas­sar o abu­so, o ho­mem não é mais do que uma ro­di­nha den­ta­da do pro­gres­so co­mo di­ria o Pessoa ou qual­quer um de­le, mas fi­quei cu­ri­o­so, per­gun­tan­do-lhe que ti­po de con­tro­le era es­te que nun­ca me ti­nha acon­te­ci­do.
Explicou-me que era pa­ra ve­ri­fi­car se eu ti­nha mes­mo di­rei­to a pas­sar por ali, que "eles" às ve­zes pas­sa­vam por de­bai­xo da fi­ta, que "es­te país tem coi­sas des­tas", que se fos­se a dei­xá-los pas­sar não fa­ria sen­ti­do pes­so­as "co­mo eu" pa­ga­rem mais por um bi­lhe­te… "eles" olha­vam pa­ra nós tão ató­ni­tos co­mo eu, um pou­co mais in­dig­na­dos com as ex­pli­ca­ções que o "se­gu­ri­ta" da­va. Quem co­nhe­ça o ae­ro­por­to sa­be que a zo­na em que a fi­la e a via rá­pi­da se jun­tam se­pa­ra­das por uma sin­ge­la fi­ta tem cer­ca de dois me­tros de com­pri­do, sen­do per­fei­ta­men­te vi­sí­vel se­ja de on­de for den­tro do pe­rí­me­tro útil dos scan­ners, pe­lo que ob­jec­tei ex­pli­can­do que não faz sen­ti­do atra­sar pes­so­as por não con­se­guir es­tar aten­to a dois me­tros de li­nha, is­so pa­ra não di­zer que ain­da me­nos sen­ti­do faz ter ali três pes­so­as vá­li­das sem fa­zer na­da a não ser aten­der o mais oca­si­o­nal pas­sa­gei­ro de exe­cu­ti­va, quan­do há tan­ta gen­te a mor­rer de de­ses­pe­ro na fi­la ao la­do, cla­ro que não é na­da con­si­go, que vo­cê só cum­pre or­dens, eu sei, mas já que es­ta­mos a con­ver­sar, dei­xe-me di­zer-lhe que evi­te ex­pres­sões co­mo "eles", por­que eles são co­mo nós to­dos, ape­nas têm bi­lhe­te de eco­nó­mi­ca co­mo su­po­nho que vo­cê te­nha, ca­so vi­a­je de avião, ao que ele não res­pon­deu, li­mi­tan­do-se a um si­nal pa­ra o la­do, que eu es­ta­va pron­to a pas­sar, o que fiz pa­ra lo­go de se­gui­da ver a mi­nha ba­ga­gem mi-nu-cio-sa-men-te re-vis-ta-da, sa­be-se lá, o ga­jo de­ve ser co­mu­na ou pi­or, mas tem pin­ta de quem traz ex­plo­si­vos, po­de­mos di­zê-lo pe­la for­ma co­mo fa­la, da­qui a pou­co ou sai di­ta­du­ra do pro­le­ta­ri­a­do ou Allahu Akbar, que vai tu­do dar ao mes­mo, en­tão mais va­le pre­ve­nir do que re­me­di­ar e en­quan­to pre­ve­ni­mos fo­de­mos o ga­jo que é pa­ra a pró­xi­ma não se ar­mar em es­per­to.
Foi en­tão que, en­quan­to fe­cha­va a ba­ga­gem e re­co­lo­ca­va cin­to e cal­ça­va as bo­tas, re­pa­rei em al­guns sor­ri­si­nhos de sa­tis­fa­ção vin­dos do ou­tro la­do, da fi­la, co­mo que com o ego re­cu­pe­ra­do pe­lo fac­to de es­tar eu ali, qual car­ro de seg­men­to mé­dio-al­to em­pa­na­do em ple­na via rá­pi­da.

5: Eutanásia

I. A Vida pertence ao Indivíduo

É cer­to que o in­di­ví­duo é tam­bém o pro­du­to da sua in­te­rac­ção so­ci­al e que a sua vi­da é par­te in­te­gran­te des­sa ma­lha que, de ca­da vez que per­de um dos seus, so­fre. Mas a vi­da é in­trín­se­ca ao ser que ne­la se sus­tém, tor­nan­do-o úni­co e se­nhor de si. No que ao que à vi­da diz res­pei­to, fa­zer-se a ela ou des­fa­zer-se de­la é a der­ra­dei­ra li­ber­da­de in­di­vi­du­al. E se ou­tro ar­gu­men­to exis­te, se­rá sem­pre su­bor­di­na­do a es­te.

