9: A Sombra de Phaeton – IV

.
Re­li­gi­ous to­le­ra­ti­on righ­tly re­qui­res that you must let your neigh­bour prac­ti­se his re­li­gi­on without fe­ar of per­se­cu­ti­on or re­pri­sal. In the light of the West's aw­ful his­tory of re­li­gi­ous war­fa­re, if nothing el­se, that is a hard won and ad­mi­ra­ble prin­ci­ple. But the­re is al­so a pre­va­lent at­ti­tu­de — call it re­li­gi­ous cor­rect­ness — with whi­ch ge­nui­ne to­le­ra­ti­on is ea­sily con­fu­sed: a po­li­te and well-me­a­ning re­luc­tan­ce to en­ga­ge be­li­e­vers in the sort of ro­bust clash of ide­as that might dis­com­fit them.
The Eco­no­mist, 10 de No­vem­bro de 2001, "The pe­rils of re­li­gi­ous cor­rect­ness"

O sé­cu­lo pas­sa­do foi mar­ca­do pe­lo sur­gi­men­to das mais di­ver­sas re­vo­lu­ções so­ci­ais e tec­no­ló­gi­cas, a par de guer­ras à es­ca­la glo­bal. Du­ran­te to­do es­se sé­cu­lo o Ho­mem viu o seu pa­pel ser re­le­ga­do pa­ra se­gun­do pla­no pe­la Ci­ên­cia, ao mes­mo tem­po que a Fi­lo­so­fia di­ri­gia a me­ta­fí­si­ca pa­ra um tur­bi­lhão de idei­as que re­ti­ra­vam ao ser hu­ma­no a im­por­tân­cia que es­te jul­ga­va ter: a cons­ci­ên­cia, os pro­ces­sos de de­ci­são e, en­fim, o Li­vre Ar­bí­trio pas­sam pe­lo fil­tro aper­ta­do das ci­ên­ci­as an­tes de che­ga­rem à Fi­lo­so­fia e são ago­ra con­si­de­ra­dos um me­ca­nis­mo. O Ho­mem não é, afi­nal, mais do que um "as­set", um "stan­dard-is­sue", um "gad­get". Creio que es­se é o prin­ci­pal mo­ti­vo pa­ra o re­tro­ces­so ve­ri­fi­ca­do, o da re­li­gião es­tar no­va­men­te a ocu­par o lu­gar da Me­ta­fí­si­ca.
Mas a re­li­gião não su­pre ape­nas a li­ga­ção do Ho­mem ao di­vi­no. A re­li­gião ac­tua ain­da de du­as ou­tras for­mas: ofe­re­ce re­com­pen­sa e cas­ti­go con­so­an­te o cum­pri­men­to dos seus có­di­gos mo­rais sob a for­ma de da­na­ção ou vi­da eter­na, re­nas­ci­men­to con­tí­nuo ou des­can­so eter­no, ou ima­gi­na­ções ain­da mais con­fu­sas; e, mais im­por­tan­te ain­da, ali­men­ta a ân­sia hu­ma­na de fa­zer par­te de al­go que a trans­cen­da, com­pon­do des­sa for­ma o sen­ti­do úl­ti­mo da vi­da – so­mos por­que fa­ze­mos par­te de um Gran­de Pla­no que es­tá pa­ra além do nos­so en­ten­di­men­to.

