2: Portugal, 2 de Maio

PORTUGAL, 2 DE MAIO - ATÉ O ADAM SMITH FICARIA CORADO DE VERGONHA.
-- imagem: Sassy Socialist Memes

Há já 43 anos que é 2 de Maio em Portugal. Os trabalhadores transformaram-se em colaboradores, as profissões adoptaram outros nomes, e os critérios de contratação obedecem agora a outros qualificativos. Temos então Colaboradores que, por exemplo, nas vendas se transformaram em "Sales Managers", "Account Managers", "Key Account Managers", com as sub-divisões de "National", "Regional", "Global", assim mesmo, tudo em Inglês que a coisa é global, e cujos critérios de contratação se dividem agora em "soft skills" e "hard skills", como "espírito empreendedor" para as primeiras e licenciatura em engenharia aero-espacial para as segundas, caso se trate de um vendedor de isolantes industriais, ou então um MBA em algo, que isso vai a todas, venda-se carrinhos de linhas ou motores de foguetões. Já os operários, agora chamados "operadores de linha", por exemplo, ou "técnicos" de algo, outro exemplo, necessitam de alguma escolaridade, a obrigatória, sendo cada vez mais comum a exigência de terem trabalhado gratuitamente na empresa durante dois ou mais anos de "formação". "Soft skills" é coisa de que não necessitam. A uns e outros apenas duas coisas se pede, o trabalho para o "crescimento da empresa", feito "como se esta fosse tua", porque o é, acrescentam, a empresa é de todos nós, a empresa é nós... excepto no que ao vencimento diz respeito, que quanto mais riqueza produzires, menos levas para ti. Até o Adam Smith ficaria corado de vergonha. É mais um assunto a explorar? É.

1: Portugal, 26 de Abril

26 de Abril
– ima­gem de au­tor des­co­nhe­ci­do

Há já 43 anos que é 26 de Abril em Portugal, e es­te po­vo pe­que­no des­te país pe­que­no con­ti­nua a olhar a li­ber­da­de e o mun­do com os olhos da le­bre imó­vel no meio da es­tra­da, en­can­de­a­da pe­los fa­róis do ca­mião que se apro­xi­ma ve­loz e sem pos­si­bi­li­da­de de tra­va­gem. Temos de­mo­cra­cia e te­mos pro­gres­so, de­sen­vol­vi­men­to. Mas lá no fun­do em na­da mais nos tor­na­mos do que num Zé Ninguém in­ca­paz de sol­tar um Urro. Triste con­di­ção es­ta que, pas­sa­das ge­ra­ções, nos man­tém obs­cu­ros fi­gu­ran­tes de pai­néis pu­bli­ci­tá­ri­os pa­ra tu­ris­ta ver, "very ty­pi­cal!", tão very ty­pi­cal.

 

 

0: Totus Mundus Agit Histrionem

To-morrow, and to-morrow, and to-morrow,
Creeps in this petty pace from day to day,
To the last syllable of recorded time;
And all our yesterdays have lighted fools
The way to dusty death. Out, out, brief candle!
Life's but a walking shadow, a poor player,
That struts and frets his hour upon the stage,
And then is heard no more. It is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing.

-- Macbeth, Acto V, Cena 5, 19-28 de William Shakespeare,
dito por Bill Camp em Birdman