II. A Eutanásia é um Acto Médico de último recurso que cumpre a vontade expressa pelo doente mentalmente são

A Eutanásia é um ac­to mé­di­co e, en­quan­to tal, de­ve ser apli­ca­da so­men­te co­mo úl­ti­mo re­cur­so a do­en­tes em fa­se ter­mi­nal ou com de­fi­ci­ên­cia gra­ve, cu­ja qua­li­da­de de vi­da não pos­sa ser man­ti­da, a sua dig­ni­da­de não pos­sa ser sal­va­guar­da­da, ou o seu so­fri­men­to pos­sa tor­nar-se atroz. Nestes ca­sos, de­ve pro­vi­den­ci­ar-se ao do­en­te to­da a se­re­ni­da­de e con­for­to até e du­ran­te o mo­men­to de nos dei­xar, com mai­or a hu­ma­ni­da­de pos­sí­vel.

III. O suicídio assistido não é um acto médico, mas pressupõe assistência ao acto praticado pelo doente

Uma vez mais, a as­sis­tên­cia ao sui­cí­dio é um di­rei­to da­que­le que so­fre e quer dei­xar es­te mun­do. Não pro­vi­den­ci­ar es­sa as­sis­tên­cia re­sul­ta em mor­tes do­lo­ro­sas ou em da­nos que ape­nas pro­lon­ga­rão e au­men­ta­rão o so­fri­men­to do do­en­te. Todos nós, in­de­pen­den­te­men­te da for­ma que es­co­lhe­mos, de­ve­mos ter o di­rei­to de par­tir o mais se­re­na­men­te pos­sí­vel.

IV. A eutanásia e o suicídio assistido não podem em caso algum ser aconselhados pelo médico

Se há coi­sa que es­tá pre­sen­te du­ran­te o tra­ta­men­to de um do­en­te é a pos­si­bi­li­da­de de lhe sal­var a vi­da e fa­zer to­dos os pos­sí­veis por cu­rá-lo. Cabe uni­ca­men­te ao do­en­te a abor­da­gem à eu­ta­ná­sia ou ao sui­cí­dio co­mo saí­da do so­fri­men­to que vi­ve. As equi­pas mé­di­cas, em­bo­ra in­for­man­do da si­tu­a­ção e do es­pe­ra­do prog­nós­ti­co, não de­ve­rão em ca­so al­gum in­flu­en­ci­ar a de­ci­são de um ac­to tão ra­di­cal.

V. O direito do Indivíduo sobre a sua Vida e a sua Dignidade não é referendável

Os di­rei­tos do in­di­ví­duo en­quan­to ser de ple­no di­rei­to, do­no do seu cor­po e da sua vi­da, me­re­ce­dor do res­pei­to e da dig­ni­da­de, a par das me­lho­res con­di­ções de vi­da que a téc­ni­ca e a hu­ma­ni­da­de pos­sam pro­por­ci­o­nar, não po­dem ser en­tre­gues à de­ci­são po­pu­lar, sob o ris­co de ver­mos a de­mo­cra­cia trans­for­mar-se nu­ma di­ta­du­ra po­pu­lar em re­la­ção a es­se in­di­ví­duo, em per­ma­nen­te mi­no­ria. Estas de­ci­sões de­vem ser to­ma­das pe­lo po­der le­gis­la­ti­vo, de­pois de es­cu­ta­das to­das as au­to­ri­da­des na ma­té­ria no que à éti­ca con­cer­ne.