Em tem­pos de in­cer­te­za e ca­os re­la­ti­vo co­mo os que vi­ve­mos es­tes di­as, es­tão des­ta for­ma reu­ni­das as con­di­ções pa­ra o que se ob­ser­va: o (re) sur­gi­men­to de uma quan­ti­da­de de Ma­ni­queus em­pos­sa­dos pe­lo di­vi­no e de­ten­to­res da Ver­da­de Su­pre­ma, ver­da­de es­sa que, se pos­ta em cau­sa, só o po­de ser pe­la bo­ca de gen­te que, a par­tir des­se mo­men­to, é sua ini­mi­ga. E se é sua ini­mi­ga, é ini­mi­ga dos pra­ti­can­tes da re­li­gião.
Es­se ma­ni­queís­mo é so­be­ja­men­te apro­vei­ta­do pe­los di­ri­gen­tes das na­ções, co­mo pu­de­mos ver na Ale­ma­nha da dé­ca­da de 30 do sé­cu­lo pas­sa­do, co­mo ve­mos ac­tu­al­men­te na Ará­bia Sau­di­ta, em Is­ra­el ou no Irão, e co­mo ve­mos acon­te­cer, fi­nal­men­te, nos Es­ta­dos uni­dos da Amé­ri­ca – en­tre ou­tros exem­plos de apro­vei­ta­men­to do ideá­rio, da mo­ral e da ma­ni­pu­la­ção das mas­sas que a re­li­gião fun­da­men­ta: ou és por mim, ou és con­tra mim; se és por mim é teu o pa­raí­so, se és con­tra mim, caia-te o in­fer­no em ci­ma, e de pre­fe­rên­cia já. Daí os con­fli­tos, daí as se­gre­ga­ções, daí as mor­tes, daí a des­trui­ção de íco­nes cul­tu­rais, daí o que vi­ve­mos nes­te mun­do ac­tu­al que tan­tos acre­di­tam ser de Deus.

Des­de que a cren­ça no di­vi­no ou a re­li­gião pra­ti­ca­da não es­te­ja na ori­gem de da­nos à pes­soa, so­ci­e­da­de ou na­tu­re­za em ge­ral, sou fir­me de­fen­sor da li­ber­da­de de qual­quer um de vós acre­di­tar e aca­tar se­ja qual for a or­dem di­vi­na que for­des ca­pa­zes de es­cu­tar, sen­tir, ou ima­gi­nar. A li­ber­da­de re­li­gi­o­sa é uma das mais im­por­tan­tes con­quis­tas da mo­der­ni­da­de, sen­do a meu ver um dos ba­lu­ar­tes da de­mo­cra­cia mo­der­na e dos di­rei­tos hu­ma­nos. Far­tos da se­gre­ga­ção, per­se­gui­ção e mor­te em no­me de deu­ses an­da­mos to­dos, pes­so­as de bem.
Mas é pre­ci­sa­men­te em no­me da dig­ni­da­de hu­ma­na, da pre­ser­va­ção da cul­tu­ra, e de mui­tas ou­tras ques­tões so­ci­ais que me en­vol­vo em dis­cus­sões com re­li­gi­o­sos e cren­tes no so­bre­na­tu­ral. Com efei­to, é-me mui­to di­fí­cil en­con­trar cren­ça ou re­li­gião que, de uma for­ma ou de ou­tra, não se­gre­gue, mu­ti­le ou ma­te, des­de os na­ci­o­na­lis­mos exa­cer­ba­dos do neo-pa­ga­nis­mo às de­ca­pi­ta­ções do da­esh, pas­san­do pe­la se­gre­ga­ção de gays, mu­lhe­res, adúl­te­ros, etc. no seio das re­li­giões mo­no­teís­tas ou pe­lo sis­te­ma de cas­tas de al­gu­mas po­li­teís­tas. Nes­sas dis­cus­sões, ten­to dei­xar de fo­ra a tra­ma da exis­tên­cia de deu­ses e de­mó­ni­os pa­ra me con­cen­trar nas cau­sas e efei­tos des­ses azi­mu­tes mo­rais ou, mais le­ve­men­te, ten­tar en­ten­der e dis­cu­tir a ne­ces­si­da­de de um li­vro de ins­tru­ções pa­ra a vi­da di­ta­do por ilu­mi­na­dos que se ar­ro­gam es­tar em con­tac­to com o di­vi­no.

Dis­se an­te­ri­or­men­te que "É-me in­di­fe­ren­te que os deu­ses exis­tam ou não – se não exis­ti­rem, es­tá tu­do com dan­tes; se exis­ti­rem não pas­sam de uns psi­co­pa­tas que não me me­re­cem um se­gun­do de con­si­de­ra­ção. Na­da há a per­der aqui.", e re­a­fir­mo-o: não me in­te­res­sa se exis­tem deu­ses ou não. Mas in­te­res­sa-me mui­to o que se faz em seu no­me e as for­mas hu­ma­nas que eles as­su­mem – e es­sa é uma dis­cus­são a que nun­ca me fur­to, à qual nin­guém de­ve­ria fu­gir.