4: Sinais de Fumo

The last time I got stoned, turning the pages of memory as if they were a book

Chegou a uma ida­de em que tu­do o que lhe vem à lem­bran­ça não pas­sa da me­mó­ria de me­mó­ri­as, ca­da uma de­las pin­ta­da pe­los fu­mos pró­pri­os do dia ou da épo­ca, mo­di­fi­can­do-se de ca­da vez que é con­ju­ra­da, ideia des­con­for­tá­vel es­sa, já que sem­pre con­si­de­rou ser a me­mó­ria aqui­lo que o de­fi­ne co­mo ser úni­co, um in­di­ví­duo, quer a sua, quer a que ou­tros de­le te­nham, tam­bém es­sa su­jei­ta à mu­ta­ção que a vi­da vai ofe­re­cen­do às for­mas, ao sen­tir, ao acon­te­ci­men­to que pen­sá­va­mos ser um dos mais fe­li­zes, à pes­soa que pen­sá­va­mos ser a fon­te des­sa fe­li­ci­da­de e que, pas­sa­dos tem­pos ou tal­vez um dia, re­cor­da­mos de uma ou­tra for­ma, tan­tas ve­zes ra­di­cal­men­te di­fe­ren­te, por­que da ima­gem au­sen­ta­mos os fu­mos, ou por­que os ins­pi­ra­mos em de­ma­sia, vá lá sa­ber-se.

The last ti­me I got sto­ned,
tur­ning the pa­ges of me­mory as if they we­re a bo­ok,
I wro­te with smo­ke
in the mar­gins of my li­fe

Smoke, Erica Jong
– Imagem de au­tor des­co­nhe­ci­do

3: Oráculo

O tra­ba­lho de iní­cio de ano é sem­pre uma lu­fa-lu­fa de pre­vi­sões mais ou me­nos fun­da­men­ta­das. Estou a vi­ver o fu­tu­ro por en­tre fo­lhas ex­celma­pas das mais va­ri­a­das pro­ve­ni­ên­ci­as. Falo de 2018 e ajus­to as pre­vi­sões até 2020, co­mo se fos­se um orá­cu­lo mo­der­no. Factores co­mo a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, o va­lor das mo­e­das, o pre­ço do pe­tró­leo, a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra des­ta ou da­que­la em­pre­sa, jun­tam-se aos pros­pec­tos de no­vas uni­da­des ad­qui­ri­das a de­ter­mi­na­do pre­ço com um bre­ak-even a ser ob­ti­do pe­la as­sis­tên­cia que não sa­be­mos ain­da se irá con­cre­ti­zar-se, de­ter­mi­nan­do os ob­jec­ti­vos  e os pla­nos que ire­mos vi­ver no fu­tu­ro. É um se-en­tão per­ma­nen­te, to­da uma ló­gi­ca lí­qui­da que trans­bor­da em apre­sen­ta­ções so­bri­a­men­te co­lo­ri­das que es­pe­lham ma­pas e di­a­gra­mas de jo­gos, te­ses que te­nho que de­fen­der fren­te aos "VP", os ti­pos que man­dam e que apro­vam ou pe­dem no­vos cál­cu­los e no­vas op­ções. Mas tu­do é fu­mo, tu­do não pas­sa de me­te­o­ro­lo­gia eco­nó­mi­ca.

2: Ersatz____________

Kaffe Ersatz

.

"A an­ti­ga ig­no­rân­cia as­sen­ta­va nu­ma ca­rên­cia, nu­ma fal­ta, a no­va as­sen­ta nu­ma ilu­são."

Concordo com o Pacheco Pereira, tan­to quan­to já ti­nha con­cor­da­do com o Umberto Eco. Concordo ain­da com o André Barata e com mui­tos ou­tros que são ape­li­da­dos de "Velhos do Restelo" des­ta glo­ri­o­sa épo­ca da co­mu­ni­ca­ção de mas­sas, pa­ra as mas­sas e in­ter-mas­sas, na qual o in­di­ví­duo pa­re­ce ca­da vez mais um con­cei­to dis­tan­te. Sendo ávi­do con­su­mi­dor e pro­du­tor de con­teú­dos em qua­se to­das as pla­ta­for­mas, uti­li­za­dor de gad­gets e de apps e de mais umas quan­tas tec­no­lo­gi­as de pon­ta, qua­se to­das elas des­ne­ces­sá­ri­as à mi­nha vi­da hu­ma­na, so­ci­al e pri­va­da, con­fes­so-me ig­no­ran­te do mun­do co­mo nun­ca fui ou­tro­ra, na épo­ca em que le­van­ta­va li­vros da bi­bli­o­te­ca, que lia sem pre­con­cei­tos, de­pois de es­co­lhi­dos por te­ma e lon­ge da câ­ma­ra de eco do zeit­geist. Pelas re­ac­ções ao ar­ti­go do Pacheco Pereira nos me­dia so­ci­ais, ve­jo que sou dos pou­cos que têm dis­so cons­ci­ên­cia. Os res­tan­tes cla­mam que es­tão es­tes Velhos en­ga­na­dos e que vêm o mun­do do al­to de tor­res de mar­fim, ar­ma­dos em Grandes Educadores das Massas. Como es­tão er­ra­dos.