8: Pirografia

Fo­to: Pau­lo Cu­nha, ma­ni­pu­la­da pos­te­ri­or­men­te

De en­tre os ele­men­tos pri­mor­di­ais, ve­nham eles de que fi­lo­so­fia vi­e­rem, o ele­men­to co­mum que mai­or fas­cí­nio exer­ce no Ho­mem é o fo­go. Foi o fo­go que, uma vez do­mes­ti­ca­do pa­ra uso do­més­ti­co, veio a per­mi­tir os mai­o­res avan­ços tec­no­ló­gi­cos e so­ci­ais. Foi ao fo­go que re­cor­re­mos pa­ra nos pro­te­ger­mos dos ani­mais e pa­ra nos aque­cer­mos no In­ver­no, pa­ra co­zi­nhar e pa­ra trans­for­mar o fer­ro, pa­ra des­truir fro­tas e ci­da­des, pa­ra quei­mar bru­xas e he­re­ges. Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas do fo­go é a de ser uma es­pé­cie de en­ti­da­de ul­tra-mo­ral à qual tan­to im­por­ta es­tar a aque­cer uma re­fei­ção ou a lam­ber um cor­po ba­nha­do de na­palm, não ha­ven­do ne­le al­gu­ma hu­ma­ni­da­de dis­cer­ní­vel a não ser a que nós pró­pri­os lhe em­pres­ta­mos: o fo­go é con­for­to, in­dús­tria, ar­ma, car­ras­co, pu­ri­fi­ca­dor ri­tu­al; ma­dei­ros, ga­lhei­ros e cam­bei­ros ri­va­li­zam com bi­gor­nas e au­tos-de-fé. E é por ve­zes um tras­go ir­re­qui­e­to que con­so­me tu­do em vol­ta, em as­so­mo de vi­o­lên­cia fre­né­ti­ca que não pou­pa flo­res­ta, co­lhei­ta, po­vo­a­dos, ho­mens e ani­mais. Tal­vez por is­so se­ja tam­bém o ele­men­to do In­fer­no, cas­ti­ga­dor das cul­pas mun­da­nas.

É nes­ta úl­ti­ma ima­gem que a ge­ne­ra­li­da­de das re­ac­ções à tra­gé­dia a que as­sis­ti­mos na zo­na de Pe­dró­gão pa­re­ce en­qua­drar-se: os in­cên­di­os na­da mais são do que o cas­ti­go pe­las cul­pas de mo­ra­do­res, au­to­ri­da­des, bom­bei­ros, au­tar­cas e go­ver­no. Os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e res­tan­tes fo­ra na in­ter­net ten­tam, a to­do o cus­to, apon­tar um res­pon­sá­vel. Fa­zem-se per­gun­tas apon­tan­do cul­pa, es­cre­vem-se pa­re­ce­res téc­ni­cos cla­man­do por jus­ti­ça, que não fo­mos ou­vi­dos, nós os que per­ce­be­mos dis­to, al­vi­tram-se opi­niões avul­sas e sem sen­ti­do, ain­da os cor­pos es­tão quen­tes na me­sa da mor­gue, ain­da as fa­mí­li­as cho­ram do­ri­das e des­vai­ra­das, ain­da os bom­bei­ros lá an­dam em bus­ca da sal­va­ção. É pre­ci­so um cul­pa­do por­que o eu­ca­lip­to, é pre­ci­so um cul­pa­do por­que o pi­nhei­ro, por­que a mo­no­cul­tu­ra, por­que a lim­pe­za, é pre­ci­so um cul­pa­do por­que a pre­ven­ção, por­que os bom­bei­ros, por­que a pro­tec­ção ci­vil. É pre­ci­so um cul­pa­do, por­que eu não o sou e, se aqui­lo ar­deu, é por­que cul­pa exis­te, que não mor­ra sol­tei­ra, por­que eu, que re­co­lhi da­dos dos mais di­ver­sos web­si­tes, sei; por­que eu sou dou­tor das flo­res­tas, te­nho pa­pers; por­que eu um dia en­vi­ei um e-mail já não me lem­bra a quem a fa­lar do quin­tal do vi­zi­nho.

Se o nú­me­ro de ví­ti­mas au­men­tar, de­mi­te-se?, foi mais ou me­nos es­ta a per­gun­ta de uma Ju­di­te de­pois de pas­se­ar e fa­zer-se re­tra­tar jun­to ao ca­dá­ver in­fe­liz de uma mor­te so­li­tá­ria. Os di­rec­tos, ho­ras a fio, o en­cher dos chou­ri­ços em voz fre­né­ti­ca em­bar­ga­da pe­lo fu­mo, os co­mu­ni­ca­dos de ho­ra em ho­ra pa­ra di­zer na­da mais do que o que já se sa­be: há uma tra­gé­dia, es­ta­mos a com­ba­tê-la, há-de ha­ver inqué­ri­to, as ima­gens dos car­ros car­bo­ni­za­dos a ofe­re­ce­rem-nos, dia fo­ra, o que pen­sa­mos ter si­do a an­gús­tia e o ter­ror sen­ti­do pe­los que ne­les pe­re­ce­ram, es­sa es­pé­cie de por­no­gra­fia que nos ali­men­ta os juí­zos, a opi­nião, a so­li­da­ri­e­da­de re­pen­ti­na e fu­gaz. Se o nú­me­ro de ví­ti­mas au­men­tar, de­mi­te-se? “Mais uma vez, os bom­bei­ros não es­ta­vam pre­sen­tes.” “Te­rá o pro­ble­ma de co­mu­ni­ca­ção ocor­ri­do no SI­RESP in­flu­en­ci­a­do…” E o ca­dá­ver da Ju­di­te ali, des­de as seis da tar­de, e nin­guém o vem bus­car, ape­sar de ha­ver bom­bei­ros nas pro­xi­mi­da­des, porquê?, por­que é im­por­tan­te, não os cor­pos, mas aque­le pre­ci­so cor­po por de­trás do um­bi­go da apre­sen­ta­do­ra ve­ra­ne­an­te que su­bi­ta­men­te é pro­mo­vi­da a re­pór­ter.

A ver­da­de é que não há fo­go que ex­pie es­te es­tar da al­ma, nem se­quer ha­ve­rá chu­va que a la­ve. Ha­ve­rá, is­so sim, mais in­cên­di­os, pon­tes a cair, chei­as, to­da uma imen­si­dão de ca­ta­clis­mos pos­sí­veis que, evi­tá­veis ou não, aca­ba­rão por acon­te­cer – e por ca­da um de­les, por ca­da um dos mor­tos, por ca­da um dos bom­bei­ros, po­lí­ci­as, mi­li­ta­res e ci­vis que es­ti­ve­rem pre­sen­tes na ac­ção an­tes da pa­la­vra, ha­ve­rá um mi­lhar de es­per­tos na ma­té­ria a man­dar bi­tai­tes e um mi­lhar de jor­na­lis­tas a en­cher chou­ri­ços e a fa­zer per­gun­tas par­vas, to­dos eles à pro­cu­ra da cul­pa por de­trás de um mi­cro­fo­ne, uma câ­ma­ra ou um te­cla­do de com­pu­ta­dor.
"Quem não sa­be, en­si­na" – diz o po­vo.