– Imagem: "Kaffee Ersatz" de Michael T., via Hogsalt.

1: Em Branco

Estes meus úl­ti­mos tem­pos qua­se po­de­ri­am ser me­di­dos em res­mas de pa­pel amar­ro­ta­do e ati­ra­do ao li­xo lo­go ao pri­mei­ro pa­rá­gra­fo. Pareço es­cre­ver ape­nas pe­lo pra­zer de sen­tir o ar­ra­nhar do apa­ro no pa­pel, sem ob­jec­ti­vo ou mes­mo es­co­lha de pa­la­vras, ten­tan­do ape­nas acer­tar a ca­li­gra­fia ca­da vez mais inin­te­li­gí­vel. Estou sem as­sun­to e sem von­ta­de de o ar­ran­jar. As coi­sas do mun­do são de­ma­si­a­da­men­te com­ple­xas pa­ra que eu lhes de­di­que o pou­co que sei e nes­se par­co sa­ber fun­da­men­te uma opi­nião ou ar­ris­que um acres­cen­to. No fim de con­tas, não é es­se o meu tra­ba­lho; dei­xo-o pa­ra ou­tros que sai­bam mais do que eu e pa­ra tal te­nham von­ta­de – e pa­ra os mui­tos que, le­van­do-se de­ma­si­a­da­men­te a sé­rio, es­tão con­ven­ci­dos de que não con­se­gui­mos já pas­sar sem as su­as con­si­de­ra­ções acer­ca de tu­do e so­bre­tu­do acer­ca de na­da.
Para mim, es­cre­ver não faz sen­ti­do se não hou­ver quem leia. Sou por is­so aves­so a diá­ri­os en­ca­fu­a­dos em ar­cas en­cou­ra­das pa­ra me­mó­ria fu­tu­ra, já que a me­mó­ria se en­car­re­ga­rá de dis­tin­guir o es­sen­ci­al do aces­só­rio, pe­lo me­nos no que à im­por­tân­cia do ca­pí­tu­lo na vi­da diz res­pei­to. Se es­cre­ve­mos é pa­ra que ou­tros lei­am e, se o fa­ze­mos, te­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te de ha­ver um ob­jec­ti­vo. Não o fa­zen­do des­ta ma­nei­ra ape­nas ori­gi­na­mos des­per­dí­cio. Creio que é pre­ci­sa­men­te des­ta for­ma de ver es­ta coi­sa da es­cri­ta que a di­fi­cul­da­de me sur­ge. Não ten­do coi­sas mun­da­nas acer­ca do que es­cre­va, es­cre­ve­rei eu o quê pa­ra que ou­tros o lei­am? Melhor per­gun­tan­do, es­cre­ve­rei eu porquê?
Por en­tre o meu de­se­jo de es­cre­ver e o de me afas­tar do bur­bu­ri­nho in­con­se­quen­te do éter, re­cor­do a con­ver­sa en­tre o Frei Bartolomeu de Gusmão e o Mestre Domenico Scarlatti, a pro­pó­si­to do que con­si­de­ram ser a me­lhor for­ma de lou­var a di­vin­da­de, tão bem ma­gi­ca­da pe­lo gé­nio de José Saramago.

"Se a mú­si­ca po­de ser tão ex­ce­len­te mes­tre da ar­gu­men­ta­ção, que­ro já ser mú­si­co e não pre­ga­dor, Fico obri­ga­do pe­lo cum­pri­men­to, mas qui­se­ra eu, se­nhor pa­dre Bartolomeu de Gusmão, que a mi­nha mú­si­ca fos­se um dia ca­paz de ex­por, con­tra­por e con­cluir co­mo fa­zem ser­mão e dis­cur­so, Ainda que, re­pa­ran­do bem no que se diz e co­mo, se­nhor Scarlatti, se ex­po­nham e con­tra­po­nham, as mais das ve­zes, fu­mo e ne­vo­ei­ro, e se con­clua coi­sa ne­nhu­ma. A is­to não res­pon­deu o mú­si­co, e o pa­dre re­ma­tou, Todo o pre­ga­dor ho­nes­to o sen­te quan­do bai­xa do púl­pi­to. Disse o ita­li­a­no, en­co­lhen­do os om­bros, Fica o si­lên­cio de­pois da mú­si­ca e de­pois do ser­mão, que im­por­ta que se lou­ve o ser­mão e aplau­da a mú­si­ca, tal­vez só o si­lên­cio exis­ta ver­da­dei­ra­men­te."

Esta con­ver­sa tem uma con­clu­são que não me agra­da. Embora di­zer "Fica o si­lên­cio de­pois da mú­si­ca e de­pois do ser­mão, que im­por­ta que se lou­ve o ser­mão e aplau­da a mú­si­ca, tal­vez só o si­lên­cio exis­ta ver­da­dei­ra­men­te" nos fi­que mui­to bem en­quan­to fa­la­mos de lou­var a deus ou pu­bli­ca­mos a fra­se nu­ma fo­to­gra­fia com um por-do-sol num meio so­ci­al à es­co­lha – a ori­gi­nar sa­tis­fa­ção ime­di­a­ta num e nou­tro ca­so, se­ja por meio de amens ou de li­kes, que bem vis­tas as coi­sas são o mes­mo -, não ca­be ao si­lên­cio exis­tir en­quan­to ex­pres­são de al­go que ver­da­dei­ra­men­te im­por­te. De fac­to, o si­lên­cio, no que às coi­sas do mun­do con­cer­ne, ape­nas re­flec­te a es­cu­sa ou o ni­i­lis­mo. Não sa­ber e não que­rer sa­ber são du­as ati­tu­des si­len­ci­o­sas fa­ce à re­a­li­da­de.
Por ou­tro la­do, sen­do eu aves­so à ex­po­si­ção de de­ta­lhes da vi­da pri­va­da ao mes­mo tem­po que não me ve­jo co­mo "co­men­ta­dor da ac­tu­a­li­da­de", fi­co a pen­sar se no meu ca­so o si­lên­cio não se­rá a me­lhor for­ma de, se não ex­pres­sar-me, pe­lo me­nos não atra­pa­lhar o ca­mi­nho dos que bus­cam ou pro­du­zem co­nhe­ci­men­to.

E as­sim a per­gun­ta re­sis­te, in­sis­ten­te: Escreverei eu acer­ca de quê, porquê? Se in­sis­to que os ou­tros lei­am o que es­cre­vo, que di­rei eu acer­ca de quê? Porque não me re­me­to ao si­lên­cio do por-do-sol fa­ce­bo­o­ki­a­no, des­pe­jan­do de­e­pi­ti­es ou umas far­pas de quan­do em quan­do, ape­nas pa­ra si­na­li­zar a mi­nha pre­sen­ça no uni­ver­so?
Pois a ver­da­de é que ain­da não sei. Talvez con­ti­nue du­ran­te uns quan­tos es­cri­tos a fa­zer co­mo nes­te: pu­bli­car uma ci­ta­ção ma­ra­vi­lho­sa e es­cre­ver em ci­ma de­la coi­sas que, se não são de­e­pi­ti­es, são tan­to ou me­nos re­le­van­tes do que is­so. Que me au­xi­lie o apa­ro e que não me fal­te pa­pel.

0: Totus Mundus Agit Histrionem

To-morrow, and to-morrow, and to-morrow,
Creeps in this petty pace from day to day,
To the last syllable of recorded time;
And all our yesterdays have lighted fools
The way to dusty death. Out, out, brief candle!
Life's but a walking shadow, a poor player,
That struts and frets his hour upon the stage,
And then is heard no more. It is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing.

-- Macbeth, Acto V, Cena 5, 19-28 de William Shakespeare,
dito por Bill Camp em Birdman