7: A Sombra de Phaeton – III

.
Nowa­days no­body bothers, and it is con­si­de­red in sligh­tly bad tas­te to even rai­se the ques­ti­on of God's exis­ten­ce. Mat­ters of re­li­gi­on are li­ke mat­ters of se­xu­al pre­fe­ren­ce: they are not dis­cus­sed in pu­blic, and even the abs­tract ques­ti­ons are dis­cus­sed only by bo­res.
John Se­ar­le, "Mind, Lan­gua­ge and So­ci­ety, Phi­lo­sophy in the Re­al World"

O de­sa­ba­fo de Se­arl acer­ca da pou­ca pro­du­ção de con­teú­dos em tor­no da dis­cus­são da re­li­gião é acer­ta­do. A re­li­gião pas­sou a ser dis­cu­ti­da den­tro de uma bo­lha po­li­ti­ca­men­te cor­rec­ta apa­ren­te­men­te re­gi­da pe­la "não-so­bre­po­si­ção dos ma­gis­té­ri­os", on­da tão bem apro­vei­ta­da re­cen­te­men­te por Jor­ge Ma­rio Ber­go­glio, o Pa­pa Fran­cis­co que, de for­ma bem cui­da­da, traz a luz ao mun­do con­ce­den­do que a Ci­ên­cia de­ve­rá ex­pli­car os fe­nó­me­nos na­tu­rais e que te­o­ri­as ci­en­tí­fi­cas, co­mo a do Big-Bang, não en­tram em con­fli­to com os en­si­na­men­tos da Igre­ja ou com a exis­tên­cia de Deus. "Dai, pois, a Cé­sar o que é de Cé­sar, e a Deus o que é de Deus", pa­re­ce di­zer, ou que "Há mais coi­sas en­tre o céu e a ter­ra, Ho­rá­cio, do que so­nha a nos­sa vã fi­lo­so­fia".

6: A Sombra de Phaeton – II

Estou parcialmente de acordo com a filosofia pop de Žižek que, a propósito do excerto de Brecht reproduzido anteriormente, nos diz:

Brecht is right here: we are never in a position directly to choose between theism and atheism, since the choice as such is already located within the field of belief. ‘Atheism’ (in the sense of deciding not to believe in God) is a miserable, pathetic stance of those who long for God but cannot find him (or who ‘rebel against God’). A true atheist does not choose atheism: for him, the question itself is irrelevant – THIS is the stance of a truly atheistic SUBJECT.
Slavoj Žižek, "Interrogating the Real"

Estou parcialmente de acordo porque não entendo como poderei não escolher ser ateu, mesmo se esta opção se enquadra no campo das crenças. Entendo que para um ateu a problemática da existência de deuses não se coloca e que, em princípio, não será coisa que o preocupe, assim como entendo o que diz Brecht, já que ao colocar a existência de deuses na mesa para discussão, essa mesma existência torna-se efectiva na minha realidade. Mas, ainda assim, o ateísmo é uma escolha, pelo menos enquanto a sociedade for permeável à religião - como o é - e a religião continuar a imiscuir-se na coisa pública, inspirando ou mesmo instituindo leis e ética.
Esta posição de Žižek vem um pouco a propósito do que se confirma ser uma moda, a de um niilismo condescendente para com os que não compartilham as nossas crenças. Neste caso, o simples facto de podermos encetar uma discussão em torno do fenómeno religioso adiantando a nossa posição de ateu, torna-se uma espécie de confissão de recalcamento - um dos argumentos que os religiosos proselitistas tanto gostam de usar.

5: Portugal, Sala de Espera

.

As long as I ke­ep my flo­or cle­an, ke­ep my he­ad down, they ha­ve no re­a­son to de­port me, they ha­ve no re­a­son to no­ti­ce a man li­ke me.

Gup­ta Ra­jan, em "The Ter­mi­nal"

.
No san­gue te­mos o san­gue dos ou­tros. O que res­ta de­pois de sub­trair os ou­tros não pres­ta. É um cal­do cam­pó­nio, uma so­pa de cou­ve.
Mi­guel Es­te­ves Car­do­so, "Ex­pli­ca­ções de Por­tu­guês"

To­do o in­di­ví­duo de­ve­ria ter o di­rei­to uni­ver­sal­men­te re­co­nhe­ci­do de se de­cla­rar apá­tri­da, sen­do-lhe pos­sí­vel usu­fruir dos di­rei­tos dos ci­da­dãos do país on­de se en­con­tras­se, vi­ven­do ou de pas­sa­gem. In­fe­liz­men­te, tal não é pos­sí­vel. To­dos so­mos li­nhas de uma imen­sa ba­se de da­dos que con­tém to­da a in­for­ma­ção vi­tal acer­ca de quem so­mos, de on­de vi­mos e pa­ra on­de va­mos, fa­zer o quê e com quem, a que pro­pó­si­to. Só as­sim te­mos di­rei­tos e de­ve­res de ci­da­dão, ta­xas e im­pos­tos, e bi­lhe­te de iden­ti­da­de. Não ten­do es­tes, é co­mo se não exis­tís­se­mos.
O sen­so co­mum diz-nos que te­mos de­ter­mi­na­da na­ci­o­na­li­da­de por dois mo­ti­vos de mai­or for­ça: por­que nas­ce­mos num país, ou por­que es­co­lhe­mos aque­le on­de vi­ve­mos a nos­sa vi­da. Mas o sen­so co­mum é o que é, e não ra­ra­men­te as su­as con­clu­sões são er­ra­das. Na ver­da­de, tan­to exis­tem aque­les que vêem re­cu­sa­da a ci­da­da­nia no país on­de vi­vem, tan­tas ve­zes há uma vi­da, co­mo ain­da mais es­tra­nha­men­te exis­tem aque­les que vêem a sua na­ci­o­na­li­da­de re­cu­sa­da ape­sar de te­rem nas­ci­do no país. E tu­do is­so se pas­sa em Por­tu­gal.

A es­tes en­jei­ta­dos por uma so­ci­e­da­de com pru­ri­dos em ofe­re­cer a na­ci­o­na­li­da­de por­tu­gue­sa ao des­ba­ra­to, co­mo se fos­se ne­ces­sá­rio al­go de es­pe­ci­al pa­ra se ser por­tu­guês, ga­nês ou fi­li­pi­no, res­tam-lhes pou­cas op­ções de vi­da. Ou se re­su­mem à vi­da no gue­to da pe­ri­fe­ria da ci­da­de apren­den­do as leis al­ter­na­ti­vas de uma so­ci­e­da­de al­ter­na­ti­va, apar­te do país que cor­re lá fo­ra, ou tra­tam de ar­ran­jar um des­ses tra­ba­lhos que a na­da mais le­vam se­não ao con­tar dos tos­tões pre­cá­ri­os co­mo a vi­da, em tra­ba­lhos tem­po­rá­ri­os nas obras ou nas quin­tas ou, em ca­sos de su­ces­so, po­de­rão mes­mo ter um em­pre­go es­tá­vel e uma re­mu­ne­ra­ção de bom ní­vel, se se man­ti­ve­rem den­tro dos pa­râ­me­tros exi­gi­dos que, fre­quen­te­men­te, são di­fe­ren­tes dos que os na­ci­o­nais cum­prem: aca­bam por fa­zer os tra­ba­lhos que nin­guém quer, du­ran­te mais ho­ras, e su­jei­tos às mais di­ver­sas for­mas de chan­ta­gem. A su­bi­da a car­gos de ges­tão é uma mi­ra­gem, a en­tra­da nu­ma fa­cul­da­de é al­go que não pas­sa de um so­nho pa­ra a mai­o­ria dos jo­vens que nas­ci­dos em Por­tu­gal, não cum­prem os ela­bo­ra­dos e ele­va­dos cri­té­ri­os pa­ra a ci­da­da­nia, bem co­mo pa­ra os ou­tros que por ou­tros mo­ti­vos tam­bém não os cum­prem.

Sen­do Por­tu­gal um país en­ve­lhe­ci­do e a en­ve­lhe­cer, com as con­tas da as­sis­tên­cia so­ci­al a de­sa­fi­ar des­ca­ra­da­men­te o con­cei­to de sus­ten­ta­bi­li­da­de, se­ria nor­mal que es­ta gen­te fos­se na­tu­ra­li­za­da por­tu­gue­sa o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel. Mas as coi­sas de­mo­ram tem­po, são de­ta­lha­da­men­te dis­cu­ti­das e, en­quan­to imi­gran­tes as­sen­tam ar­rai­ais por al­gum tem­po pa­ra lo­go se des­pe­di­rem do país em bus­ca de me­lho­res pa­ra­gens, exis­tem por­tu­gue­ses que não o são por­que en­tre o país on­de nas­ce­ram e o país on­de nas­ce­ram os seus pais vai um oce­a­no de di­fe­ren­ça.
Ser por­tu­guês não é coi­sa do ou­tro mun­do e de­ve­ria ser su­fi­ci­en­te uma de du­as coi­sas pa­ra qual­quer pes­soa ser mi­nha com­pa­tri­o­ta: ter nas­ci­do cá, ou de­se­jar sê-lo. Afi­nal, nós não so­mos as­sim tão es­pe­ci­ais e es­sa coi­sa da ra­ça lu­sa é chão que nun­ca deu uvas.
Ho­je hou­ve um even­to de apro­xi­ma­ção aos de­pu­ta­dos da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, e há uma pe­ti­ção em cur­so pa­ra o di­rei­to ao "jus so­li".

4: Lusitana Paixão I : Shadenfreude

.
What a fe­ar­ful thing is it that any lan­gua­ge should ha­ve a word ex­pres­si­ve of the ple­a­su­re whi­ch men fe­el at the ca­la­mi­ti­es of others; for the exis­ten­ce of the word be­ars tes­ti­mony to the exis­ten­ce of the thing. And yet in mo­re than one su­ch a word is found. … In the Gre­ek 'epikhai­re­ka­kia', in the Ger­man, 'Scha­den­freu­de.'
Ri­chard Che­ne­vix Tren­ch, "On the Study of Words", 1852


– Vê lá tu, es­ta­va ago­ra a es­ta­ci­o­nar ali o car­ro só pa­ra vir aqui ao ca­fé, a GNR ia a pas­sar e mul­tou-me… eu ain­da lhes dis­se que era só por cin­co mi­nu­tos, nem is­so, mas os ga­jos não per­do­a­ram, pá!
– Se eles vi­es­sem mas era ver es­sa la­dro­a­gem que an­da aí, is­so é que era…
– Pois, o que eles que­rem sei eu… mas tam­bém le­va­ram o re­ca­do!
– En­tão?…
– Pá, en­tão es­ta­va ali tan­to car­ro com a ro­da no pas­seio e os ga­jos só me mul­tam a mim? "En­tão vo­cê só me mul­ta a mim?", e o ga­jo diz-me que me es­ta­va a mul­tar pe­la fal­ta de res­pei­to. De­ve ter si­do por eles irem a pas­sar e eu não ter ido dar a vol­ta.
– A sé­rio? Gran­de la­ta! Es­tes ga­jos… e de­pois? Fi­cou as­sim?
– Na­da! Ou­ve lá, tu co­nhe­ces-me… eu dis­se-lhe que ou me per­do­a­va a mul­ta, ou ti­nha de mul­tar os car­ros to­dos. Is­to ou é igual­da­de, ou en­tão…
– Ora bem! De­via lá es­tar al­gum car­ro de um se­nhor dou­tor da câ­ma­ra. A es­ses não mul­tam eles!
– Pois! Mas olha que ele te­ve de os mul­tar a to­dos, que eu fi­quei lá a ver. Ga­ran­to-te que se fos­se só eu a ser mul­ta­do, ia fa­zer uma par­ti­ci­pa­ção do ga­jo. Já ti­nha o no­me de­le es­cri­to e tu­do… olha ele aqui. E ti­rei uma fo­to… oh… vês?
– Pá… se não for­mos nós a lu­tar pe­los nos­sos di­rei­tos, es­ses ga­jos fa­zem o que que­rem.
– En­tão não é? Ó Zé! Olha aí um mar­ti­ni com cer­ve­ja em co­po gran­de. Ago­ra, se qui­se­rem re­bo­car o car­ro que re­bo­quem… mas di­go-te: se o re­bo­ca­rem, vão ter de re­bo­car os car­ros to­dos da rua. Até que­ro ver…

(con­ver­sa re­al)

3: A Sombra de Phaeton – I

A man asked Mr. K. whether there is a God. Mr. K. said: “I advise you to consider whether, depending on the answer, your behavior would change. If it would not change, then we can drop the question. If it would change, then I can at least be of help to the extent that I can say, you have already decided: you need a God.”
Bertolt Brecht, "Stories of Mr. Keuner"

Há algum tempo que deixei de discutir a possibilidade da existência de deuses porque embora a sua existência em si possa tornar-se uma entusiasmante esgrima de argumentos, já os deuses, existentes ou não, tornaram-se irrelevantes para mim. É-me indiferente que os deuses existam ou não - se não existirem, está tudo com dantes; se existirem não passam de uns psicopatas que não me merecem um segundo de consideração. Nada há a perder aqui.

2: Portugal, 2 de Maio

PORTUGAL, 2 DE MAIO - ATÉ O ADAM SMITH FICARIA CORADO DE VERGONHA.
-- imagem: Sassy Socialist Memes

Há já 43 anos que é 2 de Maio em Portugal. Os trabalhadores transformaram-se em colaboradores, as profissões adoptaram outros nomes, e os critérios de contratação obedecem agora a outros qualificativos. Temos então Colaboradores que, por exemplo, nas vendas se transformaram em "Sales Managers", "Account Managers", "Key Account Managers", com as sub-divisões de "National", "Regional", "Global", assim mesmo, tudo em Inglês que a coisa é global, e cujos critérios de contratação se dividem agora em "soft skills" e "hard skills", como "espírito empreendedor" para as primeiras e licenciatura em engenharia aero-espacial para as segundas, caso se trate de um vendedor de isolantes industriais, ou então um MBA em algo, que isso vai a todas, venda-se carrinhos de linhas ou motores de foguetões. Já os operários, agora chamados "operadores de linha", por exemplo, ou "técnicos" de algo, outro exemplo, necessitam de alguma escolaridade, a obrigatória, sendo cada vez mais comum a exigência de terem trabalhado gratuitamente na empresa durante dois ou mais anos de "formação". "Soft skills" é coisa de que não necessitam. A uns e outros apenas duas coisas se pede, o trabalho para o "crescimento da empresa", feito "como se esta fosse tua", porque o é, acrescentam, a empresa é de todos nós, a empresa é nós... excepto no que ao vencimento diz respeito, que quanto mais riqueza produzires, menos levas para ti. Até o Adam Smith ficaria corado de vergonha. É mais um assunto a explorar? É.

1: Portugal, 26 de Abril

26 de Abril
– ima­gem de au­tor des­co­nhe­ci­do

Há já 43 anos que é 26 de Abril em Por­tu­gal, e es­te po­vo pe­que­no des­te país pe­que­no con­ti­nua a olhar a li­ber­da­de e o mun­do com os olhos da le­bre imó­vel no meio da es­tra­da, en­can­de­a­da pe­los fa­róis do ca­mião que se apro­xi­ma ve­loz e sem pos­si­bi­li­da­de de tra­va­gem. Te­mos de­mo­cra­cia e te­mos pro­gres­so, de­sen­vol­vi­men­to. Mas lá no fun­do em na­da mais nos tor­na­mos do que num Zé Nin­guém in­ca­paz de sol­tar um Ur­ro. Tris­te con­di­ção es­ta que, pas­sa­das ge­ra­ções, nos man­tém obs­cu­ros fi­gu­ran­tes de pai­néis pu­bli­ci­tá­ri­os pa­ra tu­ris­ta ver, "very ty­pi­cal!", tão very ty­pi­cal.

 

 

0: Totus Mundus Agit Histrionem

To-morrow, and to-morrow, and to-morrow,
Creeps in this petty pace from day to day,
To the last syllable of recorded time;
And all our yesterdays have lighted fools
The way to dusty death. Out, out, brief candle!
Life's but a walking shadow, a poor player,
That struts and frets his hour upon the stage,
And then is heard no more. It is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing.

-- Macbeth, Acto V, Cena 5, 19-28 de William Shakespeare,
dito por Bill Camp em Birdman